Presidente da UEFA afirma que a Superliga “está morta”

O projeto de uma Superliga europeia “está morto”, sentenciou esta quinta-feira Aleksander Ceferin, o seu mais ferrenho adversário e presidente da UEFA, relativamente a uma recente tentativa de aproximação promovida pelos seus ideólogos Real Madrid, Barcelona e Juventus.

“A Superliga está morta. Não vai prosperar”, disse o máximo dirigente do futebol europeu antes de uma consulta da Associated Press durante um encontro com jornalistas em Buenos Aires, onde está de visita.

Ceferin relativizou as declarações feitas na véspera pelo diretor-geral da A22 Sports Management —empresa madrilenha por trás da Superliga— Bernd Reichart, que garantiu que a iniciativa continua, embora com formato “aberto” e não se limitando aos 12 clubes mais poderosos da Europa, conforme proposto originalmente.

“Eles contrataram um novo CEO? O que posso dizer, parabéns”, ironizou o título da UEFA. “Estamos aqui para falar de futebol e isso (a Superliga) não é futebol.”

A empresa A22 Sports Management trabalhou com 12 clubes de elite de Espanha, Inglaterra e Itália para lançar a Superliga em abril de 2021 com o objetivo de maximizar os seus rendimentos à custa da Liga dos Campeões, organizada pela UEFA.

A percepção inicial da Superliga era de que se tratava de uma competição elitista motivada por propósitos mercantilistas, marginalizando os clubes mais modestos e potencialmente contrária às leis de livre concorrência da União Europeia.

O projeto original naufragou em questão de 48 horas em meio à reação furiosa da Uefa, bem como de torcedores e legisladores na Inglaterra, onde clubes fundamentais para seu sucesso, incluindo Manchester City e United, decidiram desistir.

Numa tentativa de relançar a iniciativa, a A22 Sports Management juntamente com o Real Madrid, o Barcelona e a Juventus —os três clubes que se mantêm firmes no projeto— já não falam de uma competição fechada, mas sim de “mérito”, revelou o alemão Reichart em declarações à mídia europeia.

O diretor-geral mostrou-se também predisposto a “iniciar um diálogo ativo e alargado com um grupo alargado de interessados” e confirmou ter enviado uma carta à UEFA para uma reunião.

“Recebi a carta, mas não a li”, confirmou Ceferin. “Quando eu ler, responderei.”

Espera-se que o Tribunal Europeu de Justiça, com sede em Luxemburgo, se pronuncie sobre o caso da Super League em 15 de dezembro. A decisão não é obrigatória.

Darcy Franklin

"Amante da TV. Ninja da música. Fanático por viagens amador. Fã de bacon. Evangelista de comida amigável. Organizador freelance. Fanático certificado pelo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *