Congresso endossa o uso medicinal da cannabis e pede seu uso para aliviar os efeitos da quimioterapia

Atualizada

A implementação dependerá do Ministério da Saúde, mas o compromisso é seguir as diretrizes acordadas neste relatório

Luz verde para o uso terapêutico da cannabisO MUNDO

O Congresso deu nesta terça-feira um passo decisivo para promover pela primeira vez na Espanha o uso medicinal da cannabis para tratar a dor e os sintomas de muitos pacientes. A maioria dos grupos aprovou um relatório em que o Governo é instado a regulá-lo e onde define as diretrizes de como deve funcionar e quais pacientes são elegíveis para esse tipo de tratamento.

Esse consenso alcançado na subcomissão criada para estudar o assunto deve ser ratificado em 28 de junho na Assembleia comissão de saúde. Será então que as “conclusões” e “recomendações” do relatório adquirem um carácter oficial e podem ser transferidas para o Governo. A partir de então, e sem a necessidade de promover novas leis, será o Ministério da Saúde aquele que marca os tempos para sua aplicação, uma vez que o compromisso do PSOE S Unidos Nós Podemos é regular o uso terapêutico da cannabis nos termos acordados.

O relatório estabelece quais são os pacientes que podem ser tratados com produtos derivados da cannabis. Seria para casos de “esclerose múltipla, algumas formas de epilepsia, náuseas e vômitos derivados de quimioterapia, endometriose, dor oncológica e dor crônica não oncológica (incluindo a dor neuropática), podendo ser estendida a outras indicações terapêuticas quando estudos fornecerem evidências consistente.”

A inclusão do uso medicinal da cannabis para abordar os efeitos da quimioterapia, dor oncológica e endometriose é uma das principais novidades em relação ao texto base promovido pelo PSOE e é consequência da busca de consenso com outros grupos parlamentares.

A outra grande novidade é que a dispensação de tratamentos não será exclusiva das farmácias hospitalares, mas sim abre-se a porta para que também possam estar disponíveis nas farmácias comunitárias “que possam cumprir os requisitos”. Esta tem sido outra das batalhas dentro do subcomitê.

O acesso ao tratamento com produtos derivados da cannabis está sujeito a um controle rigoroso. A sua prescrição só pode ser feita “exclusivamente” por profissionais de saúde “num contexto isento de potenciais conflitos de interesse, como o oferecido pelos serviços de saúde”. Ao contrário da proposta inicial, não é mais necessário que sejam médicos do Sistema Único de Saúde. Portanto, a porta está aberta para os médicos da saúde privada.

De qualquer forma, há a recomendação de que a prescrição seja realizada “preferencialmente” por médicos “especialistas” e com competências nas áreas envolvidas. Para eles, além disso, é proposta uma capacitação sobre o uso terapêutico da cannabis.

Os tratamentos com extratos ou preparações de cannabis padronizados podem ser na forma de óleos, inalados ou farmacológicos e devem ter uma duração “definida e controlável”. Dependendo dos resultados, diz o relatório, os especialistas podem apostar na manutenção do tratamento se acharem conveniente. Todos os pacientes tratados serão registrados em um “registro centralizado”,

As fórmulas magistrais a serem utilizadas devem ser endossadas e supervisionadas pelo Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos de Saúde (AEMPS). Ser coordenado com as comunidades autônomas para fiscalização e controle.

Este relatório teve o voto a favor do PSOE, United We Can, Citizens, PNV e PDeCAT, enquanto PP e Vox votaram contra. EH Bildu e ERC abstiveram-se.

Porta fechada para uso lúdico

Embora o foco da subcomissão do Congresso tenha sido o uso medicinal, a aspiração de alguns partidos era promover também o uso recreativo da cannabis. Uma legalização total do seu consumo. Essa porta permanece fechada apesar de terem sido feitas tentativas para iniciar um compromisso de criação de outra subcomissão para estudar essa possibilidade.

De fato, o relatório aprovado alerta que “deve-se evitar” que a disponibilidade de cannabis para usos terapêuticos possa levar a uma maior disponibilidade e consumo fora do contexto da saúde. Assim, sublinha-se que é “absolutamente necessário” evitar que a população “confunda” a aprovação do uso medicinal como “uma invocação genérica do uso geral” da cannabis para fins recreativos.

O relatório aprovado é resultado de oito meses de trabalho em que os grupos parlamentares analisaram as experiências de outros países e ouviram as opiniões de cientistas e especialistas da área.

O uso medicinal é um passo que outros países do meio como Alemanha, Portugal ou Itália já deram, além de ser testado experimentalmente na França, e tem amplo apoio por parte dos espanhóis, já que quando o CIS pediu o número o apoio era de 89 %.

Fontes socialistas explicaram na semana passada a este jornal que a Espanha estava dando “um passo importante” que não tem nada a ver com uma “questão ideológica”, mas sim “destinado a dar melhor qualidade de vida aos pacientes para quem os medicamentos atuais não são dando.”

Além disso, destacou-se que o relatório gira em torno de quatro eixos: prescrição médica, segurança sanitária, que o que é dispensado tem segurança jurídica e que o controle é da Agência de Medicamentos. Elas são, por sua vez, as razões pelas quais qualquer possibilidade de autocultivo ou autoprescrição é rejeitada. Tudo vai passar pelos médicos.

De acordo com os critérios de

O Projeto Confiança

Saber mais

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.