Estudantes de Ciudad Rodrigo redescobrem Portugal graças ao programa ‘Frontier Schools’

Mais de 600 alunos espanhóis e portugueses de 16 escolas na fronteira hispano-portuguesa participam neste projeto

Um total de 613 alunos do 1º ao 6º ano do Primário de 16 escolas espanholas e portuguesas Além de 39 professores e 14 formadores de professores, 39 professores e 14 formadores de professores participaram este ano letivo no projeto ‘Escolas Bilíngues e Interculturais de Fronteira’, com o apoio de vários investigadores universitários. A rede está localizada em Cidades espanholas de Ciudad Rodrigo (Salamanca), El Puente (Zamora), Ayamonte e Isla del Moral (Huelva), Valverde del Fresno (Cáceres) e Badajoz capital e nas cidades portuguesas de Bragança, Guarda, Elvas e Vila Real de Santo António, recolhe a Agência Ical .

A iniciativa busca promover cooperação no desenvolvimento educacional, social e econômico dos territórios fronteiriços por meio de uma rede de escolas que proporcionam a essas regiões uma educação de qualidade, pautada pelo bilinguismo e pela interculturalidade.

Através de um metodologia de aprendizagem a partir de desafios ou missões que transformaram os alunos em “guardiões de La Raya”, jogos, canções, artesanato ou passeios entre as escolas geminadas, os alunos puderam saiba mais sobre a geografia ou costumes do país vizinho ou aprender a língua.

Os professores das ‘Escuelas de Frontera’ permitiram-lhes promover o multilinguismo através da troca de auxiliares de conversação nativos entre escolas, envolver toda a comunidade educativa (pais, diretores de escola, professores, formadores de professores…) ou fortalecer os laços entre as escolas e as comunidades a que pertencem.

o Experiência do piloto É uma iniciativa da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI), do Ministério da Educação de Portugal e dos Departamentos de Educação da Andaluzia, Castilla y León e Extremadura.

Nas palavras de Ana Paula LaborinhoDiretor Geral de Bilinguismo e Difusão da Língua Portuguesa da OEI, “Não poderia haver projeto mais bonito do que as ‘Escolas de Fronteira’, nem mais desafiador em nível político, técnico, pedagógico ou cultural; tampouco mais satisfatório em seus resultados. Temos duas línguas fronteiriças em um mundo em que 800 milhões de pessoas falam espanhol ou português.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *