Vizinhos e comerciantes pedem fim do ORA em Palomarejos

Com o hospital Virgen de la Salud fechado, o bairro de Palomarejos sofreu uma redução drástica de visitantes e obviamente há muito menos veículos estacionados. Esta circunstância motivou uma dupla proposta à Câmara Municipal. Por um lado, a EYSA, empresa concessionária da ORA, pede para aumentar o faturamento na área, para beneficiar o comércio. Por outro lado, a Associação de Moradores La Voz del Barrio desenvolveu uma pesquisa entre os estabelecimentos e pede a abolição do estacionamento pago. Aliás, para verificar que tudo vai ser melhor assim, propõe à Câmara Municipal um mês experimental sem ORA no bairro.

A carta, assinada pelo presidente do bairro, Paco Arce, explica que “em consequência do encerramento do hospital Virgen de la Salud neste bairro de Palomarejos, foi possível verificar a diminuição da ocupação do parque de estacionamento existente vagas, com maior incidência nas ruas mais próximas ao referido hospital». Assim foi afirmado pela Associação em Conselho Distrital, em que já propunha a reorganização dos lugares de estacionamento em todo o bairro. seria realizado para transferi-lo, se for o caso, para a Comissão de Mobilidade e Segurança Cidadã.

Foi realizado pela empresa EYSA, que administra o serviço ORA. Sua conclusão foi uma proposta, “reordenando os estacionamentos do seu ponto de vista”. O relatório reflete que “no bairro dos Palomarejos se notou uma diminuição considerável da arrecadação. Os parquímetros que mais arrecadaram na cidade foram os localizados próximos ao pronto-socorro do hospital. Para que se veja a redução do número de veículos em ruas como Alicante, Barcelona, ​​​​Córdoba, Cáceres, Cuenca, Segovia e Joaquín de Lamadrid. Para a empresa, “a disposição das vagas de estacionamento estava em consonância com os movimentos dos veículos enquanto o hospital estava ativo e, portanto, as vagas que antes se justificavam serem azuis ou laranja nas proximidades do hospital, não t tem que estar agora tanto em localização quanto em número.”

A proposta da EYSA passa por “priorizar o estacionamento rotativo nas proximidades das ruas mais comerciais para forçar o rodízio e que os comerciantes não sejam prejudicados por estacionamentos de longa permanência nas proximidades, aumentando o número de espaços verdes” . Ou seja, propõe a modificação em 23 das 44 ruas do bairro, para distribuir estacionamentos nas zonas azul e laranja entre essas cores e a zona verde para moradores, com aumento considerável nesta última.

Sem ORA. A Associação de Moradores, por sua vez, considera que “não há necessidade de manter o serviço ORA em geral no bairro uma vez que o hospital desapareceu, outros bairros não o têm, como Santa Bárbara e Polígono. Este serviço não deve ser mantido pelo simples fato de continuar a cobrar.

La Voz del Barrio quis ir mais longe e fazer uma consulta na maioria dos negócios do bairro “e um número considerável deles se opõe à manutenção do ORA”. O questionário incluiu uma breve explicação detalhando as vagas de estacionamento atuais e a proposta de modificação da empresa EYSA. Foi completado por 63 empresas, das quais 55 são a favor da gratuidade das vagas de estacionamento. Apenas 8 deles respondem a favor da proposta de modificação apresentada pela empresa EYSA. A consulta decorreu nas ruas de Gante, Brive, Potosí, Lisboa, Andaluzia, Valência, Astúrias, Canárias, Cáceres e Baleares. Na Galiza, Duque de Ahumada, General Martí, Martínez Simancas e parte da Avenida Barber, a consulta verbal teve o mesmo resultado.

No entanto, a Associação quer ser prudente e transmitiu por escrito ao Vereador da Mobilidade e ao Presidente da Câmara os resultados da consulta e a sua proposta de estabelecimento do serviço ORA gratuito durante um mês em todo o bairro, incluindo as avenidas de Portugal e de França , para posteriormente analisar os resultados antes de fazer uma determinação.

Joseph Salvage

"Fanático hardcore de mídia social. Propenso a ataques de apatia. Criador. Pensador. Guru dedicado da web. Aficionado por cultura pop. Solucionador de problemas."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *