Copa do Mundo no Catar: Regragui e Scaloni, dois velhos conhecidos desde os tempos do Racing Santander | Copa do Mundo Catar 2022

O Catar não foi o único espaço em que Walid Regragui e Lionel Scaloni chegaram a um acordo. A eficácia de seu jogo agora os uniu a para jogar as semifinais da Copa do Mundo como treinadores de Marrocos e Argentina. Mas como jogadores eles também compartilham um passado minúsculo e comum com a mesma camisa: o Racing de Santander.

É uma etapa em suas carreiras que eles não esqueceram. Porque a entrada na equipa cantábrica marca, diz a escritora Marta San Miguel, como uma forma de permanência. Este é o título do livro que publicou no Racing em 2019, para reivindicar os adeptos de uma equipa que nunca, nunca, conquistou um título oficial e todo o seu triunfo consiste tanto em saber perder como em conseguir resistir com fervor.

O San Miguel já era torcedor quando no início da temporada de 2006 viu os dois jogarem no Sardinero. O treinador marroquino nascido em Corbeil-Essonnes (França) há 47 anos foi contratado pelo clube do Santander como lateral-direito quando Lucas Alcaraz comandava a equipa em 2004. Tinha 29 anos. Ele chegou na janela de transferências de inverno e já disputou 17 partidas com o técnico desde 22 de janeiro de 2005, quando estreou com uma derrota por 3 a 0 para o Barcelona.

Mas foi mais tarde, com Nando Yosu, numa daquelas épocas em que o salva-vidas raceuista teve de ir para o banco para salvar a equipa da despromoção, que Regragui se firmou no posto da banda. O treinador que os adeptos cantábricos mais adoram voltou a fazê-lo, pela sexta vez, com o marroquino no plantel. Desta forma, o atual treinador marroquino pôde constatar o sabor daquele raro golo como único triunfo no horizonte: a façanha da permanência.

Regragui havia chegado do campeonato francês, onde lutou pelo Racing de Paris, Toulouse e Athletic Ajaccio. Surpreendeu o seu nível e a força que deu à equipa na posição. “Ele falava em campo, era atencioso e incentivava seus companheiros”, diz Gonzalo Colsa, que o conheceu depois de passagem por Valladolid, Mallorca e Atlético de Madrid. Embora fora de campo, Regragui raramente era visto com jogadores, lembra Aser Falagán, redator de esportes do Diario Montañés. “Ele raramente saía, era muito dedicado à família e à filha, que tinha então, quando ele chegou, três anos.”

A pena foi como sua magnífica progressão foi interrompida. Não por competição na posição, nem por queda de desempenho, mas por causa de uma lesão terrível. O jogador Pablo Casar lembra disso. Depois dividia a escalação com ele em campo quando ouviu o tornozelo e a fíbula estalarem após apoiar mal em um jogo de pouca importância: “Foi cobrir com o pé um cruzamento da lateral esquerda e ficou preso no chão. ”, garante o ex-zagueiro raceuista, que na última temporada treinou o Gimnástica de Torrelavega.

Nada era o mesmo novamente. Ela demorou a se recuperar e, ao fazê-lo, voltou com mais cautela. Ainda que sem perder a atitude de jogador de equipa: “Foi um pedaço de pão. Humilde, simples, gente boa. Ele espalhou uma forma de sentir o futebol. Muito amor, muita paixão, como se vê agora do banco”, comenta Casar.

Nisso, muito parecido com Lionel Scaloni (Santa Fé, 44 anos). Eles mal se esbarraram no vestiário. Mas coincidiram em alguns jogos no início da temporada de 2006, antes de Regragui trocar o Santander pelo Dijon, onde começou a jogar em 2007. O marroquino estava de saída e o argentino chegou para triunfar como jogador do interior na temporada comandada por Miguel Ángel Portugal no banco. Terminaram na décima posição e Scaloni disputou 31 partidas como titular na posição interior. Suas oito temporadas no Deportivo de la Coruña com um título da Liga, uma Copa, duas Supercopas da Espanha, algumas semifinais da Liga dos Campeões e muitos dias liderando aquele Super Depor como capitão exibiam um certo misticismo estranho e ao mesmo tempo magnético ao seu redor. Acima de tudo, dentro de um Sardinero subscrito à lei da resistência fez do carma e da renúncia ao sofrimento o destino.

O técnico da seleção argentina, Lionel Scaloni, durante a partida Argentina x Austrália, no dia 3 de dezembro, pela Copa do Mundo do Catar 2022. JUAN MABROMATA (AFP)

Eles compartilharam a pré-temporada juntos. “Ambas foram duas contratações magníficas para o Racing na época.” Bernardo Colsa, sócio número 420 e oráculo da história do clube cantábrico, corrobora com as sensações que experimentou nas bancadas: “Regragui conquistou os adeptos antes de se lesionar. Pode parecer uma contratação extravagante, mas nos conquistou”, afirma o sócio. Do campo, Pablo Casar acredita na mesma coisa: “Poucas vezes vimos um lateral-direito do nível dele”, comenta.

Gonzalo Colsa relembra com mais intensidade sua experiência com Scaloni: “Ele era grande, polivalente, supercompetitivo, não importava onde jogava, sempre atuava e contribuía. Talvez não tenha se destacado, mas mais do que cumpriu e foi um choque para o resto da equipe com sua grande atitude e suas arengas. Você notou que ele tinha um treinador em formação ”, diz o responsável hoje pelas categorias de base do Santander.

Na verdade, ambos quase coincidem novamente em outra etapa. No momento em que Gonzalo Colsa e Pedro Munitis terminavam o curso de treinadores na escola da sede da Federação em Las Rozas (Madrid), Scaloni começava o dele. Ele então enfrentou aquele caminho que o levou ao banco da seleção argentina nestas semifinais no Catar e dividir a tensão do empate com um velho conhecido: Walid Regragui.

inscreva-se aqui à nossa newsletter especial sobre a Copa do Mundo no Catar

Inscreva-se para continuar lendo

Leia sem limites

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *