Auxílio combustível continuará sendo geral, diz Calvio

Madri – A Primeira Vice-Presidente do Governo e Ministra da Economia e Transformação Digital, Nadia Calviño, confirmou ontem que o bónus de combustível será mantido até 30 de setembro de forma “generalizada” porque “é o mais eficaz”. “Quando aplicada a toda a população, a CPI cai imediatamente. É uma das medidas mais eficazes que implementamos e vamos continuar nessa direção”, disse o vice-presidente à Antena 3.

Dessa forma, Calviño resolveu o debate sobre se o bônus de combustível, atualmente de 20 centavos de euro por litro, deve levar em conta a renda, conforme solicitado pelo Podemos, ou permanecer como está: para toda a população. Em última análise, continuará a ser generalizado. Sobre se a redução do IVA sobre a eletricidade de 10% para 5% anunciada ontem pelo Presidente do Governo, Pedro Sánchez, significa reconhecer que o teto do preço do gás em Espanha e Portugal foi um fracasso, o Vice-Presidente negou ponto e ressaltou que está funcionando, já que o preço da energia elétrica no Estado é inferior ao dos países vizinhos.

“Está sendo muito eficaz, mas a situação internacional gerada pela guerra está evoluindo e continuamos tomando medidas para proteger cidadãos e empresas. A guerra às portas da Europa não é brincadeira e temos que tomar medidas à medida que a crise se desenrola . palco internacional”, explicou. Assim, Calviño especificou que as notícias da semana passada “não são positivas”, já que o corte do gás e do petróleo russos fez com que os futuros do gás subissem 40%.

“E é por isso que este é o momento de baixar ainda mais o IVA para que possamos continuar a amortecer o impacto dos preços na Espanha”, acrescentou. A vice-presidente não quis confirmar se a prorrogação do pacote anticrise que será aprovado no sábado incluirá bonificações para o transporte público, como exige a United We Can, e limitou-se a indicar que está trabalhando em um conjunto de medidas que ainda precisam ser “avaliados” daqui até sábado.

“Todas as medidas que tomarmos vão se basear em uma avaliação séria de sua eficácia e também olhando para as medidas que estão sendo implementadas pelos países ao nosso redor que trabalham e quais podem ser necessárias no novo cenário”, assegurou. Calviño lembrou que também está trabalhando em uma imposição às empresas de energia e negou que haja um “conflito” dentro do governo em relação a essa questão.

“Concordamos absolutamente que temos que ter uma distribuição justa do impacto desta guerra, que temos que tributar os lucros inesperados das empresas de energia, e isso inclui as empresas de petróleo e eletricidade. Na verdade, já tomamos medidas para tributá-las e vamos continuar nessa linha”, afirmou.

Imposto sobre eletricidade Entretanto, sobre a existência de decisão de imposição de imposto às empresas de electricidade, a Ministra da Política Territorial e Porta-voz do Governo, Isabel Rodríguez, salientou que “a decisão foi tomada” e “comunicada” e exigiu um esforço das empresas de energia , alegando que “não há cidadão que entenda” o “exorbitante” que está vivenciando quando outros estão se esforçando.

Isto foi afirmado durante uma entrevista em La Sexta, na qual também defendeu a medida anunciada pelo primeiro-ministro de baixar o IVA sobre a eletricidade de 10 para 5%. E quando questionada se já existe uma decisão de taxar as empresas de eletricidade, Isabel Rodríguez respondeu: “A decisão está aí, foi tomada, foi comunicada”.

A este respeito, acrescentou que o Executivo tem sido muito claro nesta “decisão” porque considera que “seria bom” para Espanha que as próprias empresas energéticas “se esforçassem por contribuir para o seu país”. E nesta mesma linha justificou a decisão alegando que o Governo tem feito um esforço para proteger a maioria social e os mais vulneráveis ​​e agora pedem às empresas de energia que façam o mesmo.

“Quando a redução é aplicada a toda a população, o IPC imediatamente ?reduz”

Nádia Calvino

Primeiro vice-presidente

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.