Polêmica derruba projeto que penalizava médicos por abortos em Portugal | Sociedade | Edição América

A ministra da Saúde de Portugal, Marta Temido, confirmou hoje a retirada de uma proposta que penalizava os médicos de família caso as suas pacientes decidissem abortar ou sofressem de doenças sexualmente transmissíveis, no meio de uma polémica que chegou ao Governo do socialista António Costa.

Temido, duramente questionado, afirmou hoje que o “grupo técnico” que elaborou a proposta decidiu retirá-la em resposta ao “sentimento social” e garantiu que “o direito das mulheres” à interrupção da gravidez não estava em causa.

O “grupo de trabalho” ao qual a ministra se referiu divulgou um comunicado para “pedir desculpa a todas as mulheres que se sentiram ofendidas”.

São especialistas que desenham um modelo organizacional de Unidades de Saúde da Família e que incluíram aborto e doenças sexualmente transmissíveis entre os índices para avaliar o desempenho dos médicos da atenção básica.

Essa iniciativa incluiu a redução de bônus aos médicos se seus pacientes abortassem ou sofressem desse tipo de doença.

A declaração provocou de imediato protestos irados entre a esquerda, organizações médicas e grupos feministas e chegou às redes sociais, onde muitos internautas questionaram se Portugal estaria a dar um passo atrás no direito ao aborto.

A ministra da Saúde recusou hoje pedir desculpa pela polémica gerada: “As desculpas foram feitas por quem fez esta proposta, o grupo técnico”, acertou.

“Não cabe ao Ministério da Saúde censurar o trabalho dos grupos técnicos, cabe a eles acompanhá-los, orientá-los e promover uma discussão mais ampla” respeitando “os direitos das mulheres e também o direito à liberdade de pensamento, discussão e debater”, disse.

De acordo com a proposta, a análise de indicadores como aborto ou doenças sexuais permitiu avaliar “uma intervenção mais efetiva dos médicos de família e enfermeiros nas atividades de educação sexual e planejamento familiar”.

A polémica surgiu esta semana, quando se soube que a Direção-Geral da Saúde tinha validado a proposta e que o Ministério da Saúde a estava a estudar.

O aborto foi descriminalizado em Portugal até às dez semanas de gestação desde 2008, depois de ter sido aprovado em referendo um ano antes.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.