Luis Enrique: “A linha mais poderosa é a defesa”

Luis Enrique, durante a conferência de imprensa antes de Portugal-Espanha. / Pedro Nunes/Reuters

Liga das Nações

O treinador espanhol insiste, cerra fileiras com os seus defesas apesar das falhas frente à Suíça e avança “três ou quatro” alterações no duelo contra Portugal

Luis Enrique não se afasta um milímetro do roteiro estabelecido. Apesar das muitas dúvidas levantadas pelo desempenho defensivo da equipa espanhola frente à Suíça, o treinador espanhol manteve-se impassível na defesa feroz de uma defesa que descreve como “a melhor linha da equipa” e considerada quase anedótica e fruto de um aspecto que é difícil controlar a fraqueza que sua equipe mostrou nas jogadas de estratégia e de cima.

«Acho que a linha mais poderosa é a defesa, ao contrário do que pensas. O problema era que a Suíça tem um nível físico mais alto do que a maioria das equipes. O erro faz parte do futebol e perdemos pouco tempo com isso”, afirmou ao ser questionado sobre as possíveis dúvidas que os dois gols da Suíça podem ter gerado no vestiário da La Roja.

“Nas bolas paradas, não importa se você tem onze contra nove, você pode sofrer um gol. Lembro que tive um treinador com quem ele ficou quase obcecado e foi ficando cada vez pior… Não vou trabalhar nisso além do vídeo porque não tenho tempo para isso. Não se preocupe…», despachou-o em termos de trabalho de estratégia, aspecto que não está entre as prioridades do treinador asturiano.

E é que de acordo com o que Lucho disse na entrevista coletiva, o que aconteceu em Zaragoza já faz parte do passado e foi analisado e metabolizado, com conclusões frias diferentes das que ele expressou na mesma conclusão da partida. «Acho que disse exatamente que não me lembrava de uma primeira parte em que éramos tão vagos. A verdade é que depois não foi assim», resumiu em termos do equilíbrio tranquilo daquele encontro.

Apesar de não ser uma revolução, longe disso, contra Portugal é de esperar mudanças em quase todas as linhas, como reconheceu parcialmente: “Não sei se vou fazer muitas mudanças ou não. Se eu olhar para o line-up, haverá três ou quatro mudanças, nas alas e mais alguma coisa. Então todos os indiscutíveis vão jogar, com certeza. Ele também se referiu especificamente à posição de centroavante e às alternativas após a aposta em Marco Asensio como um falso ‘9’: «Independentemente de quem jogue ‘9’, ele tem que fazer o mesmo, seja Álvaro, Borja ou Marco. Ocupar os mesmos espaços, apoiar os companheiros em situações de jogo que julguemos adequadas, etc… O que acontece, que cada um é diferente».

«Portugal é uma equipa que sempre definimos como talentosa e com, para além do individual, um físico poderoso. Ganhou e conquistou recentemente o Campeonato da Europa e a Liga das Nações. É um pouco como na Espanha, onde sempre saem jogadores das categorias inferiores. Talvez agora, em comparação com a atual Espanha, seja uma equipe mais bem-sucedida. Com mais jogadores titulares nas suas equipas”, reconheceu finalmente o treinador espanhol sobre o nível atual da equipa portuguesa, um formidável rival contra quem, apesar de tudo, não abdica de nada.

Cedric Schmidt

"Amante de café irritantemente humilde. Especialista em comida. Encrenqueiro apaixonado. Especialista em álcool do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *