Quando será registrada a atividade máxima da chuva de meteoros Perseidas?

Foto de arquivo: Um meteoro cai sobre a montanha Tvrtkovac durante a chuva de meteoros Perseidas, visto de Zenica, Bósnia e Herzegovina (REUTERS/Dado Ruvic)

A atividade máxima das Perseidas acontecerá este ano nas primeiras horas de 12 a 13 de agosto com dois inconvenientes: a Lua cheia, que dificultará a visualização dos meteoros mais fracos, e a crescente poluição luminosa.

10% da superfície continental do planeta é afetada pela poluição luminosa, mas se for levado em conta o brilho do céu que produz a emissão de luz artificial na atmosfera, esse percentual aumenta para 23%, explicou o espanhol. Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias (IAC) em um comunicado.

As consequências da emissão de luz artificial no céu afetam a biodiversidade, a saúde e, claro, a Astronomia e as perspectivas para o futuro não são nada otimistaslamentou o IAC.

No entanto, o centro astrofísico aponta que existem regiões que lutam para inverter esta tendência, como é o caso da Macaronésia, onde instituições de diferentes áreas se uniram em vários projetos de combate a este tipo de poluição atmosférica, quantificando os níveis de luz de contaminação nas áreas onde não deveria ter chegado e tomando medidas para impedir seu progresso.

Uma dessas iniciativas consiste em conscientizar a população sobre o problema da poluição luminosa e, para isso, da noite de sexta-feira 12 para sábado 13 de agosto, o canal sky-live.tv vai transmitir ao vivo a chuva de meteoros Perseidas do Pico do Arieiro (Madeira, Portugal) e do Observatório Roque de los Muchachos em La Palma. Esta iniciativa é uma colaboração entre o IAC e a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, no âmbito dos projetos Interreg EELabs e LIFE Natura@night.

“Este ano a Lua cheia tornará difícil ver os meteoros mais fracos. Por esta razão a frequência das Perseidas será menor – cerca de uma a cada 15 minutos – e observaremos apenas os mais brilhantes, que continuarão a ser impressionantes”comentou Miquel Serra-Ricart, astrônomo do IAC e coordenador do projeto EELabs.

Como nos anos anteriores é preciso encontrar um lugar longe dos centros urbanos, fixar os olhos em um ponto no céu e esperar pacientemente para ver alguns dos vestígios de luz das Perseidasaconselhou o astrônomo.

O IAC lembra que Como todos os anos nessa época, a Terra passa pela nuvem de poeira e rochas que o cometa Swift-Tuttle deixou para trás em cada uma de suas órbitas ao redor do Sol.

Como consequência, nas noites de meados de julho até o final de agosto, a atividade das Perseidas, conhecidas como “Lágrimas de São Lourenço”.

Um meteoro Perseida atravessa o céu sobre um acampamento no deserto de Negev, Israel (Foto de MENAHEM KAHANA / AFP)
Um meteoro Perseida atravessa o céu sobre um acampamento no deserto de Negev, Israel (Foto de MENAHEM KAHANA / AFP)

Na Europa a atividade máxima desta chuva de meteoros ocorrerá na noite de 12 para 13 de agosto quando, de acordo com os cálculos dos modelos padrão, a atividade das Perseidas é de cerca de 100 meteoros/hora embora, este ano, a Lua cheia dificulte a observação durante a noite.

São conhecidos como “Estrelas cadentes” às pequenas partículas de poeira, algumas menores que grãos de areia, que são lançadas por cometas ou asteroides ao longo de suas órbitas ao redor do Sol.

A nuvem de partículas resultante (meteoróides), devido ao derretimento produzido pelo calor solar, é dispersa pela órbita do cometa e é atravessada pela Terra em sua jornada anual ao redor do Sol.

Durante esse encontro, as partículas de poeira se desintegram ao entrar na atmosfera terrestre em alta velocidade, criando as conhecidas faixas luminosas que recebem o nome científico de meteoros.

As Perseidas recebem o nome da constelação de Perseu, onde está localizado seu radiante (o ponto no céu de onde parecem nascer), mas têm sua origem no cometa Swift-Tuttle, descoberto em 1862, e que, Com um tamanho aproximado de 26 quilômetros de diâmetro, é o maior objeto que se aproxima periodicamente da Terra.

(Com informações da EFE)

Continue lendo:

A beluga que se perdeu no rio Sena na França foi sacrificada por razões humanitárias
Um terço do vulcão La Palma desmoronou em seu quinto dia de erupção
Quais são as 5 maneiras incomuns de combater o estresse, apoiadas pela ciência

Joseph Salvage

"Fanático hardcore de mídia social. Propenso a ataques de apatia. Criador. Pensador. Guru dedicado da web. Aficionado por cultura pop. Solucionador de problemas."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.