Um fundo francês compra o Parque Mediterráneo em Cartagena por 83 milhões e vai melhorar suas instalações

Esplanada central do Centro Comercial Parque Mediterráneo, à volta da qual se situam todos os estabelecimentos, numa imagem desta quinta-feira. / José Maria Rodríguez / AGM

O grupo Frey tem vários centros na Catalunha, onde promoveu o conceito de ‘passeio comercial’, com vegetação e árvores no exterior

Eduardo Ribelles

O Parque Mediterráneo, o principal centro comercial e de lazer de Cartagena, muda de mãos. O grupo francês Frey anunciou esta quinta-feira que concordou em pagar 83 milhões de euros à empresa que a promoveu no início do século e a opera desde maio de 2006, propriedade dos empresários cartagenas Gerardo de la Torre e José Luis Sánchez- Luengo. . O grupo comprador especializou-se em equipar os seus centros comerciais com passeios ajardinados e arborizados ao ar livre, para proporcionar aos seus clientes um ambiente agradável para as suas compras. O exemplo apontado por Frey ao falar sobre seus planos em Cartagena é o Shopping Promenade em Lérida, criado em 2019.

O Parque Mediterráneo está na terceira fase do parque industrial Cabezo Beaza. Possui 66.000 metros quadrados de espaço comercial e grandes instalações ocupadas por empresas internacionais líderes, como MediaMarkt, Decathlon e Leroy Merlín, entre outros negócios. Abriga também o centro comercial Espacio Mediterráneo, que abriga um hipermercado Carrefour e mais de 120 estabelecimentos. Destacam-se empresas como Zara, Primark e Ikea, que tem um pequeno armário ali. Há um complexo de salas de cinema, além de vários bares, cafés e restaurantes.

O Parque Mediterráneo foi inaugurado em 2006 com um investimento associado de mais de 400 milhões de euros, segundo estimativas da época. Agora, a empresa que adquiriu todo o complexo pagou pouco mais de um quinto. Espacio Mediterráneo fez isso um ano depois. Durante estes 16 anos de atividade tornaram-se um local de referência para 400.000 consumidores no Campo de Cartagena e no Mar Menor.

“Estamos muito satisfeitos por ter um novo ativo espanhol em nosso portfólio; um Retail Park com bases sólidas”, disse o presidente da empresa compradora, Antoine Frey. “Além disso, tem um potencial muito forte de conversão para os padrões de nosso ‘passeio comercial'”, explicou, referindo-se à implementação em Cartagena desse conceito de ‘passeio comercial’. Atualmente, as únicas árvores do lado de fora são formadas por duas fileiras de palmeiras em um caminho no imenso estacionamento central.

“Esta aquisição consolida a nossa presença na Península Ibérica com 4 ativos próprios e um projeto em desenvolvimento”, disse o líder da empresa compradora. “Também marca a aceleração de nossa estratégia de expansão para apoiar nossa ambição de nos tornarmos o líder europeu em comércio sustentável”, concluiu.

O complexo localizado em Cabezo Beaza gera receita líquida anual de seis milhões e possui 96% da área ocupada

O grupo francês iniciou a sua atividade em França, mas nos últimos anos deslocou-se rapidamente pelo território espanhol e deu também o salto para Portugal. Há apenas duas semanas anunciou a compra do Centro Comercial Finestrelles em Esplugues de Llobregat (Barcelona). Em 2019 abriu na Catalunha o seu primeiro centro comercial, o já referido Shopping Promenade. Da mesma forma, em 2021, foi premiada com a gestão do seu segundo parque de varejo na Catalunha, Parc Vallés, em Terrasa.

O grupo de investimento chega com a intenção de impulsionar os resultados do complexo de Cartagena, com base em números que já representam seis milhões de euros de receita líquida anual e uma taxa de ocupação comercial de 96%.

Aberto todos os dias

Entre os pontos fortes que o Parque Mediterráneo oferece aos novos proprietários está a autorização para abrir todos os domingos e feriados. Goza dessa vantagem comparativa em relação a outros complexos como o Mandarache, e o Rambla Shopping Center, que fechou em 2019. Isso porque em 2014 foi incluído na área de afluência turística especial. Também o El Corte Inglés, localizado entre Alameda e Jorge Juan, tem essa consideração. Entre os inconvenientes está que suas entradas e sua esplanada central, onde há um enorme estacionamento ao ar livre, são há anos o principal ponto negro em acidentes de trânsito na cidade.

Da mesma forma, os representantes do bairro há muito reivindicam uma melhor comunicação por ônibus, com uma segunda linha que reforça o número 4 e abrigos.

A compra anunciada ontem foi bem recebida pela Comunidade e pela Câmara Municipal. “É especialmente bom neste momento difícil adicionar um novo investimento”, disse a prefeita, Noelia Arroyo. “Qualquer iniciativa que chegue à região e gere emprego e riqueza é bem-vinda”, explicou o diretor da Empresa Valle Miguélez. Os vendedores se recusaram a comentar.

De la Torre e Sánchez-Luengo mantêm o centro comercial Mandarache e inúmeros terrenos

A criação do Parque Mediterráneo, na terceira fase do Parque Industrial Cabezo Beaza, não foi apenas um marco para aquela área de negócios. Também catapultou os dois parceiros que promoveram o projeto, Gerardo de la Torre e José Luis Sánchez-Luengo. Nos anos seguintes, firmaram-se como empresários de sucesso, com a compra do shopping Mandarache e o projeto de um Ensanche Norte no terreno que possuíam nas proximidades. Depois de mais de uma década, aquele complexo de compras e entretenimento está funcionando a meia aceleração e o empreendimento imobiliário está bloqueado e congelado e o outro está funcionando a meia aceleração. Agora, sua saída do Parque Mediterráneo significa a retirada de seu principal investimento em Cartagena. A contrapartida é que a receita desta última operação representa uma injeção significativa de liquidez para ambos.

O shopping Mandarache foi inaugurado em 2006 com um portfólio de estabelecimentos bastante completo. Em seis anos, ele perdeu tudo, exceto os cinemas, alguns restaurantes de fast food e um complexo de cinemas. Foi quando De la Torre e Sánchez Luengo o compraram com a intenção de promover uma revitalização que não foi consumada.

A expansão urbana em direção a La Asomada foi prejudicada por vários problemas de interseção. Uma delas foi que os bancos apreenderam parte do terreno desde a primeira fase, quando começaram as obras de traçado das ruas e desde então não houve acordo com os demais proprietários, entre eles os dois empresários, para designar um incorporador .

Tanto Sánchez-Luengo quanto De la Torre, que agora reside em Madri, também possuem terrenos na área urbana de Cartagena. Mas também neste caso não puderam ou quiseram promover projetos imobiliários diretamente ou em associação com outros.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.