Investigam 6 médicos de hospital em Portuguesa

No estado de Portuguesa, eles ordenaram a abertura de um inquérito contra 6 médicos que supostamente violaram a sala de emergência do hospital Jesús María Casal Ramos, em Acarigua-Araure, atualmente em fase de reforma e apetrechamento.

Os médicos são internos e residentes no hospital e são acusados ​​de terem arrombado a área de emergência, “danos ao patrimônio público, roubo e atos imorais”, segundo o boletim de ocorrência.

O boletim de ocorrência da Polícia Portuguesa indica que o incidente ocorreu na tarde de quarta-feira dia 18 e foi verificado durante uma vistoria a um dos principais hospitais da região, cuja infraestrutura é alvo de um plano de recuperação e manutenção.

Os médicos foram detidos e processados ​​pela Polícia Portuguesa e pelo Ministério Público no final da tarde desta quarta-feira, sendo libertados horas depois.

Os envolvidos foram identificados como Diana Carolina Ramos Rodríguez, Yuliber Figueredo, Albanis Yunetzi Colmenárez Anular, Darío Enrique Monasterios Villegas, José Armando Sarmiento Rodríguez e José Vicente Sandoval Perdomo.

Um grupo de médicos residentes que trabalham no campus manifestou-se esta quinta-feira contra o tratamento dado pelas autoridades policiais aos seus colegas, considerando que acusá-los de “prejudicar o património público” é um ato de “difamação” e “abuso de autoridade”.

Concentrados na área externa do hospital e em conferência de imprensa, alegaram que devido à remodelação da emergência, os trabalhadores não dispõem de espaços adequados para se limparem ou satisfazerem as suas necessidades fisiológicas, pelo que os médicos entraram na área para usar o banheiro, “Não houve roubo ou roubo de peças”, disse Hermicar Zacarce, médico residente e porta-voz do sindicato.

O trabalho no hospital está mais de 95% concluído

As obras no hospital

No hospital Acarigua-Araure, estão sendo reabilitadas as áreas de emergência pediátrica e adulta, onde as obras incluem a reconstrução da área, a impermeabilização de telhados, a reinstalação do sistema elétrico, a construção de novos banheiros e espera, entre outras funciona.

A Direção Regional de Saúde informou esta semana que os trabalhos no hospital estão mais de 95% concluídos e as equipas estão a trabalhar “sem trégua ou descanso” para concluir os trabalhos o mais rapidamente possível.

Os trabalhos de emergência no Casal Ramos – principal hospital da zona norte de Portugal – começaram em fevereiro passado e estão a ser realizados pela Câmara Municipal de Araure e pelo governo regional.

outros centros

Após o início da recuperação deste hospital, outros centros de assistência em Portuguesa começaram a ser intervencionados com um plano de recuperação e manutenção anunciado há poucas semanas pelo governador Primitivo Cedeño.

Assim, o hospital Oswaldo Barrios tipo I e o Centro de Diagnóstico Integral Padre Esteller (CDI), ambos localizados em Píritu, foram adicionados à lista de infraestruturas de saúde que recebem “um pouco de amor” em Portuguesa; o hospital Biscucuy tipo I e mais recentemente o hospital Miguel Oraá, em Guanare.

Diferentes níveis de governo e até voluntários do poder popular, realizam o trabalho “para que os homens e mulheres portugueses possam ter estabelecimentos dignos e serviços de qualidade”, refere a Direção Regional de Saúde em nota de imprensa.

Nestes estabelecimentos de saúde realizam-se impermeabilizações, pinturas, soldaduras, impermeabilização de pavimentos, adaptações do sistema eléctrico, reparação de aparelhos de ar condicionado e da rede de abastecimento de água potável, instalação de torneiras, instalação de casas de banho, instalação de luzes LED em áreas interiores e exteriores , entre outras melhorias, detalhou Yelirza Ortiz, única autoridade sanitária em Portuguesa.

cuidados na sala de cirurgia

A melhoria dos centros que compõem o terceiro nível de atenção à saúde em Portuguesa inclui o atendimento em bloco operatório.

É o caso do hospital Miguel Oráa, em Guanare, onde em meados da semana passada a secretaria de saúde anunciou o início da impermeabilização nos mais de 800 metros quadrados que protegem a área cirúrgica.

Além da retirada e substituição da manta asfáltica, o projeto inclui a recuperação e manutenção das tubulações de esgoto e a climatização das 4 salas cirúrgicas que compõem a área cirúrgica do quinto andar.

No hospital Miguel Oráa, também foi realizada a manutenção da subestação elétrica que alimenta todo o centro de saúde e está localizada na cave. O trabalho foi realizado no domingo, dia 15.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.