A autoestrada ferroviária França-Portugal vai integrar Burgos

A princípio pode parecer loucura que um caminhão, cabine e plataforma incluídos, suba em um vagão de trem para transportar mercadorias. O modelo de autoestrada ferroviária, já difundido no centro e norte da Europa, é o próximo grande passo que o Governo quer dar para dinamizar a logística, tudo sem descurar o transporte rodoviário. Prova disso é que, ao longo deste ano de 2022, o Ministério dos Transportes terá em seu poder a análise preliminar de bitolas de diferentes vias que futuramente serão transformadas em rodovias ferroviárias. No total, vão atravessar 17 províncias, embora existam comunidades como a Galiza, Astúrias e Cantábria, Extremadura, que terão de esperar mais tempo para adaptar as suas infraestruturas.

Um desses 9 corredores prioritários para o Executivo é o que vai de Medina del Campo (Valladolid) a Jundiz (Vitoria) depois de passar por Burgos ou Miranda. No final de Pucelano há outra em estudo que terminará na cidade salamanca de Fuentes de Oñoro, a última estação antes da fronteira portuguesa. Por outro lado, em direcção à capital basca, -mas em bitola normal e não ibérica-, propõe-se a criação de uma auto-estrada ferroviária para Irún. Desta forma, a capital de Burgos será um ator fundamental nesta nova forma de movimentação de mercadorias, que permitirá percorrer Espanha e ligar Portugal e França. O ministério especifica que o corredor que atravessa a província destaca-se pelo seu “interesse para o setor da logística e transportes” e elogia a redução das emissões que seriam expelidas para a atmosfera se estes camiões completassem os seus serviços por via rodoviária.

(Mais informações na edição impressa de hoje do Diário de Burgos)

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.