Uma onda de calor histórica paralisa a Europa

Que boa parte da Península Ibérica sufoque com o termômetro acima de 40 graus pode parecer típico de qualquer verão. Mesmo as imagens dos incêndios florestais destes dias em Zamora ou Portugal não são tão anómalas, nem é a trágica perda de vidas humanas que pode acompanhá-los.

É, por outro lado, que este cenário se desloca para regiões europeias vulgarmente descritas como ‘frescas’, chuvosas ou mesmo locais de refúgio para quem foge do calor para as suas férias de verão. Seja a Galiza ou o País Basco, no caso espanhol, ou a Bretanha, no caso francês, assim como Londres, Alemanha Ocidental, Bélgica e Holanda.

A ‘canicule’ francesa colocou em alerta até 64 municípios, principalmente ao longo da costa atlântica, em cada um dos quais recordes históricos foram registrados, como os serviços meteorológicos franceses alertaram na terça-feira. Entre eles, na cidade de Nantes, com 40,3 graus. Em 73 dos 101 departamentos franceses, aplica-se o segundo nível de alerta; em 15 da costa atlântica já está no nível mais alto.

Em Londres foi superado nesta terça-feira, pela primeira vez desde que esses registros são mantidos, a marca de 40 graus. No aeroporto de Heathrow, a oeste da capital, foram registrados 40,2 graus por volta das 13h, horário local, informou a agência meteorológica britânica Met Office. O recorde anterior era de 38,7, registrado em 25 de julho de 2019 em Cambridge. “Os bombeiros estão sob imensa pressão”, alertou o prefeito da capital britânica, Sadiq Khan, por meio de sua conta no Twitter.

Este recorde de temperatura é “um verdadeiro lembrete de que o clima mudou e continuará mudando”, disse Stephen Belcher, chefe de ciência e tecnologia do Met Office. “Esses extremos ficarão cada vez mais extremos”ele alertou, assegurando que a única maneira de estabilizar o aquecimento é alcançar rapidamente a neutralidade de carbono.

Incêndios em Londres

Há vários incêndios na capital, casas ameaçadas e uma mobilização de centenas de membros do corpo de bombeiros, preparados para agir perante o que foi declarado um “grave incidente”. Cerca de trinta quilômetros a leste de Londres, Um incêndio espetacular varreu a cidade de Wennington na tarde de terça-feira.onde uma centena de bombeiros tentou controlar as chamas, que já haviam engolido grandes áreas de vegetação e vários edifícios e casas.

A situação é de emergência, em um país e uma capital desacostumados a essas condições climáticas. Enquanto nos países do sul da Europa o tráfego ferroviário foi pontualmente cortado apenas nos trechos expostos a incêndios florestais, no Reino Unido foi interrompido em parte do país. Os trens não circularam por toda a costa leste inglesa na terça-feira, enquanto as autoridades britânicas pediram à população que mudasse seus planos de viagem.

Não é uma medida que seja adotada “levianamente”, explicaram fontes da rede ferroviária à BBC. Os técnicos da empresa devem revisar a capacidade de resistência de sua infraestrutura ferroviária sob essas temperaturas. Muitos trilhos e trilhos foram deformados.

Não só os planos dos viajantes de trem foram afetados, mas também voos foram suspensos ou desviados com destino ou chegada ao aeroporto de Luton, em Londres, devido a danos em sua pista quando sua camada de asfalto derreteu. Algo que também aconteceu em muitas estradas.

Da Alemanha, a Deutsche Bahn -a empresa ferroviária- ofereceu aos viajantes a possibilidade de trocar sua passagem sem custo adicional diante das previsões que também apontavam para altas recordes no grande país da Europa Central. O pico de temperatura era esperado de terça-feira até pelo menos esta quinta-feira, começando no oeste e depois indo para o leste.

Entre as regiões mais afetadas pela chegada da ‘hitzewelle’ (onda de calor, em alemão) estava a Renânia do Norte-Vestfália. Ou seja, a populosa ‘terra’ do oeste que há exatamente um ano sofreu, junto com a vizinha Renânia-Palatinado, enchentes devastadoras que tirou cidades, pontes, estradas e 185 vidas humanas. Então, a catástrofe climática tomou forma na fúria dos rios transbordantes; agora, na previsão de ultrapassar o máximo nacional absoluto, os 41,2 graus registrados em julho de 2019, na cidade renana de Duisburg.

Para a situação de emergência nestas áreas teoricamente ‘frescas’ -embora sejam cada vez menos- do centro ou norte da Europa os incêndios desencadeados nos países mais propensos a incêndios florestais juntam-se do sul da Europa. Na Toscana italiana, os cidadãos de várias cidades foram evacuados, enquanto em cidades como Florença e Perugia foram vividos dias sufocantes.

Oliveiras destruídas em Creta

Milhares de oliveiras arderam na ilha de Creta, num contexto de 1.850 hectares de floresta em chamas. A Grécia, um país que ano após ano sofre com o assédio das chamas, foi uma espécie de oásis neste contexto, com temperaturas que poderiam ser descritas como amenas para o verão helênico -30 graus. Até o final da semana espera-se um aumento, embora não dramático, das temperaturas no território, enquanto para o norte da Europa o alívio não é esperado até o início da próxima semana.

“As ondas de calor estão se tornando mais comuns por causa das mudanças climáticas”, disse o secretário-geral da Organização Meteorológica da ONU, Petteri Taalas, de Genebra. Para este organismo, um efeito “doping” na atmosfera, ao ser injetado com mais gases de efeito estufa do que pode suportar. Mesmo que a mudança climática pare, ondas de calor extremas serão comuns até pelo menos 2060, alertou Taalas.

Coincidindo com a chegada do ‘hitzewelle’ na Alemanha, sua Ministra das Relações Exteriores, a verde Annalena Baerbock, advertiu contra qualquer decisão que implique engavetar a luta climática, devido ao imperativo de outras crises como, por exemplo, a crise energética, precipitada pela guerra na Ucrânia.

A luta contra as mudanças climáticas “não pode ser adiada”, afirmou, em discurso no chamado Diálogo de Petersberg, que recebe representantes de quarenta países e considero preparatório para a Conferência do Clima -COP27- a ser realizada no Egito.

Um relatório encomendado pelo ministro da Economia e Clima, o igualmente verde Robert Habeck, estimou que a crise climática causou danos de 80.000 milhões de euros na primeira potência europeiacausados ​​por inundações ou calor extremo.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.