“O teto das necessidades é mais baixo do que pensamos”

Termina amanhã a Ruta Quetzal 2022, que significou o regresso após uma pausa de seis anos desta iniciativa de formação e aventura para jovens, agora limitada à Galiza e Portugal. O que resta daquela promovida por seu pai, Miguel de la Quadra-Salcedo, para estreitar os laços com a América do Sul?

O percurso começou porque o meu pai em 1979 teve a ideia de iniciar um programa que tivesse muito a ver com a juventude. Em seu tempo como repórter cobrindo conflitos, ele tinha um amor especial pela América e era uma forma de consolidar as bases com a América Latina. De 1988 foi feito ininterruptamente até 2016. Tenho a sensação de continuar algo e sei que o meu pai teria gostado muito deste percurso.

Como era Miguel de la Quadra-Salcedo como pai?

Eu cresci com meu pai que era uma pessoa popular, mas eu não sabia. Eu vi que ele fazia as viagens, ele ia para a rota… Eu me acostumei porque eu tinha um pai que às vezes nos levava da escola e a gente fazia as viagens, mas você não ia quatro dias, mas duas semanas e escalar um pico na República Dominicana, por exemplo. Lembro-me de passar seis dias escalando o Pico Duarte a cavalo com minha mãe e dois irmãos. Pareceu-lhe que era um pouco normal, mas não era.

Foi difícil não vê-lo por meses por causa de suas viagens?

Ele nem sempre estava em casa para trabalhar, mas você se acostuma. Graças a isso, o inseto morde você.

Você também herdou o espírito aventureiro?

Eu o acompanhei desde 1989 na rota. Quando ele faleceu em 2016, o patrocinador nos disse que não ia continuar e eu considerei a continuidade. Era uma época em que as coisas estavam mudando, não havia mais empresas que patrocinavam um programa que custava 1,5 milhão de euros, tudo ficou um pouco mais difícil. Ainda assim, como vivo na Galiza, contactei a Xunta y Mar de Santiago.

Você não ficou tentado a ser jornalista e repórter como seu pai?

Não. Na época eu gostaria de estudar História da Arte, mas fiz Direito e antes de terminar comecei a trabalhar com meu pai. Então comecei a levar a comunicação da rota.

E como acabou se mudando para Pontevedra?

Vivo desde 2012 porque me casei com uma galega que me trouxe aqui (sorrisos). Vivo no Carril, famoso pelas suas amêijoas. Quando vim de Madrid, o meu pai só me perguntou se podia ver o mar da minha casa e eu disse que sim. Vejo o estuário de Arosa e o rio Ulla, por onde passei muitas vezes quando navegava pelo caminho.

“É uma experiência que mudou a vida de muitas crianças. Há quem ia ser arquitecto e depois de fazer o percurso decidiu ser botânico”

A experiência deixa uma marca nos ‘roteadores’?

Sim. É uma experiência que mudou a vida de muitas crianças. Há quem ia ser arquitecto e depois de fazer o percurso decidiu ser botânico.

Não sei se os pais dela ficariam felizes com a mudança.

Sim. Os pais ficam encantados porque, quando descobrem essas vocações, estudam não o que lhes foi dito para fazer, mas o que querem e quando você faz o que quer, faz bem.

Ele ainda mantém o objetivo da rota mesmo sendo uma versão reduzida?

O facto de percorrermos o norte da Galiza e Portugal responde à base do percurso, pois aproveitamos o ano de Xacobeo, o quinto centenário da primeira circunavegação do mundo, a expedição de Magalhães e Elcano e falamos de a Traslatio, a viagem do apóstolo Santiago já decapitado da Judéia. Havia desculpas históricas suficientes.

“Vivemos em um mundo muito globalizado em que botões e telas são responsáveis ​​por facilitar nossa vida, mas estamos mais ausentes”

E os jovens que participam, mantêm o espírito aventureiro em um mundo tão tecnológico e cheio de telas?

Temos 156 membros da expedição de toda a Espanha que estão compartilhando sua cultura, que é o foco da rota. Já proibimos celulares na rota Quetzal quando começaram a ser usados. É essencial que os membros da expedição descubram a vida longe desses suportes e dispositivos que a única coisa que fazem é mantê-lo em contato com pessoas que nem sempre são necessárias. Você descobrirá que pode sobreviver, estar com pessoas que não conhece. Os pais me pediram para poder falar com eles e eles têm um momento móvel cinco minutos por dia. Alguns deixam claro que estar com telas é intoxicação.

Como você consegue que jovens de 15 e 16 anos se separem do celular?

O percurso é uma escola para eles entenderem que o teto de necessidades que a gente tem é muito menor do que imaginamos. Abrir uma torneira e sair água é sorte, e por estar quente, muito maior. Nós costumávamos dormir no chão em suas malas todos os dias da expedição, dentro de tendas ou pavilhões. Eles não estavam acostumados com isso até agora e é a mensagem mais importante. Durante o tempo em que vivem juntos, criam-se laços e você tem um amigo em qualquer lugar do mundo.

Que valores pretende transmitir com este programa?

O que se chama educação em valores e empreendedorismo é o que sempre promovemos na rota. No início visitamos comunidades indígenas que não sabiam o que era televisão ou elevador. Nesse abismo de diferenças, a única saída para quem conhece o elevador é se colocar no caso do outro e aí começamos a ensinar valores. Cabe a eles assimilá-los. Vivemos em um mundo muito globalizado em que botões e telas são responsáveis ​​por facilitar nossa vida, mas estamos mais ausentes. Nós nos preocupamos mais em enviar um vídeo do que em nossa cidade ter infraestrutura ou qualidade ambiental. Neste mundo vivemos muito rápido e não há tempo para pensar no que é importante como cooperação, ajuda, que não haja diferenças entre um e outro. Predisposição para ajudar se houver um colega que não se sinta bem.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.