O fogo avança em Cáceres e afeta o Parque de Monfragüe




O incêndio que obrigou ao despejo dos moradores do município de Cáceres de Casas de Miravete continua a avançar e entrou no Parque Nacional de Monfragüe, onde já atinge mais de 100 hectares. A extinção das chamas, deste incêndio e do outro incêndio que atinge Cáceres, na região de Las Hurdes, que obrigou ao despejo de sete municípios, é complicada pela segunda onda de calor que eleva os termômetros acima dos 40 graus.

As lhamas entraram no Parque Nacional de Monfragüe, um dos pulmões verdes da Extremadura (que é Reserva da Biosfera) devido à uma das duas frentes ativas do incêndio, na zona do sombra do Corzo. A associação Amigos de Monfragüe acredita que o incêndio já queimou vários ninhos de abutres negrosuma das jóias do Parque Nacional.

Especialmente preocupante é um flanco que vai em direção à cidade de Jaraicejoonde residem cerca de 500 pessoas, para o qual foi iniciado um “procedimento de evacuação preventiva”, que, como explicou, não é uma “evacuação real”, mas sim “trabalho de campo” caso as condições se agravem.

A outra frente do fogo avança pela Sierra de la Moheda e obrigou os moradores de Casas de Miravete preventivamente. O fogo continua ativo e no nível 2 de perigo.

Apesar de estar em uma situação “muito crítica”, “pior” que a de Las Hurdes, não avança para o Parque Nacional de Monfragüesegundo o director-geral de Política Florestal da Junta de Extremadura, Pedro Muñoz, no Posto de Comando Avançado localizado em Vegas de Coria (Cáceres).

Nas tarefas de extinção eles intervêm 250 pessoas, com 17 unidades terrestres, 15 meios aéreos e cinco máquinas. A eles se juntam membros da UME e do Ministério da Transição Ecológica e do Desafio Demográfico, segundo os dados fornecidos pela Junta de Extremadura. Outras 40 pessoas do batalhão andaluz também se juntaram

O presidente da Extremadura, Guillermo Fernández Varaesteve no pavilhão de Almaraz onde estão os despejados, e afirmou que “antes da menor dúvida, indicação, é necessário proceder à evacuação das cidades” e que ele o transferiu para o conselheiro ontem à noite. Fernández Vara também pediu “uma profunda reflexão sobre as mudanças climáticas” e disse que “o chão deve ser resfriado com áreas verdes […] provavelmente com muito mais ênfase.”

O prefeito de Casas de Miravete, Juan Luis Curiales, entrevistado no RNE, estimou que cerca de 150 pessoas despejadas que estão no pavilhão Almaraz. O fogo, como explicou, começou esta quinta-feira por volta das 16h00, sendo ainda desconhecida a causa.

A Central Nuclear de Almaraz assegurou através de um comunicado que o incêndio nas Casas de Miravete, que se situa a menos de cinco quilómetros da instalação, “não representa nenhum risco” para a planta e que as duas unidades continuem operando normalmente com 100 por cento de energia. A delegada do Governo na Extremadura, Yolanda García Seco, garantiu também que não há risco de incêndio atingir a Central Nuclear de Almaraz e destacou que a central tem “medidas de segurança extraordinárias”, pois “não é uma instalação qualquer”, e que as medidas de prevenção de incêndio sejam “ativadas”.

Devido ao incêndio nas Casas de Miravete, a antiga estrada NV foi cortada na altura do Porto de Miravete, segundo os dados fornecidos pelo 112 da Extremadura.

Sete municípios ainda estão despejados em Las Hurdes

O outro incêndio em Cáceres atinge a região de Las Hurdes, outro dos pulmões verdes da Extremadura, onde após um importante reprodução das chamas na área central do incêndio, ainda está ativo com um perímetro de 55 quilômetros e mais de 3.000 hectares devastados, embora sem grandes incidentes, exceto por uma rebrota na área de Aceituna.

O director-geral de Política Florestal da Junta de Extremadura, Pedro Muñoz, assegurou que a tarde está a passar “com mais calma”, embora com alguma rebrota já interrompida, embora tenha lembrado que ainda é de nível 2.

O trabalho da operação de extinção em Las Hurdes, composta por mais de 180 soldados, está focada em defender a cidade de Las Mestas, cuja população finalmente teve que ser evacuada preventivamente na tarde desta quinta-feira. Os habitantes deste município foram transferidos para Montehermoso e as pessoas vulneráveis ​​da cidade para La Pesga, Hernán Pérez e Torrecillas.

Em relação a possíveis novas evacuações, Pedro Muñoz indicou que o dispositivo está mantido, mas neste momento não há riscos para a população.

Desde que o fogo começou sete centros populacionais foram evacuados preventivamente devido a este incêndio, o Conselho lembrou em um comunicado de imprensa. Além das Mestas, Aceitunilla, Ladrillar, Cabezo, Batuequilla, La Horcajada e Riomalo de Arriba continuam evacuados.

O fogo nesta região de Cáceres obrigou ao corte da Rodovias CC-55 de Casares de las Hurdes até o limite da província com Salamancae o CC-158 que une as quintas de Las Mestas e Riomalo de Abajo.

