TAP denuncia ciberataque mas garante que não há risco para voos

A companhia aérea portuguesa TAP informou hoje que foi vítima de um ciberataque mas garantiu que “está garantida a integridade operacional” e que não suspeita que tenha havido “acesso indevido aos dados dos clientes”.

O ataque cibernético ocorreu na noite de quinta-feira, quando os “mecanismos de segurança da TAP foram rapidamente ativados e o acesso indevido foi bloqueado”, explicou a entidade em comunicado.

A TAP especificou que “não há risco para a segurança do voo” e que “não foram apurados factos que possam levar à conclusão de que houve acesso indevido aos dados dos clientes”.

Informou que durante a “noite e madrugada” as equipas da TAP desenvolveram uma investigação, que o plano de contingência continua ativo e que a empresa “está a trabalhar em conjunto com as autoridades com competência na matéria”.

Este ano Portugal registou ciberataques contra diversas instituições, como a Vodafone Portugal, o grupo Impresa, o Ministério dos Negócios Estrangeiros, a agência noticiosa Lusa, a empresa MC da multinacional portuguesa Sonae, os laboratórios Germano de Sousa e o grupo Trust in News .

protestos
Há uma semana, centenas de trabalhadores da companhia aérea portuguesa TAP marcharam hoje até à sede do Ministério das Infraestruturas português, em Lisboa, onde entregaram um manifesto para mostrar o seu desacordo com a atual gestão da empresa, sob controlo estatal, enquanto o Governo pede “responsabilidade”.

O texto apresentado, assinado por três dos principais sindicatos do pessoal da aviação em Portugal, mostra a sua “preocupação” com certas “gastos” produzidos pela contratação de serviços externos a entidades estrangeiras, o desuso de aeronaves e a mudança de sede, entre outros.

Eles alegam que os trabalhadores foram “coagidos” a aceitar demissões e denunciaram que os funcionários receberam ameaças de concordar com condições de trabalho “abusivas” e “desajustadas”.

Em declarações aos jornalistas, o dirigente do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil, Tiago Faria Lopes, explicou terça-feira que o texto entregue inclui queixas sobre o que consideram ser um “erro de gestão” e um pedido ao ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos : que ele “assumisse que estava errado”.

Miranda Pearson

"Organizador. Introvertido. Fanático certificado pela internet. Beeraholic. Fã de álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.