Víctor Benítez, ‘o peruano do fogo’: uma Liga dos Campeões em seu recorde e ídolo do AC Milan

O meio-campista é considerado um dos melhores em sua posição em toda a história do futebol.

o Liga dos Campeões ou a chamada Taça dos Campeões Europeus foi criada por Victor Benitez, um atleta peruano que soube brilhar entre as grandes estrelas do futebol mundial e que vestiu camisas de grandes times da Argentina, Itália e de seu país. ‘O peruano do fogo’ era seu apelido em todos os Milan por suas características de jogo: “um meio-campista de grande vitalidade, forte, eclético, incansável e trabalhador”.

O ‘Coelho’ -como era conhecido- nasceu em 30 de outubro de 1935 e alcançou a glória aos 28 anos, quando ele estava no auge como jogador de futebol. Em 22 de maio de 1963, acompanhado por Cesare Maldini, Gianni Rivera, José Altafini ‘Mazzola’, Dino Sani e Giovanni Trapattoni, entre outras estrelas, ergueu o troféu do maior torneio de clubes de futebol derrotando o Benfica da lenda portuguesa Eusébio.

É impossível para ele comparar sua história com a de Claudio Pizarro, o segundo peruano a levantar a ‘Orejona’, ou a de ‘Chino’ Pereda, que levantou o Mundial de Clubes com o Boca Juniors.

“Por favor! Diga-me, você jogou? Um foi suplente e o outro só viajou. Eu joguei os 90 minutos e numa definição frente ao Benfica em Wembley vencemos por 2-1. Tive a sorte de anular o Eusébio”, O ex-viajante comentou em entrevista ao El Comercio. A diferença é clara.

Em 2016, mais de 80 mil espectadores cantaram seu nome no lendário estádio San Siro. Ele foi recebido pelo presidente do clube Adriano Galliani e estrelas do clube como Franco Baresi. Uma encenação inteira para homenagear o ídolo do time rossonero.

O ex-jogador de futebol também vestiu as camisas do Alianza Lima e do Boca Juniors. VÍDEO: MasterCard.

Victor Benitez chutou a bola e aprendeu a jogar futebol nas quadras de Caquetá. Lá ele foi visto e recrutado por Rafael ‘El Cholo’ Castillo, que o levou para as equipes juvenis do Alianza Lima na década de 1950. Antes disso, ele jogou em um clube do bairro, o Racing, assim chamado porque usava as mesmas cores da camisa do time. Pintura Avellaneda.

O ‘Coelho’ foi “um menino de cabelos escuros, olhos claros, fala mansa, nervos de aço e grande velocidade”como descrito pelo jornalista esportivo ‘Pocho’ Rospigliosi em suas crônicas. Não demorou muito para ele estrear com o time ‘azul e branco’ e em 1954 já jogava na primeira divisão do futebol peruano. Esses primeiros anos somando minutos serviram para ele ser convocado para a seleção peruana e participar da Sul-Americana e da Copa América (1954 e 1957). Aqui ele já era visto internacionalmente.

Conforme relatado em vários meios de comunicação argentinos, o presidente do Boca Juniors foi quem pediu para o clube e o encarregado de pagar 1 milhão e 250 mil pesos argentinos por seu passe. “O Boca carece de jogadores da qualidade do peruano”disse ele na coletiva de imprensa para a apresentação do panfleto peruano em 3 de março de 1960.

No ano seguinte, o ‘Coelho’ marcou no superclássico (6 de agosto de 1961) contra o River Plate no estádio Monumental e em 1962 sagrou-se campeão nacional. Aos 24 anos, era um dos mais bem pagos do clube ‘Xeneize’.

Três dias depois de sua apresentação, ele entrou em campo e, diante de quase 60 mil espectadores no estádio Tomás Adolfo Ducó, surpreendeu a todos na vitória por 2 a 0 sobre o Independiente. “Que rápido!”, “O garoto é corajoso”, foram alguns dos comentários de fãs e jornalistas esportivos.

Foram três anos de esplêndidas atuações no clube de Diego Armando Maradona, Juan Román Riquelme, Martín Palermo, Hugo Gatti, Carlos Tevez, entre outras lendas, que o aproximaram do futebol europeu.

