Ex-touroureiro Enrique Fraga garante que pecuaristas sofrerão mais após o cancelamento das touradas



William Advogado Gonzalez

Foto: Arquivo isso e Pecuária Enrique Fraga

o touro é o protagonista, o rei é catalogado, por isso são chamadas de touradas e tourada também popularmente conhecido como “Festa selvagem”, onde o animal é o artista, por isso é criado de forma extremamente meticulosa a tal ponto que é tratado como se fosse um atleta de alto rendimento.

RECOMENDAMOS: “Acho importante que seja feita uma consulta”: Claudia Sheinbaum sobre touradas no CDMX

O acima foi considerado pelo agora pecuarista Enrique Fragaque anteriormente trabalhou como toureiro e rejoneador, mas actualmente se dedica à criação do touro de luta, tarefa que não é nada simples mas que faz com marcada paixão.

“Nós, como pecuaristas, dedicamos nosso esforço, nosso trabalho. Eu moro na fazenda, dia a dia participo de todas as tarefas no campo, é algo que me apaixona e como pecuaristas temos interesse em estar muito perto do gado”, disse ele ao jornal ESTO.

Em conversa telefónica, lamentou que para já as touradas estejam definitivamente suspensas no Praça do Méxicoassim as perdas serão fortes e mais como zeladores do protagonista das festividades tauromáquicas, porque sem touros não há touradas.

“Somos os pecuaristas que investiram na tourada mais do que ninguém, temos fazendas, propriedades, onde moram, temos o gado, no dia a dia. A parte fundamental de toda essa perda seria mais importante para os pecuaristas. Se todos nós pecuaristas compartilhamos algo, é que todos somos movidos por algo chamado paixão pelo touro e quando é paixão não nos faz mal (a despesa), tem dias que são mais difíceis, complicados que outros, mas não dói porque é uma paixão que temos por criar o touro bravo. Em matéria de dinheiro teríamos que fazer uma lista interminável e talvez vender touradas não seja suficiente para cobrir o que se cuida dos touros”, disse.

Ele detalhou que o touro bravo é cuidada de tal forma que em alguns países sua carne é tão rica que se tornam pratos caros, justamente por causa da comida que comem desde que nasceram, uma nutrição equilibrada que torna sua carne um prato muito saboroso.

“Um touro está sendo criado cem por cento como se fosse um atleta de alto rendimento, impecavelmente cuidado em questões de saúde e nutrição, essa carne é maravilhosa, por isso na Espanha vendem a sopa de rabada e depois vendem mais caro. A gastronomia do touro de briga na Europa é muito cara, valorizada e boa”, comentou ao Diario de los Deportistas.

Ele insistiu: “A carne acaba em um matadouro, ainda são animais que se comem. Mas na Europa há uma grande gastronomia, uma publicidade especial é dada à carne do touro bravo. Aqui (no México) nos assusta, mas o touro de briga desde o nascimento é alimentado como ninguém, perfeitamente alimentado, é cuidado, tem um programa de saúde muito importante, deve ser vermifugado, vitaminado.

Enrique Fraga sublinhou mesmo que na sua criação de gado “os vitelos que não me dão largura para a criação de gado optei por ter um congelador e coloquei todos os vitelos no congelador e eles não têm ideia de qual carne é mais saborosa porque eles são muito bem cuidados, é um gado que serve igual ao outro e o destino é o açougue”.

VOCÊ TEM QUE TENTAR OS BEZERROS A DECIDIR SEU FUTURO

Enrique Fraga Explicou que um pecuarista deve ter muita disciplina desde a seleção dos bezerros para avaliar qual deles fica na criação e qual vai para o matadouro, tudo é definido de forma provisória e porque esses animais não podem mais ser intimidados, enganados, alguns devem ser sacrificados e outros selecionados de acordo com sua bravura, sua nobreza.

