Restauração de relações e sul-americanização • Diario de Los Andes, notícias de Los Andes, Trujillo, Táchira e Mérida

Por: Alejandro Mendible

1. O atual blog da política externa venezuelana volta-se mais uma vez para o sul, cooptado pela nova realidade do continente e onde se destaca a enorme capacidade do Brasil, o gigante sul-americano no seu papel de estabilização regional e articulação de uma geopolítica estratégica sul-americana aliança indicada por seu importante retorno à Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac)

Dois O Brasil retorna com o presidente Lula ao seu rumo democrático de conteúdo social alterado em 2016, quando a presidente Dima Rousseff foi afastada do governo por um impeachment e o país entrou em uma experiência que nos últimos quatro anos foi traumática devido à atitude ultradireitista de o presidente Bolsonaro

Três. Hoje Lula chega “ressuscitado” pelo voto popular à presidência do Brasil pela terceira vez. Em seus dois mandatos anteriores ocorridos na primeira década deste século, destacou-se como líder regional da primeira onda transformadora do socialismo do século XXI e exerceu grande influência na Venezuela onde conseguiu conciliar grande química pessoal com o presidente Hugo Chávez. , que chegou a afirmar que os dois “fizeram mais nas relações binacionais do que em sua história”. Para o qual colocaram as relações como “estratégicas” no quadro das expectativas regionais sul-americanas.

Quatro. Os dois países sul-americanos estão atualmente separados por uma linha de fronteira de 2.200 km acordada em 5 de maio de 1859, quando foi assinado em Caracas um Tratado de Fronteira e Navegação Fluvial entre o Império do Brasil e a República da Venezuela, convencionando que desde então ” haverá paz perfeita, amizade firme e sincera.” Vale destacar a posição pragmática da elite política venezuelana da época ao aprovar o único tratado fronteiriço não traumático na evolução de nosso país até o presente.

Cinco. As relações diplomáticas binacionais só foram suspensas em duas ocasiões devido ao confronto de modelos de governo incompatíveis: em 1964, sob o domínio da Guerra Fria, ocorreu no Brasil um golpe militar anticomunista contra o governo constitucional de João Goulart. Esta situação faz com que o governo democrático de Raúl Leoni aplique a “doutrina Betancourt” de não reconhecer o novo governo por não ter saído de eleições populares. Mais tarde, em 2019, paradoxalmente, mediado por um contexto internacional muito diferente, o governo constitucional do presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro interrompeu as relações por considerar que a eleição presidencial de Nicolás Maduro não foi democrática.

Seis. Em ambas as ocasiões, não foram favorecidos os interesses dos povos venezuelano ou brasileiro, mas sim os metropolitanos. No primeiro caso, compensou-se a posição dos Estados Unidos de perder a Cuba fidelista do sistema hemisférico americano e no segundo, em um novo contexto histórico mundial, acentua-se o isolamento da Venezuela chavista do processo sul-americano, aumentando a disputa geopolítica entre EUA, Rússia e China.

Sete. Os processos civilizatórios de ocidentalização no Brasil e na Venezuela seguiram rumos históricos distintos. Em 1496, em sua terceira viagem, quando Cristóvão Colombo chegou à foz do Orinoco, acreditou ter encontrado o paraíso terrestre, sem perceber que havia iniciado a rivalidade entre os reinos ibéricos da Espanha e Portugal pelo controle do novo localizado continente. voltado para o oceano Atlântico anteriormente dividido entre os dois pelo Tratado de Tordesilhas de 1494.

Oito. Em 1750, os dois reinos católicos, cientes do perigo comum representado pelas incursões das potências rivais da Inglaterra, França e Holanda na América do Sul, assinaram o Tratado de Madri para demarcar seus territórios coloniais. Naquela ocasião, a coroa portuguesa conseguiu com grande maestria legitimar os enormes espaços conquistados por seus colonos através das intrépidas companhias expansionistas dos bandeirantes. Em particular, destaca-se o que foi alcançado pelos colonizadores portugueses na parte norte da região amazônica, onde converteram o grande rio Amazonas em um rio interior para sua navegação.

Nove. Em 1777, quando também foi criada a Capitania Geral da Venezuela, a coroa espanhola assinou o último tratado de limites coloniais, o de San Ildefonso, que validava o que Portugal havia conquistado. O acordo torna-se a referência legal para o estabelecimento do uti possidetis juris territorial entre os novos países surgidos da ruptura colonial com Portugal e Espanha. Após o império independente que surge no Brasil em 1822 com Pedro I reivindica todo o território colonial e a maior parte da região amazônica. Nessa região, o Brasil localizava-se abaixo do Mar do Caribe e distante da Cordilheira dos Andes. Enquanto isso, a Venezuela, por sua vez, permanece como um dos espaços desmembrados do colonialismo espanhol que controla a bacia do Orinoco.

Dez. As fronteiras permanecem como espaços vazios até as últimas décadas do século passado, quando as sociedades dos dois países viraram as costas, a venezuelana voltada para o Caribe e a brasileira voltada para o rio da Prata. No entanto, o oportuno acordo binacional de 1859 protege esses imensos espaços de incursões aventureiras internacionais e também repercute na manutenção de relações distantes estáveis. Essa situação continua ao longo do tempo até que a noção de fronteira muda determinada pelo interesse de ambos os estados nacionais a partir da década de 1960

Onze. A partir dessa década, surgem projetos de integração latino-americana, refletindo as mudanças ocorridas após a Revolução Cubana. A criação da CEPAL, o surgimento da chamada “teoria da dependência” nas Ciências Sociais latino-americanas e a promoção da Política da Aliança para o Progresso dos Estados Unidos buscando mudar sua imagem de dominação na região que, permite o aumento do comércio inter-regional. Assim, em 1961 surgiu a Associação Latino-Americana de Livre Comércio (ALALC) e a Venezuela aderiu ao Pacto Andino, ampliando sua dependência do Caribe. Com o Brasil à distância, prevaleceu a diferença idiossincrática criada pelo antagonismo da colonização portuguesa; que, ademais, havia criado um nó de incompatibilidade após a independência na Amazônia entre os oito países que a compartilhavam, questão favorável para o avanço da ganância das potências internacionais. Diante dessa eventualidade, o governo militar brasileiro atua na prevenção e obtém apoio para defendê-lo e consegue a assinatura do tratado da Amazônia em 1978.

Doze horas. No último meio século, os limites e as relações binacionais foram redefinidos como um todo com a marcha do tempo histórico regional entre a Amazônia e a Orinoquia, nacionalmente entre a sociedade brasileira e venezuelana, e em escala global entre a América do Sul e a ordem internacional . No encontro entre os dois países, apresenta-se atualmente em 2023 como uma importante dobradiça no processo de regionalização estratégica sul-americana.

Treze. A chegada a Caracas do novo Encarregado de Negócios do Brasil, Flavio Maceira, com a missão de restabelecer as relações mas, também, o convite do Presidente Lula em 2006 quando propôs a entrada do nosso país no Mercosul, aliás, fomos pede que nos unamos aos esforços pelo resgate da Unasul e pela construção de uma América do Sul forte, democrática e pacífica. “É uma ideia grandiosa tentar formar uma única nação de todo o novo mundo como um único elo que une suas partes com o todo”

mendiblealejandro@gmail.com

.

Raven Carlson

"Viciado em bacon apaixonado. Ninja orgulhoso da cultura pop. Analista irritantemente humilde. Entusiasta de TV. Fã de viagens ao longo da vida."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *