Nova combinação eficaz de antibióticos contra bactérias multirresistentes

O aumento da taxa de infecções por microrganismos resistentes a antibióticos é um grande problema de saúde pública e tem dado origem a sérios desafios terapêuticos no cenário clínico.

Duas investigações sobre este assunto, realizadas por vários grupos do Centro de Investigação Biomédica na Rede de Doenças Infecciosas (CIBERINFEC) em Espanha, centraram-se no estudo da sensibilidade aos antibióticos, epidemiologia e resistoma de isolados multirresistentes de Enterobacteriaceae e Pseudomonas aeruginosa, com foco em Mecanismos de resistência à nova combinação antibiótica imipenem-relibactam.

Os trabalhos, recentemente publicados nas revistas académicas Microbiology Spectrum e J Antimicrob Chemother, fazem parte de dois estudos multicêntricos de vigilância epidemiológica da resistência realizados em 8 hospitais em Espanha e 11 hospitais em Portugal, com a participação dos grupos CIBERINFEC na área de Microbiologia Serviço do Hospital Universitário Ramón y Cajal-IRYCIS (centro coordenador do estudo), Hospital Universitário da Corunha, Hospital Universitário Virgen de la Macarena (CSIC / Universidade de Sevilha) e Hospital Universitário Son Espases de Palma de Maiorca. Da mesma forma, o Centro de Pesquisa Biomédica da Rede de Doenças Respiratórias (CIBERES) da Espanha também colaborou no Hospital Gregorio Marañón.

A sensibilidade antibiótica de um total de 747 enterobactérias e 474 P. aeruginosa de infecções complicadas intra-abdominais, do trato urinário e do trato respiratório inferior de pacientes de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) foi estudada. Um subgrupo de 199 isolados de Enterobacterales e 62 isolados de P. aeruginosa com diferentes fenótipos de suscetibilidade ao imipenem-relebactam foi caracterizado pelo sequenciamento completo do genoma.

“O imipenem-relebactam mostrou excelentes valores de sensibilidade tanto em enterobactérias (98,7%) quanto em P. aeruginosa (93,7%)” diz Marta Hernández-García, pesquisadora CIBERINFEC no Hospital Ramón y Cajal e primeira signatária destes trabalhos. Imipenem-relebactam mostrou 100% de sensibilidade contra isolados de K. pneumoniae e Escherichia coli produtores de ESBL e 80% contra isolados de K. pneumoniae produtores de carbapenemase.

Equipa de investigação do serviço de Microbiologia do Hospital Ramón y Cajal de Madrid e do CIBERINFEC. (Foto: Hospital Ramón y Cajal / CIBERINFEC)

Além disso, o relebactam recuperou a atividade do imipenem em 77% dos isolados de P. aeruginosa, incluindo cepas resistentes de difícil tratamento (RDT, 67%).

Os pesquisadores observam que “relebactam recuperou a atividade do imipenem em todos os isolados de Enterobacterales e P. aeruginosa produzindo carbapenemases do tipo KPC”. Em Enterobacterales, a resistência ao imipenem-relebactam foi associada principalmente a clones de alto risco de K. pneumoniae predominantes na Espanha, enquanto na coleção de P. aeruginosa foi associada à produção de GES-13 no clone CC235 (em Portugal) e tipo VIM enzimas em CC175 (na Espanha).

Marta Hernández-García destaca que “apesar da proximidade geográfica de ambos os países, nos estudos SUPERIOR e STEP observam-se diferenças na distribuição dos mecanismos de resistência em isolados multirresistentes de Enterobacterales e P. aeruginosa de pacientes internados na UTI, um aspecto relevante ao estabelecer estratégias de tratamento e contenção para a dispersão da resistência”.

Além disso, “o imipenem-relebactam apresenta-se como uma boa opção terapêutica no tratamento de infecções complicadas e de difícil tratamento, incluindo aquelas causadas por bactérias multirresistentes que produzem carbapenemases do tipo KPC”, conclui Rafael Cantón, coordenador de ambos os estudos e chefe do grupo CIBERINFEC no Hospital Universitário Ramón y Cajal-IRYCIS. (Fonte: CIBERINFEC)

Joseph Salvage

"Fanático hardcore de mídia social. Propenso a ataques de apatia. Criador. Pensador. Guru dedicado da web. Aficionado por cultura pop. Solucionador de problemas."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *