Espanha, o país da UE onde a inflação mais consome a poupança das famílias

Ao contrário de seus vizinhos da zona do euro, o Governo de Pedro Sánchez é o Executivo que menos aumentou os salários em média, causando Espanha ser o país que sofreu a maior perda de poder de compra.

É bem conhecido que o inflação é um dos termos mais na moda hoje. Países, bancos centrais, instituições económicas, políticos, trabalhadores, cidadãos… Um fenómeno económico que consiste no aumento generalizado e estabilizado dos preços cujas consequências acabam por afectar a todos. Embora nem todos sejam iguais. Nem mesmo nacionalmente.

E a Espanha é, junto com a Áustria, o país da zona do euro mais atingido pela inflação. A taxa de poupança e a renda, ou seja, os salários, são as duas principais e mais imediatas ferramentas para combater a alta do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), a taxa que acaba medindo a inflação e que atualmente está em 10,8%.

Para começar, a taxa média de poupança das famílias espanholas é a que mais caiu dos 27 estados membros da União Europeia, onde a taxa de inflação continental, que atingiu 8,9% em julho, segundo dados oferecidos pelo Eurostat. Além disso, a poupança também caiu 2,1% em relação ao trimestre passado, contrariando a média continental, que subiu, apesar de quase insignificante, 0,1%, mas em todo o ano de 2021.

Salários espanhóis, os que menos aumentam na Europa e menos permitem poupar

Essa diferença de 1,9% em relação à taxa de inflação homóloga entre Espanha e a zona euro está a devorar as reservas de capital das famílias espanholas a um ritmo mais rápido relativamente à Alemanha, Itália, França, Portugal e aos restantes vizinhos europeus, conforme indicado pelos números do Eurostat.


Espanha liga dois trimestres consecutivos vendo como, em média, diminui a poupança dos seus cidadãos. Além disso, em 2021, caíram 6,6%, de 14,1% no início de 2021 para 7,5% em janeiro de 2022. Resultado da divisão da poupança pelo volume de sua renda bruta.


E a grande razão é que os salários médios cresceram pouco, a um ritmo muito mais lento do que os preços, pois, conforme evidenciado pelo Eurostat, o volume de poupança das famílias espanholas é semelhante ao que tinham antes da pandemia. Ou seja, a inflação desproporcional, em números históricos, já tirou aquele dinheiro que a paralisação da vida, como a conhecemos, por conta do confinamento e consequentes restrições sanitárias havia gerado.


Mas o Eurostat vai ainda mais fundo, apontando que a diminuição dos rendimentos, do que cada cidadão ganha, caiu 1,4% neste primeiro trimestre de 2022 face aos primeiros três meses de 2022.


Em suma, que os espanhóis gastem mais ou menos o mesmo que os europeus neste momento de 2022, embora se observe uma tendência de moderação face à incerteza de quanto tempo durará a inflação, mas ganham menos. Especificamente, e como o Eurostat continua a apontar, os salários cresceram, em média, metade do que no resto dos países europeus. Algo que se aprofunda perda de poder de compra.

Miranda Pearson

"Organizador. Introvertido. Fanático certificado pela internet. Beeraholic. Fã de álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.