Copa do Mundo Catar 2022, resumo de 21 de novembro

Bruxelas destaca as reformas trabalhistas do Catar diante de um Parlamento Europeu muito crítico, informa a EFE

A Comissão Europeia destacou esta segunda-feira os progressos que o Qatar fez nos últimos anos em matéria de direitos laborais tendo em vista a realização do Mundial, contrariando uma câmara do Parlamento Europeu que condenou a celebração do torneio neste país em uma quase unanimidade.

Durante um debate parlamentar sobre a situação dos direitos humanos no Qatar, a Comissária Europeia para a Saúde, Stella Kyriakides, destacou que a legislação do Qatar tem sido um “protagonista global” durante os preparativos para o torneio e referiu-se a números da Organização Internacional do Trabalho que registam 50 mortos e mais de 500 feridos durante a construção destas infraestruturas em 2020.

“Cada uma dessas mortes é, claro, uma tragédia. Mas o Catar fez progressos significativos nos direitos trabalhistas nos últimos anos”, disse o comissário, que garantiu que foi o primeiro país do Golfo Pérsico a desmantelar um modelo de exploração trabalhista . que permite o monitoramento dos trabalhadores migrantes e que introduziu um “salário mínimo não discriminatório”.

Kyriakides estava convencido de que a organização da Copa e as “evidências das deficiências existentes” aceleraram as “reformas trabalhistas” no país, mas destacou que há “inúmeros desafios pendentes” na coleta de dados sobre mortos e feridos durante a construção de estádios, o pagamento de salários a milhares de trabalhadores migrantes ou, sem maiores detalhes, “os direitos das pessoas LGBTIQ”.

“O Catar tem agora a oportunidade de mostrar ao mundo que está pronto e disposto a continuar em seu caminho de abertura, tolerância e modernização”, concluiu.

Cedric Schmidt

"Amante de café irritantemente humilde. Especialista em comida. Encrenqueiro apaixonado. Especialista em álcool do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *