Analistas da Fifa veem mais gols após cruzamentos e pênaltis

Mais pivôs que vão parar dentro do gol. Forçando pênaltis com “gênio total” como Cristiano Ronaldo. Pressione o rival para recuperar rapidamente a bola.

Especialistas da FIFA apontaram neste sábado as tendências que a Copa do Mundo no Catar deixou após os primeiros 16 jogos.

O que o Grupo de Estudos Técnicos viu foram mais e melhores cruzamentos valendo a pena, além de um grande aumento no número de gols — 14 contra três — das laterais, em relação ao final da primeira rodada da fase de grupos. da Copa do Mundo da Rússia em 2018.

As nove penalidades máximas marcadas até agora deixam este torneio no caminho para quebrar o recorde de 36 em 64 jogos. Na Rússia, quando a arbitragem de vídeo foi introduzida, 29 foram apitadas.

A inteligência dos jogadores de futebol deve receber tanto reconhecimento quanto as novas tecnologias, segundo Sunday Oliseh, meio-campista que disputou duas Copas do Mundo pela Nigéria e estuda as partidas do Catar para a Fifa.

“Os atacantes estão ficando mais espertos? Se olharmos para o pênalti que deram a Ronaldo”, disse ele sobre a jogada em que o craque português pareceu tentar um zagueiro ganês a entrar na área penalizada.

“As pessoas podem dizer o que quiserem sobre esse homem, mas ele tem a astúcia e a inteligência de ser paciente e esperar aquela fração de segundo para tocar a bola antes de você e continuar com a perna para que seu contato acerte minha perna.” indicado Oliseh

“Isso é um gênio total”, acrescentou.

O técnico de Gana, Otto Addo, pode não concordar. Ele descreveu o pênalti como “um presente especial do árbitro”.

Cristiano saiu do campo para abrir o placar na vitória de Portugal por 3 a 2. Foi um dos sete pênaltis convertidos entre os 41 gols marcados nos 16 jogos disputados até quinta-feira.

Essa é uma boa média para uma Copa do Mundo, com uma taxa de 2,56 por partida contra o recorde de 2,67 para um torneio completo de 64 jogos.

Segundo analistas da FIFA, os passes impressionantes das laterais ajudaram a compensar os quatro empates sem gols.

Os 14 gols que nasceram de jogadas da banda são um bom número para o Catar, onde houve 56 cruzamentos que terminaram em chances de gol, contra apenas 35 da Rússia, acrescentaram.

Os quatro jogos sem golos são explicados pela cautela das equipas em evitar começar a competição com uma derrota. Há quatro anos, havia gols em todos os primeiros 36 jogos.

O jogo Portugal x Gana foi monótono até o pênalti de Ronaldo, e “depois se tornou justo” com uma enxurrada de gols no segundo tempo, disse Oliseh.

“À medida que o torneio avança, veremos as seleções ficarem um pouco mais corajosas”, disse Alberto Zaccheroni, técnico italiano que comandou o Japão no Brasil 2014.

As equipes que se comprometeram a pressionar os adversários em seu próprio meio-campo foram recompensadas com o domínio da posse de bola nas zonas de perigo e evitaram trazer o perigo para perto de seus gols, acrescentou Zaccheroni.

Os dados da FIFA mostram que Inglaterra, Espanha, Alemanha e Argentina foram os mais eficazes na “contrapressão” que muitos dos seus futebolistas praticam habitualmente nos seus clubes.

Ser capaz de fazer cinco substituições permite que os técnicos mantenham um nível de energia “muito exigente fisicamente” durante o jogo, disse Zaccheroni.

Darcy Franklin

"Amante da TV. Ninja da música. Fanático por viagens amador. Fã de bacon. Evangelista de comida amigável. Organizador freelance. Fanático certificado pelo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *