Portugal encerra a crise política iniciada há sete meses com a aprovação dos Orçamentos de 2022 | Internacional

Os deputados portugueses na Assembleia da República, durante a sessão de quinta-feira sobre o Orçamento do Estado para 2022.PEDRO NUNES (REUTERS)

O Parlamento português deu luz verde esta tarde ao Orçamento do Estado para 2022, que vetou há sete meses. As contas públicas apresentadas pelo governo socialista mudaram em parte para enfrentar a grande mudança que as economias europeias estão experimentando após a guerra com uma inflação desencadeada pelos preços da energia. As medidas previstas para fazer face ao impacto do conflito em Portugal rondam os 1.800 milhões de euros, segundo o Ministério das Finanças. O que também mudou neste parêntese é a composição da Assembleia da República. Se antes da dependência que o Governo do Primeiro-Ministro António Costa tinha do apoio dos sócios minoritários permitia que os orçamentos fossem derrubados por divergências entre os três partidos que formavam o geringonça —Socialistas (PS), Bloco de Esquerda (BE) e Partido Comunista Português (PCP)—, o processo em curso tem sido uma caminhada de país graças à maioria absoluta que Costa alcançou em janeiro passado. “Viramos a página desta crise, agora é hora de voltar ao trabalho”, disse o primeiro-ministro após a votação.

Os orçamentos, que entrarão em vigor a 1 de julho, após terem sido enviados ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e publicados no Jornal da Repúblicamais uma vez responder à lógica económica defendida pelos sucessivos governos de António Costa de manter “como você conta certo” (contas do saldo orçamentário). Isto traduzir-se-á este ano numa perda de poder de compra dos funcionários públicos (o seu salário aumentará 0,9% e não 4%, como alguns grupos têm alegado) e pensionistas (os mais baixos crescerão apenas 10 euros). Os socialistas se recusaram a revisar para cima os aumentos planejados sete meses atrás, quando a inflação ainda não estava descontrolada. Entre as medidas mais importantes estão creches gratuitas, mais etapas no imposto de renda que aumentarão a renda das famílias beneficiárias ou o regime de dedicação exclusiva do pessoal médico do sistema nacional de saúde.

A contenção portuguesa já recebeu a aprovação de Bruxelas, que convida à utilização dos fundos excecionais dos Planos de Recuperação e Resiliência para promover o crescimento económico e os investimentos no controlo das contas. “Dado o nível da dívida pública portuguesa e os grandes desafios de sustentabilidade a médio prazo, ao tomar medidas de apoio orçamental, é importante preservar uma política orçamental prudente de forma a garantir finanças públicas sustentáveis ​​a médio prazo”, afirmou a Comissão. em sua revisão de uma semana atrás. O Governo português prevê um crescimento económico para este ano de 4,9% e uma redução tanto do défice (de 2,8 para 1,9% do PIB) como da dívida pública (de 127,4% para 120,7%).

O projeto avançou apenas com 120 votos a favor do PS e as abstenções dos ecologistas do Pessoas-Animais-Natureza (PAN) e do Livre e três deputados do Partido Social Democrata (PSD, centro-direita) da Madeira. O PSD, o Chega, a Iniciativa Liberal, o PCP e o BE falaram contra. Os socialistas dificilmente aceitaram emendas de outras formações e descartaram todas aquelas com grande impacto econômico nas contas. Dos 1.505 apresentados por todos os grupos, apenas cinqüenta defendidos pela oposição foram incorporados. Não parece inocente, aliás, que o Governo tenha prevalecido na selecção de propostas à sua esquerda sobre as formuladas pelo PAN e pelo Livre contra o Bloco e o PCP, que mal conseguiram esgueirar-se em três emendas e de pouco significado.

O PAN, que havia se abstido na votação do orçamento no outono passado, conseguiu aprovar várias iniciativas, como a construção de um hospital veterinário público para cuidar de animais de famílias de baixa renda ou o apoio ao desenraizamento de eucaliptos. A sua deputada Inês Sousa Real levou o debate aberto sobre as licenças menstruais à Câmara Portuguesa após a decisão espanhola, mas o Governo só concedeu uma medida fiscal para tributar todos os produtos de higiene menstrual com IVA reduzido de 6%, algo que em parte já era acontecimento Rui Tavares, deputado do Livre, conseguiu aprovar o seu pedido para Portugal estudar a implementação de uma semana de trabalho de quatro dias e a promoção de medidas de poupança de energia nas habitações.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

A surpresa na votação partiu da mão dos três deputados do Partido Social Democrata da Madeira, que quebraram a disciplina de grupo e abstiveram-se. O PSD é o principal partido da oposição e votou contra um projeto orçamental que considera “recauchutado” face ao previsto em 2021. O seu líder parlamentar, Paulo Mota Pinto, criticou que não tenha sido adaptado “às exigências actuais” e acusou a maioria socialista absoluta de aplicar seu “rolo”. Em relação ao voto livre dos parlamentares madeirenses, Mota disse que caberá aos órgãos partidários decidir sobre uma eventual sanção. O PSD realiza neste sábado as primárias para eleger o novo líder político que substituirá o atual presidente do partido, Rui Rio, que perdeu as eleições para António Costa.

Como já tinha anunciado, o Governo marginalizou todas as propostas apresentadas pelo Chega, partido de extrema direita que se tornou a terceira força parlamentar em janeiro. A exclusão foi utilizada pelo seu líder, André Ventura, para se afirmar como “a única força que enfrenta o Partido Socialista”. No seu discurso, Ventura previu que o actual Executivo vai levar o país “à mesma bancarrota” a que levou “outro governo socialista”, referindo-se ao mandato de José Sócrates, que levou à intervenção do país por instituições comunitárias e o Fundo Monetário Internacional.

Acompanhe todas as informações internacionais em Facebook S Twitterou em nosso boletim semanal.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.