Víctor Rodríguez tem um bom cartaz

Víctor Rodríguez quer tentar novamente, voltar a andar de moto em 2023 depois de uma temporada para esquecer. E ele tem o ponto de partida. Porque apesar de tudo o que aconteceu este ano, o piloto de Piedralaves –22 anos– está na agenda da Yamaha e da Kawasaki para voltar ao WorldSPP300 –Campeonato Mundial de Supersport 300– na próxima temporada. “Eles me levam em conta, confiam em mim. Significa que tenho o nível para isso», diz-se Víctor Rodríguez e os últimos movimentos em torno de um piloto pelo qual as duas principais marcas já se interessaram, como lhe conta um dos pilotos das suas equipas. Embora, como em muitos casos, tudo tenha um ‘mas’. “Eles confiam em mim, mas eu não tenho dinheiro. Isso me deixa irritado”, reconhece Víctor Rodríguez antes dos últimos movimentos feitos para voltar a competir ao mais alto nível em 2023. Apesar de tudo, o piloto de Piedralaves tem um ponto de partida a partir do qual para começar a mudar para o próximo ano. E não é ruim.

Porque a realidade de onde partiu o homem de Ávila não era das melhores. Suas grandes atuações no Campeonato Britânico de Velocidade, na European Talent Cup ou no Moto 3 Junior World Championship –FIM CEV Repsol 2019– abriram as portas para ele em 2020 do Campeonato Mundial de Supersport 300. Teve todo aquele 2020, como 2021. 2022 foi importante para o homem de Ávila. Ele voltou para a equipe italiana 2R Racing, onde tudo começou, embora desta vez para enfrentar o Campeonato Italiano de Velocidade –CIV– e as corridas do WorldSPP300 que ele poderia enfrentar devido ao orçamento. Tudo terminou no Circuito de Vallelunga, onde um violento acidente encerrou sua temporada. Traumatismo craniano e torácico grave, várias costelas quebradas e um pneumotórax. E depois disso, períodos de perda de memória. «Ainda tenho alguns lapsos, mas estou bem. O líquido e a inflamação desapareceram e acho que no próximo mês terei alta», comenta Víctor Rodríguez. E nesse processo de recuperação, o apelo da 2R Racing Team para encerrar a relação esportiva.

Perante uma situação como esta “no início não queria mexer-me” comentou o homem de Ávila sobre a possibilidade de procurar outras opções para competir. Mas tudo mudou há alguns dias, quando o delegado da Yamaha Europe Racing o chamou para cobrir um acidente no Campeonato Mundial SPP300. “Eu tive que recusar. Não é só que eu não ando de moto desde maio, é que eu nem treinei. Eu não fui correr, andar de bicicleta… eu não estava mentalmente preparado.” Ele recusou a oferta, mas tornou-se uma porta aberta.

Em Portimão, Portugal, desta vez os rostos foram vistos. E foi apresentar duas propostas esportivas. A Yamaha espera ter uma segunda motocicleta em suas equipes Arco UPV e AG Motorsport, atualmente com uma, para competir no WorldSPP300. Em paralelo, o chamado de Kawasaki “para conversar”.

As coisas são apresentadas ao homem de Ávila. Ele já tem o ponto de partida, mas o caminho não será fácil. Porque o próximo obstáculo será o orçamento. “O problema é que não há patrocinadores”, lamentou o piloto diante da realidade econômica da província de Ávila. Qualquer projeto desportivo de nível competitivo exige cerca de 60.000 euros. Ele vai tentar baixá-los para 40.000. “Quero tentar de novo” é claro para Víctor Rodríguez. O certo é que o motociclismo, em qualquer nível, continuará a fazer parte da sua vida. Se for mundial, melhor.

Miranda Pearson

"Organizador. Introvertido. Fanático certificado pela internet. Beeraholic. Fã de álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *