Portugal: A oposição à esquerda e à direita derruba os orçamentos do socialista Costa e abre as portas para eleições antecipadas em Portugal | Internacional

O primeiro passo para as eleições antecipadas em Portugal foi dado na tarde de quarta-feira na Assembleia da República, onde o Orçamento do Estado para 2022 foi derrubado com a rejeição da direita e da esquerda. O primeiro-ministro, António Costa, só conseguiu somar cinco abstenções aos 108 votos afirmativos do grupo socialista, insuficientes face aos 117 votos negativos da oposição, grupo heterogéneo de sete formações que iam desde o Bloco de Esquerda (BE) e o Partido Comunista de Portugal (PCP), antigos aliados de Costa, à extrema direita do Chega. Por fim, não houve fugas nas fileiras do Partido Social Democrata (PSD, centro-direita, principal força da oposição), cujos 79 deputados votaram contra, incluindo os três parlamentares da Madeira, que na terça-feira se ofereceram para negociar o seu apoio ao Governo em troca de medidas para a região autónoma.

Em seu último discurso na Câmara antes da votação, Costa se apresentou com “consciência tranquila” considerando que havia feito “tudo” ao seu alcance para tentar fazer avançar os orçamentos. Numa última tentativa de convencer seus ex-associados, pediu-lhes que não se filiassem à direita, que acusou de estar ausente e de ainda não ser “uma alternativa para governar o país”. Apesar do último apelo, o primeiro-ministro assumiu que estava prestes a sofrer um revés histórico – é a primeira vez em Portugal que um orçamento é derrotado no Parlamento – e reconheceu que vive a rejeição dos seus ex-parceiros como “ uma derrota pessoal”.

“Nasci à esquerda, fui criada à esquerda e a esquerda é minha família. Acredito que tem o essencial para construir o futuro e que não está condenado a protestar”, defendeu antes de censurar os efeitos políticos que o voto terá. “A última coisa que Portugal precisa é desta crise e nestas circunstâncias”, lamentou. Mas já pensando nas urnas, pediu “maioria reforçada” a todos os eleitores do Geringonça, o pacto de esquerda inaugurado em 2015.

Caberá agora ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, decidir se dissolve o Parlamento e convoca eleições ou permite a continuação do governo de António Costa, politicamente enfraquecido pela derrota de quarta-feira e algemado financeiramente pela proibição do os gastos em 2022 superam um duodécimo do orçamento executado em 2021. Apesar disso, Costa afirmou que não renunciará por responsabilidade. E os mesmos partidos de esquerda que derrubaram seus orçamentos expressaram sua rejeição à convocação eleitoral e defenderam dar tempo ao Executivo socialista para preparar um novo orçamento.

Todas as declarações de Rebelo de Sousa até ao momento apontam para o avanço eleitoral, embora antes de tomar uma decisão vá realizar uma ronda de consultas aos partidos, aos agentes sociais e ao Conselho de Estado. Os contactos começam esta quarta-feira com o primeiro-ministro e o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues. Desde que a Câmara foi dissolvida, a lei exige que as eleições sejam realizadas entre 55 e 60 dias depois. Se Rebelo de Sousa aprovar a dissolução na próxima semana, a campanha e as eleições cairão justamente nas férias de Natal. Rebelo de Sousa recusou-se a revelar qual será a sua decisão final e considerou o período que o país passa sem contas públicas “tempo perdido”. “Eu preferiria que houvesse orçamentos de Estado, mas a decisão soberana é da Assembleia”, comentou.

Talvez a manchete que melhor resuma o estupor diante de uma crise política que quase ninguém vislumbrou há um mês foi dada terça-feira por Inês Sousa Real, dirigente do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), a única formação que se absteve junto com dois deputados não anexados: “Juntar uma crise orçamentária com uma crise de saúde sem precedentes é a mais irresponsável, e tem consequências reais para a vida das pessoas e para o futuro do país”. Sua veemência na defesa do orçamento foi retribuída com energia semelhante da bancada socialista, que a interrompeu com aplausos em várias ocasiões. “Fazer oposição não é apenas ser contra”, proclamou.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

A sessão de quarta-feira confirmou quão pouco edificantes são os divórcios. Após seis anos de cumplicidade entre a esquerda, as reprovações mais amargas foram trocadas entre os socialistas e os bloquis, cuja distância vem se ampliando desde 2019. Se a líder parlamentar socialista, Ana Catarina Mendes, acusou o BE de falsificar e mentir em sua conta das negociações orçamentais, o chefe do grupo parlamentar do Bloco, Pedro Filipe Soares, criticou a “arrogância” do Governo, que acusou de permitir uma crise política para manter as medidas laborais adoptadas pelo troika comunidade. “Esses orçamentos não têm nada de esquerda”, retrucou a líder do Bloco, Catarina Martins, que repreendeu Costa por não ter trazido nada de novo ao debate parlamentar e o culpou pelo fim do pacto de esquerda. “O geringonça morreu por obsessão da maioria absoluta”, afirmou antes de enumerar todas as deficiências em matéria social e trabalhista do orçamento socialista.

No seu discurso, o líder do PSD, Rui Rio, descreveu um panorama económico desolador e acusou o governo de estar “desde o início da pandemia à espera do milagre europeu”. Sua intervenção se concentrou sobretudo no que ele descreveu como o modelo econômico “errado” dos socialistas, a quem ele censurou por sua “dependência da esquerda radical”.

Luta pelo poder no centro-direita

A crise que não se esperava deslocou quase toda a classe política, que enfrenta com relutância uma nomeação eleitoral em plena legislatura. Neste terreno instável, o Presidente da República e ex-líder conservador foi interrogado por ter recebido em audiência na terça-feira o candidato à chefia do PSD, o eurodeputado Paulo Rangel.

Rui Rio, actual presidente do partido de centro-direita e candidato à reeleição, criticou esta reunião, que soube pela imprensa: “Tenho o maior respeito pelo Presidente da República, mas não é nem um pouco aceitável que o Chefe de Estado recebe um potencial candidato e acrescentou: “Se tivessem tratado as eleições legislativas e as primárias do PSD, estaríamos a condicionar o país às primárias de um partido”.

A votação interna do PSD está marcada para 4 de dezembro, o que obrigaria a formação a assistir a uma estranha convivência entre dois candidatos (Rio e Rangel) que teriam de realizar duas campanhas ao mesmo tempo, a interna de liderança e a externa do partido para disputar a vitória do Partido Socialista. Se o calendário parlamentar de janeiro não for alterado, seria possível que as eleições portuguesas pudessem ser realizadas antes do PSD, alternativa ao Governo Costa, eleger a sua nova liderança.

Para evitar isso, Paulo Rangel recolheu assinaturas pedindo um conselho nacional extraordinário para antecipar para dezembro a renovação da liderança do partido, que será decidida em congresso entre 14 e 16 de janeiro. O calendário eleitoral do PSD já era motivo para o confronto entre Rio e Rangel antes que a crise política nacional tirasse as previsões de cada partido. A ala direita do CDS, parceiro natural do PSD com o qual formalizou coligações pré-eleitorais nas últimas eleições autárquicas, também está em turbulência para eleger o seu novo líder.

Acompanhe todas as informações internacionais em Facebook S Twitterou em nosso boletim semanal.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.