Fogo e temperaturas mantêm o interior de Portugal em alerta vermelho | Sociedade | Edição América

Portugal mantém hoje um alerta vermelho no interior, sobretudo no norte e centro, onde mais de 2.000 militares combatem o incêndio, alimentado pelas altas temperaturas, vento e seca.

O país acordou com dezenas de frentes ativas, embora o grosso dos meios de extinção se concentre em Leiria (centro), Viana do Castelo (norte) e região do Porto.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) mantém o alerta vermelho em cinco distritos do interior mas lembra que praticamente todo o país apresenta um perigo “máximo ou muito elevado” de incêndio rural.

As chamas consumiram mais de 10 mil hectares de floresta na última semana, elevando para 30 mil o número de hectares perdidos desde janeiro, número que supera os 28 mil registrados ao longo de 2021.

Segundo o IPMA, o país bateu na terça-feira um recorde de temperatura, com máxima de 44 graus em Almeirim, cerca de cem quilómetros a norte de Lisboa.

O Governo prorrogou a declaração de estado de contingência até domingo devido às previsões meteorológicas, que anunciam temperaturas e ventos elevados durante o fim-de-semana.

O estado de contingência, decretado na segunda-feira e inicialmente em vigor até hoje, inclui a proibição de queima de restolho, o uso de pirotecnia, maquinaria e atividade em áreas florestais e o reforço de equipamentos de combate a incêndios.

As autoridades apelam à responsabilidade dos cidadãos para reduzir os riscos de incêndio.

“Um pequeno descuido pode terminar numa enorme tragédia”, insistiu o primeiro-ministro, o socialista António Costa.

Darcy Franklin

"Amante da TV. Ninja da música. Fanático por viagens amador. Fã de bacon. Evangelista de comida amigável. Organizador freelance. Fanático certificado pelo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.