Os limites da Venezuela 1

Neste e noutros artigos vou tocar num tema que já analisei e que por vezes todos nos esquecemos, mas que depois reaparece porque continua a ser incontornável. E devo dizer, desde o início, que a Venezuela tem sido um país azarado na defesa de suas ilhas vizinhas e territórios limítrofes, mas também deve-se notar que os governos venezuelanos às vezes negligenciaram defender uma e outra; e sobretudo aproveitar as ocasiões e contextos favoráveis ​​para o fazer.

É que a Venezuela parece nunca ter entendido que, diante de um vizinho ambicioso, os territórios fronteiriços não são apenas defendidos com direitos e tratados previamente acordados ou, se necessário, com armas, que é o mais problemático e menos recomendado, mas sobretudo com o que, além de fundamental, é mais simples: simplesmente com a população, ocupando-a e colonizando-a em paz, antecipando qualquer ameaça futura. Um território estrangeiro desocupado ou pouco ocupado é uma tentação para qualquer país vizinho com uma população em expansão disposta a ocupá-lo, ou para qualquer potência colonialista ou imperial que deseje fazer o mesmo por ambições, rivalidades ou interesses geopolíticos. São paradigmáticos os exemplos próximos dos Estados Unidos com o território mexicano do Texas no século XIX e do Brasil com o território boliviano do Acre no início do século XX.

É por isso que começarei fazendo uma breve referência aos 2 casos principais e mais antigos relacionados a este tema, ambos ocorridos na Venezuela colonial. Nelas, a responsabilidade principal ou total era da Espanha, já que nosso país era então sua colônia e dependia da força política e militar e da decisão com a qual atuou em sua defesa, mas na qual, por sua ausência, o pior afetada foi a Venezuela, que viu seu território potencial reduzido pela perda sucessiva de dois importantes grupos de ilhas vizinhas. Refiro-me aos casos de Curaçao, Aruba e Bonaire e Trinidad (e Tobago).

A partir do próprio século XVI, e principalmente ao longo dos séculos XVII e XVIII, as novas potências coloniais que surgiram na Europa, como Holanda, França e Inglaterra, diante da Espanha, passaram a questionar e confrontar a hegemonia que o Império Espanhol ou Hispano- Português exercido sobre os mares. Essas novas potências européias estavam se desenvolvendo como potências marítimas. Eles logo tinham frotas poderosas, especialmente a Holanda, mas depois a Inglaterra. E começaram a disputar mares, ilhas e até continente com Espanha e Portugal. Portugal foi confrontado sobretudo no Oriente, no Oceano Índico, que agora é irrelevante, e Espanha no Ocidente, no Atlântico. O Caribe, centro do poder espanhol, tornou-se ao longo desses 3 séculos um verdadeiro campo de batalha em que piratas e corsários atacaram cidades portuárias e enfrentaram frotas e galeões espanhóis, enquanto navios mercantes e negreiros, que muitas vezes se dedicavam ao contrabando e o tráfico de escravos africanos.

O século XVII foi fundamental nisso. Para circular livremente no Caribe, esses países precisavam de territórios que servissem de base para suas operações ou de portos para seus navios. O Caribe era – e é – cheio de ilhas de vários tamanhos; e a Espanha não estava então em condições de defendê-los, especialmente os menores, que eram a maioria e em que a população espanhola era escassa. A França se apoderou de vários deles, e a Inglaterra também, que até conseguiu conquistar a Jamaica, um dos grandes. Mas agora estou interessado apenas na Holanda, que, em meio a uma longa guerra contra a Espanha pela sua independência, levou essa guerra ao Caribe e à costa norte da América do Sul, onde no início do século XVII tomou parte do território escassamente povoado da Guiana. , que, com altos e baixos, o manteve ocupado desde então até o início do século XIX. E em 1634 uma modesta frota de navios piratas holandeses apoderou-se de Curaçao, ilha vizinha da Venezuela e intimamente associada ao seu território e à sua história, também escassamente povoada e mal defendida, sem que a Espanha nada fizesse para enfrentar aquela invasão.

