Comissão que investiga pederastia na Igreja de Portugal recebe 102 queixas em cinco dias | Sociedade

A comissão independente criada pela Conferência Episcopal Portuguesa para investigar casos de abuso sexual de menores, ocorridos a partir de 1950 na Igreja, recebeu 102 denúncias em apenas cinco dias, segundo o coordenador da comissão, o psiquiatra infantil Peter Stretch. Os depoimentos chegaram por e-mail ou telefone.

A Conferência Episcopal Portuguesa anunciou em novembro passado a criação desta comissão para investigar casos de abuso sexual que possam ter sido cometidos no passado por membros do clero, ou leigos no exercício de alguma atividade religiosa. Durante o anúncio do lançamento deste estudo “histórico”, o presidente dos bispos portugueses, José Ornelas, assegurou que a Igreja “não tem medo, muito pelo contrário” dos resultados que possam surgir durante a investigação. O anúncio, que foi uma virada radical em relação à estratégia que a Igreja portuguesa mantinha até então de minimizar a pederastia, veio logo após o pedido público de 241 católicos de diferentes áreas, do judiciário à cultura, para abrir uma investigação nacional independente abuso sexual cometido nos últimos 50 anos.

Esta comissão foi apresentada a 10 de Janeiro. “Não sabemos até onde vamos, mas podem contar connosco porque não vamos desistir”, o psiquiatra português, autor de cerca de trinta livros especializados em crianças e psiquiatria adolescente, proclamado naquele dia. O calendário que a comissão estabeleceu reserva o primeiro semestre para a recolha de reclamações e análise documental, com a intenção de apresentar um primeiro relatório no final deste ano.

Os abusos não prescritos serão denunciados aos tribunais. Em outubro passado, a Assembleia da República aprovou um projeto de lei que aumenta para 15 anos a prescrição dos crimes sexuais contra menores, que só começará a contar quando a vítima atingir os 35 anos e não quando atingir a maioridade. Na prática, permite alargar para 50 anos o tempo em que a vítima pode tomar a iniciativa de ir a tribunal para denunciar o seu caso. Além disso, se o menor era menor de 14 anos quando ocorreu o abuso, a prescrição será ainda mais tardia, pois começará a contar quando o afetado completar 40 anos (na prática, ele pode denunciar até 55 anos de idade).

O critério objetivo que a comissão concordou em considerar que há um caso de abuso é o de um ato sexual que tem relevância jurídico-penal no Código Penal. Além do psiquiatra Strecht, a comissão é composta pela socióloga Ana Nunes de Almeida, o ex-ministro da Justiça, Laborinho Lúcio, o psiquiatra Daniel Sampaio, a terapeuta familiar Filipa Tavares e a cineasta Catarina Vasconcelos.

Os bispos portugueses seguem assim o caminho de seus colegas na França, Bélgica e Alemanha, onde o passado da Igreja também foi escrutinado em relação aos abusos sexuais.

Na Espanha, a Conferência Episcopal (CEE) assegura que está investigando os 251 casos de abuso que o EL PAÍS entregou ao seu presidente, o arcebispo de Barcelona, ​​​​o cardeal Juan José Omella, embora não especifique como serão as investigações realizado e se recusa a criar uma comissão independente. Conhecido o dossiê do EL PAÍS, o Papa Francisco e Omella conversaram. O Vaticano, como costuma fazer quando as denúncias são tão numerosas e não pertencem a uma única ordem, diocese ou abusador específico, supervisionará todo o processo realizado pela Conferência Episcopal através da Congregação para a Doutrina da Fé. Roma vai aguardar os resultados, que, segundo seu próprio código, devem sair em no máximo três meses.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *