Um dos cinco incêndios florestais que afectam a província de Ourense há uma semana foi extinto

A situação mais complicada ainda se vive este domingo em Carballeda de Valdeorras e Vilario de Conso, onde já foram queimados 16.300 hectares

24 de julho de 2022 . Atualizado às 12h56

Após quase uma semana de intenso trabalho das equipas de bombeiros, um dos três incêndios florestais que atingiram a vila ourense de Sombra já está extinto. Este domingo o Ministério do Rural informou que, por volta das onze horas, os trabalhos de extinção no foco de Videferre. De acordo com as últimas estimativas, aquele fogo, que entrou de Portugal empurrado por ventos fortes, queimou 919 hectares, dos quais 76 eram colinas arborizadas e os restantes 843 de superfície nua. Os incêndios declarados em Rabal S São Cristóvão, onde não há mais perigo para as populações e o trabalho está focado em manter as áreas queimadas úmidas e evitar a rebrota. Em Rabal eles foram afetados 2.100 hectares e em San Cristobo outros 400. Entre os municípios afectados encontram-se também alguns pertencentes a Vern, sobretudo os mais próximos da fronteira portuguesa.

A situação continua complicada, apesar de tudo, nos incêndios de Carballeda de Valdeorras e Vilario de Conso. Ambos os incêndios, que estão a evoluir há dez dias, continuam ativos este domingo, embora já não haja qualquer risco para os moradores das aldeias que foram devastadas pelas chamas, e que este sábado conseguiram arrefecer as suas casas. Durante o dia de sábado, as tropas de combate a incêndios, das quais fazem parte unidades do Laza BRIF, realizaram contra-fogos para deter o avanço das chamas que persistem no Parque Natural do Invernadeiro, em Villario. Este fogo já consumiu 5.800 hectares e 134 brigadas trabalham lá, apoiadas do ar por nove aviões e quinze helicópteros. Embora não existam estimativas oficiais, acredita-se que as chamas tenham afetado metade do parque natural, considerado um dos mais importantes refúgios de biodiversidade da Galiza.

Em Carballeda de Valdeorras, onde o fogo começou em 14 de julho por uma tempestade já queimou 10.500 hectares, os moradores permanecem em alerta. Existe ainda o risco de as chamas se reacenderem em bolsões de alguns pontos do concelho de Rubi perto de El Bierzo, mas os atingidos pelos despejos já puderam voltar para suas casas e permanecer na área 196 brigadas florestais, com doze aviões, treze helicópteros e tropas da UME. Espera-se que as condições meteorológicas ajudem a situação a continuar a melhorar nas próximas horas.


Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.