Carlos Marín: “Não estamos tornando o setor atrativo para os jovens”

O setor de transporte rodoviário de cargas recupera gradativamente a normalidade após a greve nacional convocada em março passado, embora mantenha na mesa do Ministério dos Transportes, Mobilidade e Agenda Urbana uma série de demandas de vital importância para seu futuro a curto e médio prazo.

O setor de transporte rodoviário se estabilizou após a conturbada situação vivida há apenas alguns meses?

A situação é mais estável. Passamos um verão com muito trabalho e movimentação, com muita carga tanto em caixas comerciais quanto em frigoríficos e caminhões-tanque. Ainda há muitas nuvens no horizonte, mas parece que as coisas se acalmaram um pouco, principalmente em relação àqueles cantos de sereia e populismo que se estabeleceram no setor de transporte. No final, as pessoas perceberam que as suas associações estão ali para lhes prestar serviço e que há outras que vêm cobrar pelos serviços.

Em que medida as medidas aprovadas pelo governo central mitigaram os efeitos do aumento de custos sofrido pelo setor?

Acredito que os acordos firmados pela Comissão Nacional de Transporte Rodoviário (CNTC) foram bons. A cláusula de revisão obrigatória de combustível é muito importante para todo o setor porque, afinal, o diesel representa 38% dos nossos custos. Conseguir repassar esse custo aos nossos clientes tem sido essencial para a sobrevivência de muitas empresas. Deve-se levar em consideração que o custo da mão de obra também é muito alto (entre 36% e 38% do total) devido à falta de motoristas e é fixado por acordo. Estes acordos são assinados e fazem parte de uma lei orgânica, pelo que são sine die, não caducam. Agora estamos com a negociação da lei da cadeia de transporte, na qual alguns insistiram. Continuo dizendo que não vai valer nada e não porque quero ser pessimista, mas porque já existe uma lei sobre a cadeia alimentar e se você perguntar ao setor agrícola eles dizem que não funciona. Bem, ainda mais num setor como o nosso onde já existiam algumas taxas obrigatórias há alguns anos e todo o setor as chamava (com ironia) de taxas de incumprimento obrigatório. Espero estar errado, mas acho que essa lei não vai valer nada.

É necessário estender o bônus de 20 centavos por litro de combustível para além de 31 de dezembro deste ano?

Enquanto a guerra na Ucrânia continuar e a situação atual do barril de Brent terá que ser renovada. Todos os economistas estão dizendo que provavelmente haverá um colapso do Brent, mas há uma pequena porcentagem de transportadores que apostam no gás como elemento de transição até que chegue o hidrogênio ou outro tipo de combustível e agora o preço está disparando. Enquanto não houver queda nos preços do Brent e do gás como resultado do início de uma recessão, eles terão que mantê-la. Mas é claro que, se entrarmos em recessão, e assim dizem os especialistas, esses bônus também serão necessários.

Que outras demandas do setor o Ministério dos Transportes, Mobilidade e Agenda Urbana tem atualmente em pauta?

Cumprimos muitas de nossas demandas históricas, como a proibição de descargas, mas, como disse, ainda há muitas nuvens escuras no horizonte, como a modificação da regulamentação de peso e dimensão ou a diminuição da atividade, que em última análise, acabamos afetando a todos. Somos os primeiros a notar as recuperações e também as crises e agora estamos às portas de uma.

Teme que haja uma nova virada na cobrança de portagens das transportadoras?

Temos um acordo adotado em novembro de 2021 pelo qual o Governo não vai impor a chamada Eurovinheta em Espanha sem negociar com o Comité Nacional dos Transportes Rodoviários. É assim por enquanto. Se vão nos cobrar por andar em rodovias, como é o caso de alguns países europeus, ou nos devolvem ou nos oferecem rodovias em boas condições. Os atuais não. Neste momento, a última coisa que o setor precisa é da Eurovinheta.

Continua a haver uma demanda significativa por motoristas. Quais são as razões?

Todos nós temos que nos culpar. Acho que não estamos tornando o setor atraente para os jovens ingressarem. É um setor profissionalizante, mas a vida do motorista, embora não seja como há 40 anos, também é difícil. Temos que dignificar essa profissão abençoada que tanto amamos. Também é verdade que se você vai contratar um homem ou uma mulher e eles lhe dizem que estão recebendo 1.200 ou 1.400 euros entre bolsas e outros, é difícil convencê-los a vir a este setor para arrecadar 2.800 ou 2.900 euros depois passar muitos dias longe de casa. Precisamos de pessoas que trabalhem e contribuam para continuar mantendo esse estado de bem-estar que tanto nos custou e não para arrecadar subsídios.

O estado de saúde do setor em Castilla-La Mancha ainda é ótimo?

Somos uma província e região eminentemente logística graças à nossa localização estratégica no centro do país. Esta localização imbatível nos permite ter muitas empresas de transporte muito boas, as melhores da Espanha e da Europa. O que acontece é que devemos estar melhor interligados, com infraestruturas alinhadas com as de outras regiões como Madrid, Catalunha e Comunidade Valenciana. Aqui continuamos a reclamar a mesma coisa: a ligação entre Ciudad Real e Toledo, a autoestrada por Montoro e, sobretudo, a ligação entre Valência e o porto de Sines em Portugal. Reivindicamos a autoestrada do sul, mas não importa onde ela seja feita, porque no final teremos que fazer um ramal do outro lado. Eles têm que parar de falar e dizer que não concordamos, porque me dá a impressão de que em Madri, quem governa, eles não querem fazê-lo.

Você aludiu antes a gás e hidrogênio. A mudança de combustível fóssil para renovável será uma realidade no médio prazo?

Não muito menos e mais com o que está acontecendo. Outro dia ouvi falar de hidrogênio em Puertollano de pessoas altamente treinadas com projetos que com certeza serão muito bons, mas no momento não há tecnologia ou desenvolvimento para caminhões pesados ​​movidos a baterias de hidrogênio. Tudo é uma quimera, um sonho de futuro que esperamos que venha porque o transporte é o que mais emite CO2 na atmosfera. Enquanto isso, precisamos de algumas tecnologias de transição no transporte pesado de mercadorias que passam pelo gás natural, biogás e pela combustão de hidrogênio, gás e biogás para substituir gradativamente o diesel. É o que nos levaria no futuro, em 15 ou 20 anos, a ter um veículo pesado a hidrogênio. Com a guerra na Ucrânia, o gás ficou mais caro e as empresas que apostam nele precisam de ajuda. Dissemos muito claramente ao Diretor-Geral de Transportes que precisamos de ajuda agora, porque se não, quando tivermos que recorrer ao hidrogênio ou a outras tecnologias, não vamos confiar em nós mesmos. Alguma ajuda está sendo considerada, mas eles têm que se apressar porque, se não, o diesel continuará por muitos anos.

Eloise Schuman

"Fã de café. Especialista em viagens freelance. Pensador orgulhoso. Criador profissional. Organizador certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *