Zelenski pede a Portugal que lute contra a propaganda russa nos países de língua portuguesa | Mundo

O presidente da Ucrânia, Volodímir Zelenski, pediu hoje a Portugal que lute contra a propaganda russa que tem “influência” nos países de língua portuguesa, como os africanos, e que apoie o povo ucraniano no seio da União Europeia.

“Peço-vos que lutem contra a propaganda russa com influência naqueles países (de língua portuguesa) que estão próximos de vós”, disse Zelenski durante um discurso por videoconferência perante o Parlamento português, onde agradeceu a Portugal o seu trabalho “para defender a independência, a segurança , e soberania.

O presidente ucraniano salientou que o seu país está no extremo leste do continente e Portugal no oeste, mas “as nossas razões são as mesmas”.

“Sabemos que as regras devem existir na Europa de uma ponta a outra”, disse Zelenski, que insistiu: “as regras, direitos e valores devem ser iguais, sem ditadura”.

Aproveitou ainda para recordar que Portugal está perto de celebrar os 50 anos da Revolução dos Cravos, que a 25 de abril de 1974 pôs fim a uma ditadura de quase meio século.

“Eles sabem perfeitamente o que estamos sentindo, o que outros povos estão sentindo. Eles sabem o que a morte e a ditadura trazem para a Ucrânia”, insistiu.

Solicitou que Portugal apoiasse o embargo petrolífero russo e o bloqueio do sistema bancário russo na União Europeia e agradeceu a ajuda humanitária.

“Pedimos coisas simples, armas para nos defendermos fortemente para desocupar nossas cidades da ocupação russa”, disse Zelensky, que também pediu que todas as empresas europeias deixem a Rússia, sem se referir especificamente a nenhuma.

O presidente ucraniano denunciou a barbárie e os crimes de guerra cometidos pela Rússia, como a destruição de Mariupol – uma cidade “do tamanho de Lisboa”, disse – e lembrou os ucranianos que deixaram o país em consequência da invasão.

“Imagine se toda a população de Portugal tivesse que sair do país”, disse, defendendo que os ucranianos não são “refugiados”, mas foram “obrigados” a sair temporariamente das suas terras.

A Rússia deve ser parada porque “mais tarde eles vão tentar fazer isso com a Bulgária, a Geórgia, os países bálticos e outros países”, insistiu o líder ucraniano, que durante um discurso de 15 minutos detalhou em detalhes queixas sobre crimes de guerra e violações de direitos humanos . Humanos para mulheres e crianças em seu país.

“Conte com Portugal”, respondeu o presidente da Assembleia Portuguesa, Augusto Santos Silva. “Você pode contar com nosso apoio para seus esforços.”

Portugal, recordou, é considerado um dos países mais pacíficos do mundo, mas “não somos ingênuos”: “Precisamos conquistar a paz e para isso precisamos enfrentar a agressão”.

“A luta de seu país pela liberdade é a luta de toda a Europa pela liberdade. Essa luta nunca faltou, não falta e não faltará”, concluiu.

O presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, publicou posteriormente uma nota no site da Presidência em que agradeceu a Zelensky pelo seu discurso e ao “mártir povo ucraniano pelo exemplo que deram ao mundo em quase dois meses de guerra”.

“Neste momento, quando só há espaço para humanidade, fraternidade e solidariedade, somos todos ucranianos”, concluiu.

O discurso de Zelenski foi aplaudido de pé por todos os deputados presentes na Assembleia da República, onde hoje foram vistos lenços, gravatas e até cravos amarelos e azuis em homenagem à bandeira ucraniana.

Os grandes ausentes da sessão foram os seis deputados do Partido Comunista, que anunciaram na quarta-feira que não compareceriam, considerando que o presidente ucraniano “personifica um poder xenófobo e belicista”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.