Com o Boca Juniors, ele jogou um total de 70 jogos e marcou seis gols. Ele alternava entre zagueiro e meio-campista.

O peruano jogou dois anos no Boca Juniors e deixou sua marca.  Foi campeão em 1962.
O peruano jogou dois anos no Boca Juniors e deixou sua marca. Foi campeão em 1962.

No final de 1962, os diretores do AC Milan viajaram para a Argentina para ver Victor Benitez e eles ficaram mais do que satisfeitos. Eles não hesitaram em contratá-lo e em 1963 ele já usava as cores vermelho e preto. Ele também foi o primeiro jogador de futebol peruano a usar uma das camisas lendárias do futebol italiano.

Ele fez um par com Giovanni Trapattoni. Ambos foram os médios de primeira linha que deram um equilíbrio único à equipa ‘rossonero’. Em seu primeiro ano, o objetivo de todos era aumentar a Liga dos Campeões e tirar a hegemonia do Benfica, que esteve perto de erguer o ‘Orejona’ pelo terceiro ano consecutivo.

O formato do torneio máximo de clubes na temporada 1962-63 foi jogado da seguinte forma: foram três etapas com partidas de ida e volta e eliminatórias diretas. Começou nas oitavas de final e só na final foi disputada uma única partida em estádio neutro.

É importante destacar que Victor Benitez não participou das oitavas de final nem das quartas de final. O AC Milan venceu primeiro o Ipswich Town da Inglaterra: perdeu por 2 a 1 no jogo de ida, mas venceu por 3 a 0 no jogo de volta com gols de Sani e dois de Barison. Na fase seguinte já era uma equipa mais montada e o Galatasaray da Turquia seria vítima de um esmagador 8-1 no total. Altafini foi a figura com quatro gols nos 180 minutos disputados. Dupla de Pivatelli e mais dois gols de Mora e Barison.

Assim chegaram às semifinais do torneio, onde o ‘Coelho’ apareceu no onze inicial. O Dundee da Escócia foi o adversário a ser batido e o AC Mlian não teve problemas com uma vitória devastadora por 5-1 na primeira mão em San Siro. Na segunda mão perdeu por 1-0, mas não ajudou muito e a equipa italiana conseguiu chegar à final com um Berison que voltou a bisar e foi o melhor marcador do torneio. O médio nacional jogou com o número dois nas costas.

O palco da final foi o mítico estádio de wembley londres, que seria palco de um momento marcante para o futebol peruano. O onze inicial foi com Ghazzi no gol. David, Maldini (capitão) e Trebbi na defesa. Benítez e Trapattoni na primeira linha de meio-campistas: Mora, Sani e Altafini mais avançados; enquanto os atacantes foram Rivera e Pivatelli. À frente estavam figuras da estatura de Eusébio, que vestia o número 10, o guarda-redes Costa Pereira e o capitão Coluna. Um time.

A equipa ‘portuguesa’ começou por vencer o jogo com um golo da lenda portuguesa aos 19 minutos. No entanto, o italiano José Altafini, em menos de dez minutos, foi o responsável por dar a volta por cima e colocar o final 2-1. O primeiro gol aos 58 minutos, enquanto o segundo aos 69 minutos. Benítez jogou com o número quatro nas costas e participou de toda a partida.

A Liga dos Campeões, que terá final entre Real Madrid e Liverpool neste sábado, 28 de maio, foi dele.

O peruano Víctor Benítez jogou com o número 4 nas costas e esteve presente durante toda a partida. VÍDEO: British Path.

– Aliança Lima Peru 1953-1959

– Boca Juniors Argentina 1960-1962

-AC Milan Itália1962-1964

– Messina Itália 1964

-AC Milan Itália1964-1965

– AS Roma Itália 1965-1966

– Veneza Itália 1966-1967

– Inter de Milão Itália 1967-1968

– AS Roma Itália 1968-1970

– Sporting Cristal Peru 1971-1972

CONTINUE LENDO

Brayan Bartolo, o primeiro peruano da história a enfrentar “os reis do futebol cego” no Brasil
Seleção peruana: Christian Cueva e André Carrillo têm uma conversa engraçada sobre o acordo com a Adidas
Seleção peruana: Nolberto Solano falou sobre a recuperação de André Carrillo e sua possível data de retorno

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.