A justiça europeia rejeitou o processo dos pais de Madeleine McCann contra Portugal por os ter investigado

Kate e Gerry McCann posam com uma imagem gerada por computador de como seria a filha desaparecida Madeleine (Reuters/arquivo)

Tribunal de Estrasburgo rejeitou na terça-feira o pedido dos pais da menina Madeleine McCanndesaparecidos em Maio de 2007 quando a família estava de férias no sul de Portugal, que consideram ter a sua reputação manchada pela teoria policial de que teriam sido eles os responsáveis ​​pelo sucedido.

O polícia Gonçalo Amaral, que trabalhou na investigação do desaparecimento de Madeleine em 2007, sugeriu no seu livro “A verdade da mentira” que os pais da menina estiveram envolvidos.

Juízes europeus estimam que Portugal não violou o seu direito à presunção de inocênciaem sua batalha de difamação contra o ex-policial

Além disso, sustentaram que o livro publicado pelo inspetor que estava à frente da investigação no início, na qual desenvolveu aquela teoria, além de ter um base factual do argumento, não foi ele quem desencadeou a campanha de mídia que os colocou no centro das atençõesque havia começado antes.

Aliás, recorde-se que as suspeitas sobre eles conduziram à sua indiciação na primeira fase das investigações, embora o Ministério Público tenha acabado por levantar as acusações em julho de 2008, três dias antes da publicação do polémico livro do inspetor, que o Tribunal Tribunal de Direitos Humanos (ECHR) identificado exclusivamente por suas iniciais GO

Gerry e Kate McCann, pais de Madeleine (EFE)
Gerry e Kate McCann, pais de Madeleine (EFE)

Na prática, as informações sobre os elementos de suspeita foram divulgadas detalhadamente e foram amplamente divulgadas pela mídia internacional.

Foi então que ocorreu o potencial dano à reputação dos pais, Gerald Patrick McCann e Kate Marie Healy.

A CEDH concordou com a Justiça portuguesa, que havia negado os recursos anteriores que os McCann haviam interposto em nome de sua presunção de inocênciaporque a versão sobre sua suposta responsabilidade pelo desaparecimento da menina havia feito parte de um debate público de interesse e a tese do inspetor era uma das várias opiniões que existiam naquele debate.

Madeleine McCann, de três anos, desapareceu no dia 3 de maio de 2007 da estância turística da Praia da Luz onde passava férias com os pais e irmãos.

A investigação deu muitas voltas.

Em setembro de 2007, Gerry e Kate McCann foram interrogados pela polícia como suspeitos oficiais. No mês de julho seguinte, a polícia portuguesa desistiu da investigação por falta de provas, inocentando os McCann de qualquer envolvimento.

A virada definitiva pode ter sido a de 2020, quando o Ministério Público alemão indicou ter chegado à conclusão de que a menina estava morta e que o responsável poderia ser um homem preso naquele país na época, que posteriormente foi indiciado em pedido da Justiça portuguesa.

(Com informações da EFE e Reuters)

CONTINUE LENDO:

Darcy Franklin

"Amante da TV. Ninja da música. Fanático por viagens amador. Fã de bacon. Evangelista de comida amigável. Organizador freelance. Fanático certificado pelo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *