“O vinho é um testemunho excecional das coisas mais belas da vida”

A importância do vinho na nossa cultura pelo prazer que provoca, o seu papel como inibidor social e como testemunha nas celebrações sociais e familiares, a complexidade do cultivo de um bom vinho, o seu nível de consumo atual, a sua qualidade, a necessidade de uma certa educação sobre o assunto na hotelaria ou o seu futuro imediato são algumas das questões levantadas num encontro organizado pelo canal multimédia De Pura Cepa do Grupo Noticias em Bilbao que reuniu o sukaldari Fernando Canaleso enólogo Alejandro Simó e representantes de Vinícolas Massaveu, El Coto de Rioja, Zinio, Pagos de Araiz, Barón de Ley, Ochoa e Lezaun.

José María Herrero, Eduardo Miranda, Juan Pradell, Kike Alonso, Héctor Grijalba, Beatriz Ochoa e Raúl Lezaun se reuniram na mesa do evento. Oscar Martinez


o Hotel Domine Bilbao foi o palco deste encontro organizado como mais um ato do canal multimídia De Pura Cepa, que começou na primavera e já ofereceu 362 conteúdos com resultados muito bons. “A audiência deste conteúdo é bastante notável, com mais de 157.000 visualizações de página e 109.000 usuários únicos”, disse ele. Anton Ilarduyacoordenador comercial do Grupo Notícias, que destacou o propósito de um projeto que apresenta toda a informação sobre o mundo do vinho tanto “do ponto de vista social como do ponto de vista da gastronomia”.

“A audiência deste conteúdo é bastante notável, com mais de 157.000 visualizações de página e 109.000 usuários únicos”

O encontro, moderado pelo jornalista do Onda Vasca Kike Alonsocomeçou com um diálogo aberto entre o chef Fernando Canales e o enólogo Alejandro Simó. O primeiro considerou que “o problema” do vinho é que sempre nos referimos a ele do ponto de vista organoléptico, referindo-nos ao seu sabor ou níveis, quando deveria ser considerado de “um ponto de vista mais simples” como um facilitador de relaxamento ou conhecimento entre as pessoas.

O encontro foi moderado pelo jornalista do Onda Vasca, Kike Alonso. Oscar Martinez


“O vinho é sinónimo de alegria e vida, une as pessoas. Os almoços de negócios fazem-se com vinho porque com esta bebida conhecemos o nosso interlocutor. Sem ela não há negócio. Como exemplo, em nosso restaurante Etxanobe, posso dizer que depois do coronavírus Mais foi fornecido em um ano do que nos 30 em que fui cozinheiro”, destacou Canales. Ampliando seu fator de socialização, deu como exemplo um jantar para um diretor de ópera russo que comemorou seu aniversário em Euskalduna Jauregia com 10 amigos.

“Como manda a tradição no seu país, cada um escolheu um vinho e brindou com ele.”, expressou Canales, que definiu o vinho como “um testemunho excecional das coisas mais belas” das nossas vidas, seja na vertente familiar ou laboral. “A história costuma ser contada a partir de guerras e episódios trágicos, mas no final as entradas de comunicação diárias são 99% positivas. E aí, um produto que é tão nosso como o vinho, não como a cerveja, que pode ser produzida em qualquer lugar, é essencial nas relações familiares, sociais e comerciais”, acrescentou.

“Um produto tão nosso como o vinho é essencial nas relações familiares, sociais e comerciais”

Por sua vez, o enólogo Alejandro Simó destacou que “A Espanha é o paraíso do vinho” antes de fazer uma reivindicação ligada à cultura social do caldo. Em primeiro lugar, que no País Basco e no Estado, como em outros países mediterrâneos, é visto com inveja que “bebemos por prazer, não para nos embriagar”, como é o caso dos anglo-saxões, chineses ou japoneses culturas. E em segundo lugar, embora reconheça que favorece a “socialização”, defendeu também “beber sozinho, o que nada tem a ver com um problema ligado à toxicodependência; Ver assim é uma bobagem, já que a gente curte um vinho sozinho tanto quanto um passeio ou uma viagem a Paris”, indicou.

“No País Basco e no Estado, como em outros países mediterrâneos, bebemos por prazer, não para nos embriagar como acontece em outras culturas”

Os assistentes, muito atentos às explicações dos especialistas. Oscar Martinez


As vinícolas

Depois de Simó ter elogiado a qualidade dos vinhos do Estado, sobretudo dos cultivados nos “baldios de Rioja e Nafarroa”, foi a vez dos responsáveis ​​pelas adegas, que, antes de mais, apostaram na mudança do consumo de vinho , que agora começa com os vinhos brancos. “Os jovens associam-no a um vinho menos complexo e que se entra com menos medo de errar. É, hoje, sem dúvida – indicou Chema Herrero, responsável comercial do grupo Massaveu, que integra Murua e Pagos de Araiz -, a actual porta de entrada para o consumo de uma bebida que se compreende com o tempo, a aprendizagem e o aperfeiçoamento da economia do povo”.

Depois de destacar Juan Pradell, diretor comercial da vinícola Zinio, que agora “as grandes reservas são consumidas em comemorações especiais e quando você se forma, quando você sabe o que beber, quanto vai pagar e com o que combiná-los”, continuou a mesa redonda aludindo ao preço dos vinhos. “O vinho atual não é muito caro considerando o custo de sua produção”, diz Herrero. O melhor requer “tempo, paciência e meditação”, mas há “reservas a preços médios e acessíveis”, continuou. “Tudo depende das sensações ou expectativas que você busca ou do que elas te trazem. Às vezes é visto como uma experiência de vida, como ir a um bom restaurante ou hotel, ou comprar um carro”, expressou antes de Héctor Grijalba, diretor comercial da Barón de Ley, reconhecer que “o vinho é mais do que líquido, às vezes o marca é vendida, o que ela transmite”.

Massaveu Bodegas explicando as propriedades dos seus vinhos. Oscar Martinez


Os dados que ficam na mesa em relação ao consumo não são muito promissores, apesar do “paraíso vitivinícola que estamos em produção”, continuou Pradell. “Em consumo somos os piores, já que sendo o terceiro maior produtor do mundo depois da Itália e da França, estamos em 13º ou 14º lugar. Um alemão bebe muito mais do que nós. E vamos diminuindo ano após ano, estando agora nos 14 litros por habitante e ano contra 40 em Portugal”, lamentou antes de expor que “Somos o terceiro maior produtor do mundo e vendemos mais barato do que ninguém, com as exportações para o estrangeiro a 1,29 euros o litro”. “O problema é que não formamos um time e cada um segue seu caminho”, disse Beatriz, da Bodegas Otxoa.

E qual é a alternativa para esta situação? Eduardo Miranda, gerente de vendas da El Coto de Rioja, é claro: exportar “tudo o que for possível”. Herrero defendeu a necessidade de “culturizar” o mundo do vinho junto do consumidor e, sobretudo, no setor da hotelaria, em que “há muitas carências e desconhecimento” sobre aspetos como a doçura, graduação, temperatura, tensões… ”A pedagogia é fundamental, e o consumidor também deve ser orientado”, segundo Raúl Lezaun. “As crianças vêm para ver nossas 5 vinícolas em Olite, para aprender sobre as uvas e até para vindimar”, explicou Ochoa.

degustação

Após a conclusão da mesa redonda, que em sua seção final se concentrou na importância da uva, da natureza, do clima e do trabalho do viticultor e do enólogo, o encontro foi concluído com uma degustação informal na qual Bodegas Murua contribuiu com um Rioja Alavesas de Elciego e uma grande reserva clássica, El Coto de Rioja a Berdejo que “é cultivado na zona mais alta de La Rioja” e Zinio “um Tempranillo branco e outro de uma vinha com mais de 60 anos”.

Bodegas Lezaun ofereceu uma amostra de seus melhores vinhos. Oscar Martinez


Por sua vez, Barón de Ley apresentou seu “nova criatura”uma crianza de estilo moderno chamada Martín Zurbano, “muito ágil no paladar”. A Bodegas Ochoa optou pela variedade com brancos, um tinto especial, um rosé claro chamado Maitena e “os doces, que são as estrelas da nossa adega”, enquanto Lezaun mostrou a variedade de seus vinhos orgânicos, incluindo um jovem vinho Tempranillo feito de madeira carbônica ou um Garnacha branco.

Raven Carlson

"Viciado em bacon apaixonado. Ninja orgulhoso da cultura pop. Analista irritantemente humilde. Entusiasta de TV. Fã de viagens ao longo da vida."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *