Duas pessoas são monitoradas como possíveis casos de varíola em Porto Rico

Pelo menos mais duas pessoas são monitoradas de perto pela equipe médica como possíveis casos suspeitos de varíola ou “varicela” em Porto Rico, apurou El Nuevo Día.

A informação, fornecida por fontes deste jornal, não pôde ser confirmada pelo Departamento de Saúdeque nos últimos dois dias não respondeu a um pedido deste jornal para dar seguimento a esta questão, nomeadamente sobre que medidas foram tomadas para rastrear os contactos do caso confirmado.

“Não há nada de novo a dizer”comentou esta tarde Lisdian AcevedoAssessoria de Imprensa da Saúde.

A comunicadora limitou-se a indicar que os directores da agência que habitualmente frequentam a imprensa estavam “em reuniões” e que o pessoal da Saúde estava a trabalhar “no sistema de vigilância e eventuais alertas”, embora não tenha dado detalhes a este respeito.

Conforme apurou este jornal, as duas pessoas suspeitas de terem este vírus estão sob vigilância, sendo avaliadas nas suas casas, onde se encontram em isolamento enquanto se valida se estão ou não infetados com esta doença.

El Nuevo Día também soube que várias pessoas que tiveram contato com o caso confirmado na tarde de quarta-feira pelo Departamento de Saúde estão sendo monitoradas de perto, um adulto que viajou recentemente para os Estados Unidos, para uma das jurisdições com casos confirmados.

“Aparentemente, na viagem, ele compartilhou com alguém que teve (varicela)”, disse a fonte.

Quando se avalia um caso suspeito, indaga-se se a pessoa teve contato com alguém com lesões cutâneas associadas à doença em até 21 dias do início da doença. Além disso, ter tido contato com uma pessoa com varicela, ter viajado para fora dos Estados Unidos ou onde a varíola é endêmica ou há casos confirmados.

Até ontem, 396 casos de “varicela” foram confirmados nos Estados Unidos, incluindo o de Porto Rico. As jurisdições com mais casos são: Califórnia (89), Nova York (74), Illinois (46), Flórida (41), Distrito de Columbia (28), Massachusetts (19) e Pensilvânia e Texas, com dez casos cada. . Enquanto isso, em todo o mundo, esta doença, que geralmente é relatada na África, já se espalhou para 50 países, onde causou cerca de 4.000 infecções. Na Europa é onde a doença tem se concentrado, principalmente na Grã-Bretanha, Espanha, Portugal e Alemanha. Além dos Estados Unidos, também foram confirmados casos em vários países da América Latina, como Chile, Venezuela, Brasil, México e Argentina.

“(Casos suspeitos) devem ficar em suas casas em isolamento. E a Saúde deve procurar a vacina para entregá-la aos contatos (do caso confirmado)”, disse o Dr. Miguel Colón.

De acordo com o infectologista, todos que viajam para fora do país correm risco de contágio e devem estar atentos aos possíveis sintomas, principalmente uma síndrome catarral acompanhada de adenopatia ou inchaço dos gânglios linfáticos, principalmente na região do pescoço, garganta, axilas e virilhas. .

“Já o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) distribuiu as vacinas em todos os lugares. Pessoas e contatos próximos devem ser vacinados, quanto mais rápido melhor”, disse ele.

O infectologista comentou que pessoas com 40 anos ou mais já têm alguma proteção contra essa doença com “a vacina regular contra a varíola”.

Segundo o Dr. Víctor Ramos, ex-presidente da Faculdade de Medicina, os casos suspeitos de “varicela” devem ser comunicados à Saúde, que avalia se a pessoa tem critérios para colher uma amostra que valide ou exclua a doença. Já houve vários casos, disse ele, que não atenderam aos critérios de amostragem. A amostra do caso confirmado, afirmou, foi enviada ao CDC na sexta-feira e o resultado chegou na quarta-feira.

“Há muita “erupção” que pode ser confundida com coisas diferentes”, disse ele, comentando que, no nível pediátrico, linfonodos inchados e doloridos podem ser uma indicação de “doença da arranhadura do gato”.

Por sua vez, o graduada Ilia Toledo, presidente do Laboratório de Toledo, explicou que uma amostra é retirada das lesões cutâneas dos casos suspeitos do vírus e enviada ao CDC. O processo, segundo ela, é que, após a coleta da amostra, o Salud é notificado e o órgão encaminha o caso para o CDC. A amostra, segundo ela, é processada pelo método PCR (reação em cadeia da polimerase). No momento, ressaltou, as amostras são encaminhadas ao CDC.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.