Governo lança campanha estadual 2022 contra incêndios florestais

13/06/2022

A campanha oficial, ativa entre 15 de junho e 31 de outubro, voltará a incorporar a mais recente tecnologia, como aviões de coordenação e observação, e ferramentas de satélite para ajudar a prevenir e extinguir incêndios e reduzir seu impacto

A Comissão Estadual de Coordenação e Gestão do Plano Estadual de Incêndios Florestais (CECOD), composta pelos Ministérios da Transição Ecológica, Interior, Defesa e Presidência, analisou as diferentes variáveis ​​que podem condicionar esta campanha, bem como os meios preparados para responder a emergências

O Governo anunciou hoje o dispositivo de combate aos incêndios florestais para a campanha de 2022, que arranca oficialmente esta quarta-feira. Por mais um ano, a operação incorpora tecnologia de ponta, como aviões de coordenação e observação e ferramentas de satélite, para ajudar a prevenir e extinguir incêndios e reduzir seu impacto, além dos recursos humanos disponíveis no terreno.

O dispositivo complementará a ação das comunidades autónomas durante o período entre 15 de junho e 31 de outubro, período de maior incidência de emergências deste tipo, embora já tenha entrado em funcionamento e assistido com meios aéreos e pessoal nos incêndios declarados nos últimos dias em Pujerra (Málaga), Hellín (Albacete), Navalperal de Pinares (Ávila) ou El Frasno (Zaragoza), entre outros.

A campanha foi idealizada ao longo dos últimos meses pela Comissão Estadual de Coordenação e Gestão dos Incêndios Florestais (CECOD), que se reuniu esta segunda-feira para analisar as diferentes variáveis ​​que podem condicionar esta campanha de 2022, bem como os meios de comunicação preparados para responder às essas emergências. A reunião do CECOD contou com a presença de representantes dos diferentes órgãos do Estado envolvidos na campanha, ligados aos Ministérios do Interior, Transição Ecológica e Desafio Demográfico (MITECO), Defesa e Presidência.

No encontro, que decorre na sede da Direção Geral de Proteção Civil e Emergências, foi colocada em cima da mesa a implantação dos recursos materiais e humanos que vão compor a campanha de verão. Com o dispositivo de combate aos incêndios florestais, a administração geral do Estado reforça a ação que corresponde às Comunidades Autónomas por força das suas competências em Proteção Civil e gestão florestal, disponibilizando meios estatais, e facilitando a incorporação de meios de outras Administrações , bem como a ajuda internacional, quando necessária, com base em critérios técnicos e solidariedade interterritorial.

Ao longo desta campanha, e como é habitual, a Direção-Geral da Proteção Civil e Emergências do Ministério do Interior dará conta diariamente da sua evolução, através das redes sociais, comunicados de imprensa e do seu site. Simultaneamente, a Agência Meteorológica do Estado, dependente do MITECO, publica diariamente mapas de risco de incêndio de acordo com as variáveis ​​meteorológicas e fatores como a secura do solo, entre outros indicadores.

MÍDIA AÉREA E TERRESTRE

Embora os meses de verão sejam os que implicam um risco acrescido na maior parte do território, os recursos da MITECO mantêm-se ativos durante todo o ano, quer em tarefas de prevenção (com as Brigadas de Trabalho Preventivas) quer em tarefas de combate a incêndios nas regiões onde se desloca o maior risco de incêndios a outras épocas do ano, como a costa cantábrica, com maior recorrência nos últimos meses de inverno.

Nesse sentido, a MITECO disponibiliza aeronaves e recursos materiais e humanos às comunidades autónomas, em especial às Brigadas de Combate a Incêndios Florestais (BRIF). Este ano o Ministério abriu um processo licitatório para modernizar a frota aérea e substituir várias unidades fora de serviço. Assim, os meios aéreos disponíveis são 16 aeronaves anfíbias, 8 helicópteros bombardeiros Kamov, 10 aeronaves de carga terrestre AT-802, 19 helicópteros de transporte de brigada, 4 aeronaves de coordenação e observação (ACO) e 4 helicópteros. vigilância operada pela Guarda Civil.

A eles se juntam 7 unidades móveis de análise e planejamento em terra e cerca de 1.000 funcionários, incluindo técnicos de aeronaves, pilotos e mecânicos, pessoal das brigadas florestais e das bases da força aérea e trabalhadores do Ministério, entre outros, coordenados pela Coordenação Nacional de Informação Centro de Incêndios Florestais (CCINIF). Para isso, o MITECO vai destinar 85 milhões de euros este ano, sem contar o custo dos funcionários públicos.

Além disso, o dispositivo autorizado pelo Governo conta com a força humana e material da Unidade Militar de Emergência, (1.400 em intervenções de ataque direto de fogo e outros 1.500 em funções de apoio logístico) e do 43º Grupo da Força Aérea, encarregado de operar as aeronaves de alto nível do MITECO capacidade aérea graças a um acordo firmado com o Ministério da Defesa, em vigor há mais de 50 anos. As Forças e Órgãos de Segurança do Estado em suas respectivas esferas territoriais de atuação também contribuem para esse desdobramento.

O dispositivo de combate a incêndios espanhol é uma referência internacional na extinção de incêndios florestais e conta ainda com a ajuda de ferramentas tecnológicas altamente avançadas que facilitam o trabalho dos serviços de emergência, como o Copérnico para a produção de produtos de mapeamento rápido.

COORDENAÇÃO

Representantes dos diferentes órgãos estaduais envolvidos na campanha se reuniram hoje na reunião do CECOD. Em nome do MITECO, estiveram presentes a Subdiretora Geral de Política Florestal e Combate à Desertificação, Elsa Enríquez, e técnicos da Agência Meteorológica do Estado (AEMET). Responsáveis ​​pela Protecção Civil e Emergências, e as direcções-gerais da Polícia Nacional, Guarda Civil e Trânsito, têm participado em representação do Ministério do Interior. Juntamente com eles, estiveram presentes membros da Direção Geral de Política de Defesa e da Unidade de Emergências Militares do Ministério da Defesa e o diretor do Departamento de Segurança Nacional, Miguel Ángel Ballesteros.

Os membros do CECOD concordaram com a importância de manter uma boa coordenação entre todas as agências que participam da campanha para garantir uma resposta rápida e eficaz a essas emergências.

CAMPANHA 2021

A campanha de 2021 caracterizou-se por uma diminuição do número total de sinistros, mas não da área ardida devido ao elevado número de grandes incêndios florestais, aqueles que ultrapassam os 500 hectares. De fato, o incêndio de Cepeda de La Mora (Ávila) ultrapassou os 20.000 hectares, tornando-se um dos maiores da Espanha desde o início dos registros.

As comunidades autónomas mais afetadas foram Andaluzia, Castilla y León e Galiza. 27 por cento dos incêndios ocorreram em datas anteriores ao período de verão, e as comunidades das Astúrias e Cantábria relataram a maioria dos eventos.

No que diz respeito à proteção civil, 2021 registou 96 incêndios em que ocorreu algum tipo de afetação para a população. A mídia do Ministério da Transição Ecológica e do Desafio Demográfico interveio em 56 deles e a Unidade de Emergência Militar o fez em 14.

A nível internacional, a Espanha interveio através do Mecanismo Europeu de Proteção Civil nos incêndios na Turquia e na Grécia, enquanto o apoio a Portugal foi realizado em aplicação do Acordo Bilateral e, na maioria dos casos, as ações foram realizadas com meios de comunicação regionais em -incêndios de fronteira.

documentos

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.