Mais dois municípios são despejados em Salamanca

No Zona fronteiriça de Salamanca Os trabalhos de extinção das chamas, que se alastraram desde a região de Las Hurdes, em Cáceres, onde outro foco foi reativado na tarde de quinta-feira, até ao parque natural Las Batuecas, em Salamanca (Serra de Francia), perto do município de Monsagro. o fogo ainda não é estabilizado, mas é perímetro.

Dois novos focos de incêndio em monge, que já atinge uma área de cerca de 2.500 hectares, forçaram a despejar nesta sexta-feira por volta 400 moradores dos municípios de Morasverdes e Guadapero. Os vizinhos foram transferidos em ônibus e veículos particulares para Ciudad Rodrigo.

As chamas e o forte fumo do fogo alastrado da vizinha Cáceres também obrigaram esta quinta-feira a desocupar o mosteiro de são jose. Paralelamente, outro incêndio no município de Candelario, em Salamanca, queimou mais de 800 hectares desde segunda-feira e obrigou à transferência esta quinta-feira de cinquenta crianças e monitores de um acampamento infantil para o recinto de feiras de Béjar.

Enquanto isso, dois outros incêndios mantêm as unidades em Castilla y León no limite. Um está localizado em Navafría (Segóvia), junto à estrada N-110, e outro em Figueruela de Abajo (Zamora). Devido a isso, a cidade de Villarino de Manzanas foi confinada e a evacuação de Riomanzanas está sendo considerada.

Mais um incêndio em Navalonguilla (Ávila) está ficando complicado devido a condições climáticas extremas que ocorrem na área, para a qual o Conselho declarou nível 1, em uma escala de 0 a 3, da menor a maior gravidade.

Em Castilla-La Mancha, a operação desencadeada pelo plano contra os incêndios florestais controlou o incêndio em Casas de Lázaro (Albacete), que afetou cerca de 250 hectares de terreno florestal situado no município desta localidade da Serra de Alcaraz. Este fogo forçou ao despejo de 64 vizinhos de três distritos de Casas de Lázaro, que poderão regressar às suas casas esta tarde, segundo o delegado provincial.

Isso foi indicado pelo Posto de Comando Avançado, o delegado provincial para o Desenvolvimento Sustentável, Llanos Valero, e a prefeita de Casas de Lázaro, María Eugenia Cuartero, que confiaram que ao longo desta tarde a situação será mais “estável”, o fogo pode até ser perimetral e os despejados podem voltar para suas casas.

Valero explicou que eles esperam que rodovias AB-519 entre Casas de Lázaro e Peñarrubia e rodovia 5023 entre Casas de Lázaro e seus sete bairros abre nas próximas horas.

2.300 despejados por um incêndio em Mijas

Na Andaluzia, quinze dias de meios aéreos e mais de uma centena de bombeiros trabalham para estabilizar o incêndio que foi declarado esta tarde na zona El Higuerón na cidade de Málaga de Mijas, o que forçou o despejo de 2.300 pessoas. De acordo com os últimos dados fornecidos pelo Serviço de Extinção de Incêndios Florestais, sete aviões e oito helicópteros estão trabalhando do ar, enquanto mais de 120 bombeiros e quatro carros de bombeiros estão mobilizados no solo.

O fogo começou por volta das 12h30 na Serra de Mijas e espalhado rapidamente pela força do vento e a massa florestal da área a noroeste, primeiro em direção a Alhaurín de la Torre e atualmente em direção a Alhaurín El Grande, e a fumaça é visível de diferentes pontos da província

O Ministério da Transição Ecológica e do Desafio Demográfico (MITECO) publicou um breve comunicado alertando para o “risco extremo de incêndios florestais” e lembrando a comunidades autónomas as suas obrigações para lidar com a situação “no âmbito das suas competências”. Especificamente, recorda-lhes “o dever de aplicar excepcional e urgentemente” as necessárias restrições às atividades consideradas arriscadas num cenário de ondas de calor como o que a Espanha vive.

No comunicado, o MITECO reconhece que os dispositivos de combate a incêndios florestais de todas as administrações competentes na matéria “estão sujeitos a um elevado nível de stress”, devido à simultaneidade de grandes incêndios “em grande parte do território bem como no vizinho Portugal“, o que também exigiu da mídia espanhola.

Mais de 10.000 hectares ardem em Portugal numa semana

A onda de calor que atinge a Europa também está afetando a evolução dos incêndios em Portugal onde esta sexta-feira segue o alerta vermelho lado de dentroespecialmente no norte e centro, onde mais de 2.000 soldados estão combatendo o fogo, alimentado por altas temperaturas, vento e seca.

O país acordou com dezenas de frentes ativasembora a maior parte dos meios de extinção se concentre em Leiria (centro), Viana do Castelo (norte) e na região do Porto.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) mantém alerta vermelho em cinco distritos do interior mas lembra que praticamente todo o país tem perigo de incêndio “máximo ou muito alto” rural.

As chamas devoraram na última semana mais de 10.000 hectares de florestaelevando os hectares perdidos desde janeiro para 30.000, número que supera os 28.000 registrados ao longo de 2021.

Segundo o IPMA, o país bateu na terça-feira um recorde de temperatura, com máxima de 44 graus em Almeirim, cerca de cem quilómetros a norte de Lisboa.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.