Santander já traz quatro medalhas à Colômbia no Mundial de Para Natação em Portugal

A boa notícia dos nadadores do Santander não param de vir da Madeira, Portugal, onde acontece o Campeonato Mundial de ParaNatação.

No primeiro dia, os filhos da ‘Terra do Cânion de Chicamocha’ conquistaram três medalhas, uma de ouro, uma de prata e uma de bronze, graças a Carlos Serrano, Moisés Fuentes e Miguel Ángel Rincón.

E no segundo dia de atividades, nesta segunda-feira, quem prolongou o bom momento dos nadadores paralímpicos de Santander foi Nelson Crispín Corzo, que conquistou a medalha de prata nos 100 metros livres S6.

Leia também. Nelson Crispín Corzo e o ouro mais disputado

“Muito feliz por esta medalha de prata, foi uma competição muito dura do início ao fim, deixamos tudo na piscina e conseguimos este resultado. Continuamos trabalhando para conseguir o que queremos, que é aquela medalha de ouro, e vamos diminuindo os tempos”, disse Crispín Corzo, que aproveitou para dedicar a vitória “a Deus, minha família e todas as pessoas que estão por trás disso, o treinador, a parte técnica, a parte médica e todas as pessoas que nos apoiam na Colômbia”.

Leia também. Uma equipe de natação paraolímpica muito Santanderean da Colômbia

Nelson, 30 anos, confirma a sua excelente forma, que espera confirmar nas restantes provas: 200 metros medley, 50 livres, 50 borboleta e 100 bruços.

Recorde-se que Crispín Corzo, que começou a nadar aos 12 anos quando acompanhava o irmão a algumas provas, acumulou sete medalhas nos Jogos Paralímpicos: três no Rio de Janeiro 2016 e quatro em Tóquio 2020.

Leia também. Atletas santandereses entregam as primeiras medalhas à Colômbia na Copa do Mundo Paranatação

Além do segundo lugar de Crispín, nesta segunda-feira Darlin Jiseb Romero Sánchez, também de Santander, terminou em sétimo lugar nos 50 metros costas S5.

Dessa forma, já são quatro medalhas entregues pelos santandereses na Copa do Mundo: uma de ouro nos 200 metros combinado com Carlos Serrano; duas medalhas de prata nos 100 metros peito e 100 metros livre com Moisés Fuentes e Nelson Crispín; e um bronze nos 100 metros peito com Miguel Ángel Rincón.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.