Eles exibem a coleção de Carlos Pellicer – El Sol de México

Pouco mais de duas mil peças de arte mexicana, incluindo 651 pinturas, esculturas, gráficos e documentários, e 1.426 do artista de Durango Mario Alonso Ostolaza, chegaram ao Museu Nacional de Arte (MUNAL) em uma doação da família de Carlos Pellicer Camera, mexicano poeta e museógrafo, que estabeleceu uma rede de amizades com os artistas que esta coleção dá conta.

Após dois anos de pesquisa, classificação e conservação, cerca de 200 peças desta coleção estão expostas no MUNAL com o título Carlos Pellicer. amizade e memóriaque apresenta obras de José Clemente Orozco, Joaquín Clausell, Dr. Atl, Roberto Montenegro, Nahui Ollin, Saturnino Herrán, Julio Ruelas, Julio Castellanos, Manuel Rodríguez Lozano, Chucho Reyes, Juan Soriano, Armando Salas Portugal, José María Velasco, entre outros , todos amigos de Pellicer Cámara.

“É uma coleção particular, muito pontual em certos artistas que acompanharam a vida de Pellicer, que foi um homem que trabalhou ao lado de Vasconcelos e construiu uma cultura com liberdade, que esteve presente na museografia mexicana. Agora, depois de mais de dois anos de trabalho de pesquisa, a obra chega ao museu para protegê-la”, disse Carmen Gaitán, diretora da exposição, ao apresentar a mostra, onde ficará até maio de 2023.

“Demorei muitos anos para decidir o que fazer com a coleção, quando a doação foi formalizada em janeiro passado me pareceu o momento mais oportuno para apresentar o trabalho. Resolvi entregar a coleção ao povo do México através do INBAL, com o pedido expresso de que o MUNAL seja o responsável pela preservação da coleção”, disse Carlos Pellicer López, sobrinho do político mexicano de Tabasco.

A exposição é composta por sete núcleos temáticos: O rosto do poeta e seu entorno; Entre os séculos XX e XX; Bastiões da arte mexicana; Alternâncias à Escola Mexicana; Poética da paisagem; Design e artes cênicas e A emoção de Mario Alonso. Carlos Pellicer. Amizade e memória. Em cada uma delas se realiza a ampla rede de amigos do poeta, que ao mesmo tempo são uma referência para a evolução da arte mexicana na segunda metade do século XX.

Para amostra é o trabalho que abre o passeio. É o retrato que Diego Rivera fez em 1942 de Pellicer Cámara, onde se revela seu olhar profundo, sempre em busca de um futuro próspero. O poeta também foi retratado pelo fotógrafo Manuel Álvarez Bravo, o escultor Herbert Hofmann Isenbourg, o escultor colombiano Gustavo Arcila, o paisagista Alfonso Ayala, Mario Falcón e Mateo Herrera, detalhou seu sobrinho.

Das obras destaca-se ainda uma tinta sobre papel intitulada dançarina balinesa, de autoria de Miguel Covarrubias; o óleo Mulher no dia dos mortos, de Nahui Ollin; o óleo Monte Verdede Joaquín Clausell, e os desenhos preparatórios para o mural Katharsisno Palácio de Belas Artes, de José Clemente Orozco.

➡️ Subscreva a nossa Newsletter e receba as notas mais relevantes no seu email

Chamam a atenção as molduras de duas pinturas a óleo sobre tela de José María Velasco que foram roubadas da casa de Pellicer Cámara em 1976 e que, apesar da reclamação legal e várias tentativas de venda, não foram encontradas, são impressionantes. “Foi um roubo direto porque não levaram mais, rasgaram os tecidos e levaram, os restos do painel estão aqui na exposição para avisar quem os tiver que temos o resto da obra”, disse o sobrinho.

“Para mim, o destino final de uma coleção é pertencer às pessoas. A cultura nasce das pessoas, se alimenta dela e finalmente retorna às pessoas que lhe deram vida”, concluiu Pellicer López.

Cedric Schmidt

"Amante de café irritantemente humilde. Especialista em comida. Encrenqueiro apaixonado. Especialista em álcool do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.