O Caminho de Santiago é a inveja de todo o mundo pelo seu sucesso

Afirma que o Caminho não morrerá de sucesso porque é uma experiência íntima, transformadora, individual e coletiva.

25 de julho de 2022 . Atualizado às 05:00.

É um dos assíduos, quer como orador quer como participante, das Lições Jacobeanas Internacionais organizadas pela Cátedra do Caminho de Santiago e das Peregrinações da Universidade de Santiago, que dirige Miguel Tan Guzmán. George Greenia (Detroit, 1950) é cofundador da American Association of Friends of the Camino de Santiago, entidade que tem vinte e cinco anos e cerca de dois mil membros distribuídos em sessenta capítulos locais em todo o país. Investimos em Espanha, e também em Portugal, mais de meio milhão de dólares, sobretudo em sinalética e reformas em hostels. Temos fundos para cotas e doaçõescomo explica Greenia, que estreou na Rota fazendo-o de bicicleta desde Paris no final dos anos noventa.

A associação americana, que não tem orientação religiosa ou política, procura ajudar a perpetuar os valores do Caminho de Santiago: a simplicidade de vida, o espírito comunitário e a gratidão pelo que foi recebido. Não somos turistas, somos peregrinos, por isso temos que nos ajudar no Caminho. S somos possivelmente uma das associações mais ativas do mundo. Temos um site muito completo que atualizamos constantemente, prestamos serviços de orientação e organizamos muitas atividades. Acabamos de comemorar nosso encontro anual na Carolina do Norte em março, segundo o professor, doutor em Línguas Românicas pela Universidade de Michigan, que acumulou quinze Caminos e cinco mil quilômetros em sua mochila: Viver o Caminho me transformou, porque além de professora e pesquisadora, agora faço parte desta comunidade.

George Greenia é constantemente convidado para dar palestras em todas as latitudes (Europa Oriental, Israel, Canadá, América Central). O Caminho de Santiago tornou-se um modelo de peregrinação tão bem sucedido que é a inveja de todo o mundo. O turismo religioso é o mais resistente às recessões; ou seja, apesar dos constrangimentos em determinado momento, a pessoa religiosa, ou que acredita em determinados valores, fará a viagem de qualquer maneira, alerta, ao mesmo tempo que esclarece que o modelo não é só visitar o local, mas fazer um esforço físico para atingir um objetivo na companhia de outras pessoas que o apoiam. No entanto, o Caminho não morrerá de sucesso, pois é uma experiência íntima, profunda, transformadora, individual e coletiva, ressalta o veterano pesquisador. Relativamente à actual explosão de peregrinos e compostelas, aponta que agora estão a sair em tempestade devido às restrições pandémicas dos últimos dois anos, embora ressalte que as associações internacionais têm trabalhado intensamente durante este tempo na preparação e promoção do realização da peregrinação. Rota.


Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.