Um lugar para fugir | Notícias O Dia de Valladolid

Cada vez mais autarquias optam por instalar junto ao centro da cidade um espaço onde as autocaravanas possam acampar, por entenderem que é “mais uma forma” de atrair visitantes, incentivar o consumo e assim melhorar a economia local. Há alguns anos, os municípios têm feito pequenos investimentos para viabilizar esse tipo de espaço, que está tendo uma boa resposta.

A maioria das dezenas de vagas existentes deste tipo são gratuitas para estacionamento e só são cobradas caso os turistas pretendam ligar a eletricidade ou mudar os seus reservatórios de água. A maioria tem preços simbólicos e busca atrair turistas para os negócios locais.

“Temos sete praças e muitas vezes são 30 caravanas e elas entram em todos os lados que podem”, declara o prefeito de Alaejos, Carlos Mangas. Esclarece que a maioria dos clientes que chegam à zona das autocaravanas “são franceses e ingleses” que se deslocam para Portugal ou para a Rota da Prata. “Então eles ficam aqui por dois ou três dias, com o que isso implica porque eles passam nas lojas da cidade e tomam uma bebida nos bares.”

Os municípios têm investido nesses espaços com o objetivo de obter um aumento de renda. A própria Simancas realizou este ano uma concentração de autocaravanas, após a criação da área para este tipo de viatura na zona da ponte medieval, tendo chegado à vila uma centena de viaturas.

No caso de Tudela de Duero, dispõe ainda de parque de estacionamento próprio para duas viaturas. “Entendemos que deveríamos ter um porque somos uma cidade que passa pela Ribera del Duero”, disse o prefeito, que afirmou que todos os finais de semana está totalmente ocupado. «Sempre chegam veículos que vêm principalmente do norte. Chegam à procura de vinhos da Ribera e costumam ficar dois ou três dias na cidade». A Câmara Municipal dispõe de todo o conforto neste espaço e os utentes não têm de pagar nada pela sua utilização.

A maioria dos municípios que possuem esses estacionamentos já os inaugurou há quatro ou cinco anos. Foi antes da pandemia e eles buscavam atrair esse tipo de cliente. Agora, com o aparecimento do vírus, o tráfego de veículos aumentou.

Em Urueña não há estacionamento ‘oficial’, mas “é raro no fim de semana que dois ou três não estacionem junto ao muro”, diz o prefeito Francisco Rodríguez San José. “Vem turistas estrangeiros e também do norte do país. Eles estão durante o fim de semana e vêm ver a Villa del Libro». Devido a esta circunstância, a Câmara Municipal está a ponderar a construção de um parque de estacionamento “oficial” para mais viaturas.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.