Unicef ​​alerta para ameaça global às crianças por lixo tóxico e poluição

A maioria dos países ricos não está apenas falhando em fornecer ambientes saudáveis ​​para crianças dentro de suas fronteiras, mas também está contribuindo para a destruição de ambientes infantis em outras partes do mundo. Foto: Arquivo do CD.

A maioria dos países ricos vem gerando condições insalubres, perigosas e prejudiciais que ameaçam as crianças em escala global, alertou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). em um relatório que analisa a exposição ao ar e água poluídos, resíduos e substâncias tóxicas em dezenas de nações.

O relatório do Centro de Pesquisas Unicef ​​Innocenti, publicado nesta terça-feira, mostra os resultados de um estudo que analisou 39 países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e da União Européia (UE) de acordo com indicadores de exposição a poluentes nocivos como ar tóxico, pesticidas, umidade e chumbo, descarga de lixo eletrônico e acesso à eletricidade, espaços verdes e estradas seguras.

“Se cada indivíduo do planeta vivesse como habitante dos países estudados, seriam necessários 3,3 planetas para cobrir todas as necessidades da humanidade. E se cada um consumisse os recursos na proporção de um canadense, um luxemburguês ou um americano, esse número seria cinco”os autores alertam.

Espanha, Irlanda e Portugal são os melhores colocados nesta classificação, e os piores são Roménia, Costa Rica e Estados Unidos.

Mas, de acordo com as conclusões do relatório, nenhum dos países estudados oferece ambientes saudáveis ​​para todas as crianças em todos os indicadores.

Em nações como Austrália, Bélgica, Canadá e Estados Unidos, o impacto no meio ambiente global é severo e generalizado, quando se considera as emissões de CO2, o lixo eletrônico e o consumo geral de recursos per capita.

Por outro lado, os países menos ricos da América Latina e da Europa têm um impacto muito menor no ambiente global em geral.

“A maioria dos países ricos eles não estão apenas deixando de fornecer ambientes saudáveis ​​para crianças dentro de suas fronteiras, mas também estão contribuindo para a destruição de ambientes infantis em outras partes do mundo”, denunciou Gunilla Olsson, diretora do Centro Innocenti, em um comunicado.

Ao mesmo tempo, destaca que “em alguns casos, estamos vendo que os países proporcionam ambientes relativamente saudáveis ​​para as crianças dentro de suas fronteiras, enquanto são os principais responsáveis ​​pela poluição que está destruindo os ambientes das crianças no exterior”.

O relatório da organização afirma que mais de 20 milhões de menores têm altos níveis de chumbo no sangue.

“Governos e empresas devem tomar medidas efetivas agora para cumprir os compromissos que assumiram para reduzir as emissões de gases de efeito estufa até 2050.

“A adaptação às mudanças climáticas também deve ser uma das principais medidas a serem tomadas tanto pelos governos quanto pela comunidade mundial, e deve ser aplicada em diversos setores, da educação à infraestrutura”, afirma o relatório.

Embora Finlândia, Islândia e Noruega estejam no topo da lista por proporcionar um ambiente saudável para seus próprios jovens, eles também estão no final da lista em termos de impacto no planeta em termos de emissões, volume de lixo eletrônico e nível de consumo.

Na Islândia, Letónia, Portugal e Reino Unido, uma em cada cinco crianças está exposta à humidade e bolor nas suas casas, enquanto no Chipre, Hungria e Turquia esta situação afeta uma em cada quatro.

Muitos menores respiram ar tóxico tanto no exterior como no interior. Em particular no México, que registra o maior número de anos de vida saudável perdidos devido à poluição do ar, com 3,7 anos por 1.000 crianças, enquanto a Finlândia e o Japão registram os dados mais baixos, com 0,2 anos.

Na Bélgica, Israel, Holanda, Polônia, República Tcheca e Suíça, mais de uma em cada 12 crianças estão expostas a altas taxas de poluição relacionada a pesticidas.

O relatório alerta que em pior situação estão as crianças das famílias mais pobres expostas aos maiores danos e riscos ambientais.

“Temos o dever para nós mesmos e para as gerações futuras de criar melhores ambientes de vida para o bem-estar das crianças”, disse Olsson.

“O aumento de resíduos, poluentes nocivos e o esgotamento dos recursos naturais estão afetando a saúde física e mental de nossas crianças e ameaçando a sustentabilidade do nosso planeta. Devemos aplicar políticas e práticas que protejam o ambiente natural do qual as crianças e os jovens mais dependem”, concluiu.

(Com informações da AFP e Unicef)

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.