Navarra, Itália, França e Portugal promovem cooperativas entre jovens

representantes da economia social de Navarra, Itália, França e Portugal reuniram-se em Pamplona no âmbito do projeto europeu DEVE VER promover o cooperativismo entre os jovens europeus.

A sede da INAP acolhe este evento em que participam a Associação das Empresas de Economia Social (ANEL) e o Governo Provincial.

O diretor-geral de Política Empresarial, Projeção Internacional e Trabalho, Izaskun Goñi, tem valorizado o trabalho que a Comunidade do Foral tem feito ao nível da economia social e a forma como o seu modelo está a ser exportado para outras regiões europeias. A Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Empresarial coordena a segunda Plano Integral de Economia Social de Navarraque foi recentemente trazido para a Europa.

O diretor da ANEL, Antonio Martinez de Bujandaobservou que o objetivo da reunião organizada por Navarra é analisar boas práticas desenvolvido nas regiões participantes em relação à formação na área da economia social, com metodologias digitais e técnicas de narrativa.

participantes

Por parte da Itália, o Câmara Municipal de Pordenone e o Consórcio de Saúde Mental da região de Fruili Venezia Guilia, como organização de economia social. Da França se aproximou Câmara Municipal de Garças, localizado na área metropolitana de Paris, e representando Portugal, o Câmara Municipal de Cascais e a Associação para o Desenvolvimento da Tecnologia, Saúde e Educação da Região de Lisboa.

Em que consiste

Este projeto busca promover o modelo cooperativo como empreendedorismo em jovens de diferentes regiões europeias. Com isso, alcançarão seu desenvolvimento profissional por meio de uma formação comum pautada nos valores do cooperativismo: gente, participação, gestão democrática, cooperação e impacto social.

MUSTSEE quer desenhar uma base comum de formação sobre cooperativismo na UE

ANEL, como um parceiro MUSTSEEajudará essas pessoas a se capacitarem para o cooperativismo ao mesmo tempo em que “se abrem para a Europa, capacitando-se para desenvolver projetos a partir do território que irão além do local o que lhes permitirá aumentar sua capacidade empreendedora e sua futura empregabilidade”, detalhou Ignacio Ugalde, presidente da ANEL.

Além disso, esta iniciativa busca que “os valores das cooperativas contribuam para a construção uma Europa mais sustentávelsolidária e inclusiva”, comentou.

desafio prioritário

Nesse sentido, acrescentou que um dos grandes desafios consiste em superar os diferentes níveis de conhecimento que as regiões da Europa têm sobre cooperativas. Por isso, essa iniciativa é pioneira no desenvolvimento uma base comum de formação em cooperativismo, que “traz coerência e contribui para uma maior harmonização. Queremos fazer mais e melhor a Europa a partir do cooperativismo”, afirmou.

Através deste projeto queremos também promover “colaboração público-privada entre autoridades locais ou regionais e organizações que operam nesses territórios”.

quem o constitui

A MUSTSEE é liderada pela rede europeia MARCHA RÉ, Rede Europeia de Regiões e Cidades de Economia Social, da qual a ANEL é membro, com uma parceria que integra entidades públicas e privadas que integram a referida rede europeia. “A ANEL tem um importante espaço de diálogo na Europa na REVES, da qual o Governo de Navarra é sócio”, explicou Ugalde.

O dia desta quinta-feira torna-se na segunda reunião técnica que permitirá definir a metodologia e os conteúdos da ferramenta formativa conectados para jovens comprometidos com o cooperativismo na UE. Eles também visitarão o Cooperativa Instituto Cuatrovientos conhecer a experiência de um centro de formação e “as metodologias e actividades que desenvolvem para sensibilizar e treinar alunos de FP em empreendedorismo cooperativo”, disse Martínez de Bujanda.

Uma Escola de Negócios de Economia Social

O projeto MUSTSEE está “enquadrado no Plano Integral de Economia Social, no qual o governo regional e todas as famílias da economia social estão trabalhando”, disse Izaskun Goñi. Ele também disse que Navarra também está liderando a constituição de uma Escola de Negócios de Economia Social, em colaboração com outras regiões europeias. “Esta plataforma estabeleceu que a UE precisa de uma Escola de Negócios de Economia Social. Não é um espaço físico, mas um conceito que devemos desenvolver e dotá-lo de conteúdo”, afirmou. Desta forma, tem insistido que “esta escola vai ser um grande movimento para constituir a grande família da economia social do ponto de vista da Aprendendo“.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *