Natasha, refugiada ucraniana em Portugal: “Não quero que a minha filha saiba o que é uma guerra”

Natallia Vladimirova, ou Natasha, morava em Kharkiv, sua cidade natal, antes do início da guerra. Ela trabalhou como contadora, auditora e professora universitária em Kharkiv antes de sua filha nascer. Recentemente, antes de deixar sua cidade, dedicou-se a uma de suas paixões, a fotografia, que além de renda, lhe trouxe grande satisfação.

Natasha saiu de casa no dia em que a guerra começou, 24 de fevereiro, junto com o marido e a filha de quatro anos Oleksandra Rodenko, que se chama Sasha.

Atualmente, Natasha refugia-se em Lisboa (Portugal) com a filha e a sogra. Seu marido teve que ficar na Ucrânia. As três mulheres chegaram a 14 de março num voo humanitário organizado pelo governo de Lisboa. Apesar de não conhecerem ninguém na cidade, encontraram uma família portuguesa que lhes abriu as portas da sua casa.

Natasha e sua filha estão em processo de obtenção do status de refugiado. Os serviços portugueses de imigração e fronteiras concederam o estatuto de proteção temporária a 22.706 pessoas, tanto ucranianos como cidadãos de países terceiros que vivem na Ucrânia.

Em entrevista ao UN News, Natasha conta sua história, como vive essa guerra, seus medos e a terrível realidade de que sua filha de quatro anos já sabe o que é guerra.

Programa Mundial de Alimentos

Distribuição de pão em uma estação de metrô em Kharkiv, cidade natal de Natasha.

Não queríamos sair da Ucrânia

Natasha conta como foram os dias anteriores a 24 de fevereiro, quando o conflito eclodiu.

No começo não saímos do nosso país porque achávamos que a guerra não era séria e que, depois de alguns dias, poderíamos voltar para casa, mas acho que deveríamos ter saído do país com meu marido”, diz ela, sentada na esplanada de um café lisboeta.

Natasha e seu marido não queriam acreditar que o conflito realmente iria estourar. No entanto, ela teve uma intuição de que isso ia acontecer. Por isso, ainda em sua casa, ela tomou alguns cuidados, como preparar a mala de viagem.

“Antes da guerra começar, eu pensei sobre isso e senti que estava prestes a acontecer. Eu disse ao meu marido: ‘Talvez pudéssemos comprar algumas passagens de avião e sair da Ucrânia’, mas ele disse: ‘Não, tudo bem. Estamos no século 21, como isso pode acontecer?’ Mesmo assim, peguei alguns documentos e preparei minha mala, só com os documentos; Eu não coloquei a roupa.

De repente, no dia 24 de fevereiro, meu marido me acordou e me disse: ‘Ah, começou!’ Nesse ponto, não sei o que levar, porque não sei quanto tempo a guerra vai durar. Talvez eu deva trazer algumas roupas, talvez roupas de primavera ou inverno? Não sei. Então eu só levei uma roupa, pra minha filha de tudo, pro inverno, primavera, verão… Meu marido usava roupa esporte e nada mais. Essas foram todas as roupas com as quais saímos.”

Ucrânia: de cidade em cidade

O casal começou então a se mudar de uma cidade para outra, ainda dentro da Ucrânia, mas já com dúvidas sobre se deveriam permanecer no país, e nem mesmo sabendo se ele poderia deixá-lo.

“Antes de ir para a fronteira com a Ucrânia, ficamos em muitas cidades do nosso país. Muitas pessoas nos ajudaram. Nossa primeira parada foi no Dnipro. O colega de trabalho do meu marido morava lá, que nos ofereceu um apartamento. Mas no primeiro dia ouvimos sirenes. Senti que não podíamos esperar e que deveríamos ir para outra cidade, porque era muito perigoso.

Depois fomos para Odessa. A partir desse momento, queríamos saber, perto da fronteira com a Roménia, se o meu marido podia sair do país e procuramos alguns homens para lhes perguntar se era possível. Imediatamente entendemos que não podemos correr riscos.”

O marido de Natasha ficou apavorado com a ideia de que ela pudesse deixar a Ucrânia e ir para a Moldávia sozinha com a menina, mas ela lhe assegurou: “Não é possível, eu te amo, não posso ir”. Então eles decidiram se mudar novamente para outra cidade, Kvuyry Rih. Esse foi o último para ela.

Nataliia Vladimirova e a sua família ficaram em vários abrigos na Ucrânia e na Roménia antes de partirem para Portugal.

Nataliia Vladimirova e a sua família ficaram em vários abrigos na Ucrânia e na Roménia antes de partirem para Portugal.

Eu não quero que minha filha saiba o que é uma guerra

“Essa foi a última parada, Kvuyry Rih, na Ucrânia. Meu marido está lá agora, em Kvuyry Rih. é agora quando Eu entendo que não quero que minha filha saiba o que é uma guerra.

Quando estávamos em uma dessas cidades, tínhamos que nos abrigar no subsolo e ouvíamos as sirenes e minha filha dizia: ‘Mãe, o que eu faço quando ouço isso? Uma mulher respondeu: ‘Você deve tapar os ouvidos e abrir a boca.’ Mais tarde, em cada cidade, quando minha filha ouvia as sirenes, ela me dizia: ‘Mãe, eu sei o que tenho que fazer’. E acho que essa informação não deve ser tratada por uma menina de 4 anos.”

Finalmente, eles decidiram que deveriam deixar a Ucrânia, e Natasha sugeriu ao marido que sua sogra, que estava em Kharkiv, se juntasse a eles em Kvuyry.

“Quero deixar a Ucrânia”, diz Natasha ao marido. E nada, primeiro foi a Roménia e depois Portugal”.

Antes da guerra, Natasha e Sasha tinham uma vida muito feliz na Ucrânia.

Antes da guerra, Natasha e Sasha tinham uma vida muito feliz na Ucrânia.

Antes da guerra

Natasha, como muitos refugiados, tinha uma vida profissional plena em seu país antes do início do conflito.

“Tive muitos, muitos empregos. Antes de ter minha filha, trabalhei como professora na Faculdade de Economia. Meu segundo emprego foi como contador. Quando minha filha nasceu, comecei a trabalhar como fotógrafa. É o meu hobby e ela me dá dinheiro e me faz feliz. Foi fantástico porque em apenas um ano todos me conheceram como fotógrafa de casamentos. Para este verão eu tinha grandes expectativas para a temporada…”

Da Roménia para aquecer Portugal

De Kvuyry, Natasha e sua filha Oeksandra chegam, já com a sogra, à fronteira com a Romênia, onde ficam quatro dias. Na fronteira, Natasha descobriu que podiam voar para Portugal, em voos humanitários organizados pelo governo português; assim viajaram de carro para Bucareste, onde ficaram em albergues arranjados pelo governo português, até partirem para o país.

“Chegamos à Romênia de carro e assim que cruzamos a fronteira eu disse à minha sogra que não sabia o que poderíamos fazer porque não tínhamos contato. Vimos muitos prédios, muitas pessoas; então, vimos a Cruz Vermelha e pedimos ajuda às pessoas que estavam lá. Eles chamaram alguém e nos mostraram um lugar onde poderíamos passar a noite. Naquela noite, descobri que poderíamos voar da Romênia para Portugal. Fomos para Bucareste de carro e lá ficámos em albergues que o governo português tinha arranjado para todos os refugiados ucranianos e voamos todos juntos nesse voo.

Quando escolhi Portugal, só pensava no oceano e no clima. Porque neve, inverno… não é o que eu gosto! Meu marido me disse que talvez devesse escolher a Polônia ou a Suécia. Mas eu só perguntei: existe inverno?

Nataliia Vladimirova, a sogra Nataliia Rodenko e a filha Sasha vivem agora com uma família de acolhimento em Lisboa.

Nataliia Vladimirova, a sogra Nataliia Rodenko e a filha Sasha vivem agora com uma família de acolhimento em Lisboa.

A ajuda de voluntários

A família chegou a Lisboa no dia 14 de março e conheceu imediatamente a família portuguesa que os recebeu no seu apartamento. Agora, vivem num apartamento num bairro muito central da capital portuguesa. Natasha lembra como eles chegaram e a ajuda que receberam de vários voluntários.

“Num grupo do Telegram tinha uma menina que me ajudava muito, chamava-se Vania, e ela me mandava todas as informações sobre Portugal, sobre voos, sobre tudo, sobre o ônibus… Ela me disse: ‘Onde você quer viver? Em qual cidade?’. Ela me propôs morar em uma cidade pequena, mas eu disse a ela que há muito mais oportunidades de encontrar trabalho aqui (em Lisboa). Um dia ela me disse: ‘está tudo bem; encontramos um apartamento para você’.

Quando estávamos na Romênia, muitos voluntários nos ajudaram. Eles nos prepararam café da manhã, jantar; Foi fantástico porque eles não querem nada de nós. Em Portugal, uma voluntária, a Catia, foi buscar-nos ao aeroporto e levou-nos ao apartamento. Maria (a anfitriã) é maravilhosa e gentil, ela sempre nos ajuda; por exemplo, para encontrar um emprego, para descobrir a “essência” de Portugal, informações sobre como podemos encontrar uma escola para a menina. As amigas de María nos ajudaram a procurar roupas, as roupas que minha sogra está usando são das amigas dela”.

A nova casa de Oleksandra

Embora Oleksandra, filha de Natasha, não se lembre de tudo, ela guarda na memória os tiros e o quão perigoso era o lugar de onde eles vieram.

“Minha filha sabe o que é guerra, ela sabe que houve tiroteios. Quando minha sogra liga para o marido, ela pergunta por que nosso avô não está aqui. Ela pergunta: Por quê? Por que há muitos soldados e eles poderiam atirar nele? Ele deveria estar aqui porque é perigoso lá.

Natasha com a filha e a sogra fizeram um voo humanitário de Bucareste para Lisboa, organizado pelo governo português.  .

Natasha com a filha e a sogra fizeram um voo humanitário de Bucareste para Lisboa, organizado pelo governo português. .

Então sim, ela sabe o que é a guerra, ela sabe que é terrível. Mas agora quando a gente vai passear, ela fala: Mãe, eu quero estar aqui, é um ótimo lugar, não quero voltar. Ela se lembra de algumas cenas. Ela fala daquele lugar onde eles estão atirando, ela sabe o que está acontecendo, mas ela não sabe onde, ela não sabe o nome; ela pode não se lembrar, mas sabe que é um lugar onde houve tiroteios.”

o futuro da família

Natasha acompanha as notícias sobre a guerra na TV e videochamadas duas vezes ao dia com o marido e o sogro, que ainda estão na Ucrânia. Ela expressa seu medo de uma possível Terceira Guerra Mundial e questiona o que a comunidade internacional pode fazer para interceder no conflito. No entanto, o que ela realmente pensa agora é encontrar seu parceiro novamente.

“Agora meu maior medo é que eu… Não poderei encontrar meu marido novamente.”

Joseph Salvage

"Fanático hardcore de mídia social. Propenso a ataques de apatia. Criador. Pensador. Guru dedicado da web. Aficionado por cultura pop. Solucionador de problemas."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *