o vírus pertence ao grupo de menor virulência

Pesquisadores do Instituto de Saúde Carlos III obtiveram o primeiro rascunho da sequência completa do vírus que causa a varíola de macaco (Monkey Pox) que circula na Espanha das amostras de 23 pacientes.

Foi alcançado por uma equipe do Laboratório de Arbovírus e das Unidades de Genômica e Bioinformática deste Instituto – dependentes do Ministério da Ciência e Inovação – e o avanço permitirá análises mais avançadas para obter dados sobre seu comportamento e entender melhor suas origem, circulação e difusão.

O sequenciamento completo confirmou que o vírus da varíola dos macacos no surto que está ocorrendo na Espanha pertence a um Grupo genético de plantas da África Ocidentalque é o menos virulento entre os conhecidos e o que foi identificado até agora na maioria dos países fora da África envolvidos neste surto.

Conforme relatado pelo Instituto de Saúde Carlos III, é uma das sequências mais completas que foram obtidos até agora, e também permitiu alcançar uma cobertura de 100 por cento dos 190.000 pares de bases do genoma deste vírus.

O sequenciamento realizado através do Laboratório de Arbovírus ISCIII, em colaboração com as unidades de Genômica e Bioinformática, Teve as referências publicadas nos últimos dias por outros países (Bélgica, Alemanha, Portugal e EUA), e foi baseada numa tecnologia genómica de nova geração.

A esta tecnologia foi adicionada uma análise complementar das amostras através de uma técnica conhecida como “recém montado”o Instituto especificou.

o filmagem bruta eles foram finalizados na noite de segunda-feira e a análise computacional foi concluída nas últimas 36 horas.

Os resultados indicam que a amostras sequenciadas parecem pertencer ao mesmo surto detectado em outros países europeus, pois os genomas obtidos pouco diferem dos já sequenciados em outros países; especificamente, a análise realizada no ISCIII conclui que há muito poucas diferenças em relação ao sequenciamento realizado na Alemanha.

O sequenciamento confirma que o vírus da varíola do macaco no surto que está ocorrendo na Espanha pertence ao “clado” -variante- de África Ocidental.

Os “clados”segundo o Instituto, são grupos filogenéticos que definem a evolução biológica de um organismo, que explicam como ele age e se comporta, e neles podem ser observadas as diferenças genéticas dos vírus circulantes.

Depois de obter a sequência completa do vírus, várias equipes de pesquisadores do ISCIII estão agora realizando análises filogenéticas para descobrir a relação entre as amostras espanholas e as de outros países.

As informações obtidas serão comparadas com as já conhecidas e depositadas em bases de dados internacionais para avaliar o grau de identidade e, se for o caso, a localização das diferenças que possam existir entre a sequência espanhola e os demais dados internacionais.

Todas essas informações, destacou o Instituto, permitirão estudos de surto Rastreabilidade, bem como potencialmente identificar sua origem.

171 casos notificados internacionalmente

Casos confirmados de varíola já afetam vários países do mundo: em seu último relatório, datado de quarta-feira, 25 de maio, o Ministério da Saúde espanhol estimou em 171 casos notificados a nível internacional.

Entre os mais afetadossegundo os números tratados pelo Departamento chefiado por Carolina Darias, é justamente Espanhaque acumula até agora 59 casos de varíola não humanos -20 deles positivos para varicela e o restante aguardando sequenciamento-.

O país que acumula mais casos neste momento, segundo esta mesma fonte, seria Reino Unido, com 71 casos de varíola, seguindo-se o nosso país e, em terceiro lugar, Portugal, que contabiliza 37.

A saúde inclui no relatório acima casos também na Alemanha (4), Argentina (1), Austrália (2), Áustria (1), Bélgica (4), Canadá (15), Dinamarca (1), Emirados Árabes Unidos (1) , Estados Unidos (8), Eslovênia (1), França (5), Israel (2), Itália (5), Marrocos (3), Holanda (6), República Tcheca (1), Suécia (1) e Suíça ( dois).

Quanto a nosso país, os 59 casos confirmados e as dezenas que estão sendo analisadas afetam nove comunidades autônomas, com o surto ainda mais importante em Madrid. Nas últimas horas, a Extremadura descartou a infecção de um paciente, enquanto Aragón (1) e Euskadi (2) relataram infecções por ‘varicela’ na quarta-feira.

A Comunidade de Madrid, com pelo menos 51 casos, registou o maior surto até agora, e foi, junto com canários, o primeiro a alertar sobre infecções. A Galiza, a Comunidade Valenciana, Castilla-La Mancha, Andalucía e Castilla y León, por sua vez, ainda aguardam a confirmação das amostras suspeitas de pacientes com sintomas compatíveis.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.