A Holanda usa Curaçao como base de operações para seus navios de contrabando e escravos, e a ilha é transformada em um importante centro de comércio de escravos. Não houve, portanto, nenhuma resposta espanhola, e foi a colônia venezuelana que tentou recuperar Curaçao em anos posteriores, mas sem sucesso. O governador Fernández de Fuenmayor, que defendeu La Guaira de um ataque de piratas ingleses e atacou piratas holandeses no lago Maracaibo, tentou isso em 1642 preparando uma frota para recapturar a ilha. Mas o intolerante bispo Mauro de Tovar, confrontado com ele numa feroz rivalidade pelo poder, sabotou a expedição ameaçando de excomunhão aqueles que dela participavam. Depois disso nada mais foi feito. E Curaçao permaneceu holandesa de 1634 até hoje.

O caso de Trinidad no final do século XVIII com a Grã-Bretanha é mais complexo. Embora avistada por Colombo em 1498, Trinidad foi subestimada e escassamente povoada pelos conquistadores espanhóis. A mesma coisa aconteceu com a Guayana venezuelana. A dominação exercida pela Espanha sobre ela era instável e confusa. Mas era mais sobre Trinidad, e assim permaneceu até o final do século XVIII. Havia então poucos espanhóis lá e a principal população da ilha era composta por indígenas, escravos negros fugitivos e emigrantes franceses de outras ilhas. Esse descaso e quase abandono de Trinidad pelos espanhóis, que mal tinham nela uma guarnição mal armada, foi um convite à invasão inglesa, que ocorreu em 1797. O desarmado governador Chacón rendeu-se sem lutar e sem que a Espanha nada fizesse. para impedir a invasão ou para recuperar a ilha. E nem a Capitania Geral da Venezuela e o Vice-Reino de Nova Granada, que aparentemente pouco ou nada se importavam com Trinidad na época. Cinco anos depois, em 1802, a ilha tornou-se uma colônia britânica através do Tratado de Amiens, que a Espanha assinou com a Grã-Bretanha. E a futura Venezuela independente ficou de fora do caso.

E aqui quero destacar algo, porque, embora raramente seja mencionado ou relacionado à ambição inglesa sobre o território da Guiana, na minha opinião o controle anterior de Trinidad, seguido no século seguinte pela eliminação da Guiana Inglesa, foi fundamental. promover o posterior projeto colonial britânico de tomar o território de Essequibo, metade da Guayana venezuelana e a foz do Orinoco, que, junto com sua Guiana Inglesa ao sudeste e sua vizinha Trinidad ao norte, poderia formar um potencial, enorme e estratégico território colonial britânico. E acho que também deve ser apontado, já nos tempos da Venezuela republicana independente dos séculos XIX e XX, o que aconteceu com a definição dos limites do nosso país com Nova Granada (mais tarde República da Colômbia). Porque nesse caso a Venezuela não perdeu ilhas ou territórios insulares potenciais, mas territórios reais localizados no continente.

O primeiro tratado assinado, no tempo de Páez, mal dissolveu a Gran Colombia Bolivariana: o Tratado Michelena-Pombo, em 1833, afastou a fronteira neogranadina do Orinoco e dividiu Goajira praticamente em duas metades. Mas o Congresso venezuelano, que reivindicou mais território em Goajira, cometeu o grave erro de rejeitá-lo. O problema fronteiriço ficou por definir; e assim permaneceu durante todo o século 19 enquanto a Colômbia, depois de revisar documentos e planos, reivindicou mais territórios em Goajira e nas planícies. Esgotadas as negociações bilaterais, propõe-se uma arbitragem; e Guzmán Blanco o aceita em 1883.

Continuamos na próxima.

Vladimir Acosta

agosto de 2022

Miranda Pearson

"Organizador. Introvertido. Fanático certificado pela internet. Beeraholic. Fã de álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.