“Você tem um rebanho com alta disciplina em todos os aspectos de cuidado para que eles lutem um dia, por isso a seleção de bezerros quando a tentação vem, eles lutam e isso é designado para continuar a ter filhos ou este vai para o rastro porque não deu os resultados que se esperava, a seleção deles é muito rigorosa, muito forte, a forma como um gado bravo é registrado e mantido nesse aspecto”.

Acrescentou: “Temos vários hectares destinados às vacas, destinados à criação do touro bravo e destinados a selecionar as touradas, touradas que se vendem e as têm de forma adequada. O gado selvagem vive de maneira principesca porque cuidamos deles como ninguém.”

Embora seja possível que as touradas ainda estejam presentes, mas com os regulamentos de que o touro não é morto na arena, o experiente fazendeiro mexicano descartou que isso seja possível devido à inteligência do animal.

“O touro de briga é um touro muito esperto, inteligente e quando ele é virgem, quando não foi intimidado, então esse touro pode ser enganado, no final ele é enganado com o capote ou a muleta, você os usa nas touradas em diferentes maneiras, eles lutam sob um engano, mas o touro é muito inteligente. Na segunda vez eles já sabem quem os está enganando, aí o touro, novilho, bezerro, vai por um porque aprendeu, é muito inteligente e só brigam uma vez por isso”.

Sublinhou que “o touro para viver dignamente tem de ser combatido e morto na praça de touros, é o que penso e acredito” porque por vezes podem sofrer mais se tomarmos como exemplo o que acontece em Portugal, onde Fraga viveu um alguns anos e ele percebeu que o touro não é morto no ringue, mas no dia seguinte, o que aumenta seu sofrimento.

“Vivi muitos anos em Portugal, Portugal é a minha segunda pátria, embora claro que estou no meu querido México, adoro Portugal, conheço-o por dentro, os touros que se lutam em Portugal nas touradas a pé ou a cavalo são não morto, mas eles colocaram bandeiras neles. O que há com esse touro? quando ele passa a noite inteira com as banderillas dentro do corpo enquanto está no ringue ele tem aquela adrenalina que com certeza o deixará menos sensível à dor, mas quando esse show acaba o touro volta para as corletas, elas não matam ele imediatamente e eles o matam imediatamente. no dia seguinte, você quer mais tortura para passar a noite toda com os rejones dentro? Digo isso porque vivi isso como minha própria experiência”.

O TOURO TEM CHANCE DE VIVER

Fraga viveu um momento especial como pecuarista quando o rejoneador Diego Ventura em 2018 perdoou um touro de seu acasalamento, “Fantasma” no Monumental Plaza México num sinal de que o burel “é o único animal que existe num espetáculo e que sai pela sua bravura, nobreza, sua classe e pode salvar a sua vida e que não tem oportunidade os peixes que o apanharam, os da caça , etc. Dentro das touradas, as vacas são criadas, cuidadas e preservadas para uma seleção como nenhuma outra raça.”

“Quando eles perdoaram o touro ‘Fantasma’ na Plaza México por qualquer motivo que você queira e envie, minha esposa, eu e as pessoas da Plaza, o toureiro, os caporales, veterinários, o curamos quando o touro foi libertado dos rejones que ele tinha dentro, que ele tinha 13 anos, o touro quase se ele pode falar ele diz ‘obrigado’, eu juro para você pelo que eu mais amo. Quando entrou na caixa, para as curas, o touro já tinha passado a adrenalina da luta, o touro parecia cansado e dolorido e quando o curamos foi uma felicidade do touro. Lutou pela vida, está vivo, que maravilha”.

“Fantasma” tem atualmente quatro anos, é garanhão e goza de uma ótima vida, então para o pecuarista “o touro perdoado é uma benção”, mas “o mais importante para o pecuarista é encontrar um equilíbrio na pecuária que onde quer que mais touros possam ser combatidos corretamente, que não saiam do chili, do doce e da manteiga, encontrar um equilíbrio é a coisa certa a fazer”.

Receba via WhatsApp todas as nossas notícias esportivas, envie a palavra ALTA neste link

🔈Ouça nosso podcast 🔈

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.