“Sou um neandertal anatomicamente moderno”

Silberius de Ura não é como um apito, embora haja quem pense que falta um parafuso a este artista com aspecto de eremita. São os loucos, que não o conhecem nem sabem quem é o cara que está no mundo assim: esse personagem único e audacioso que um dia se reinventou desafiando o destino e pulando sem rede tem os pés no chão dando uma maldito seja o vazio. Quando decidiu deixar um confortável escritório na cidade de Burgos para criar o projeto Neønymus, o fez convencido, embora consciente de que poderia acertar. Mas colocou tanta paixão e tanta verdade no sonho de ser artista que hoje, dez anos depois, vive o ser: 700 concertos por toda a Espanha e alguns países estrangeiros garantem que ele não era louco e que sabia o que queria estava fazendo. E que o caminho não foi fácil.

Silberius de Ura irradia calor. Em seu refúgio em Covarrubias, que domina o Arlanza e a paisagem selvagem de sua infância, há inúmeros instrumentos, utensílios inusitados, todo tipo de bugigangas e até um caldeirão de cobre que lhe traz, ainda mais, um certo aspecto de druida, xamã, feiticeiro da tribo. Quando Silberius sorri, e ele sorri constantemente, a sala se ilumina. Para explicar este artista indefinível, é preciso viajar à sua infância, a uma infância quase neolítica, indomável, extremamente livre. «Quando eu era criança, em Ura não havia eletricidade nem água encanada. Lavamos no rio. Foi uma infância do século 20, mas mais próxima da Idade Média. Desconfio que é daí que vem a mistura do atávico e da natureza com a tecnologia… De forma subconsciente».

Quando ele começou a fazer essa música, ele explica, não foi conscientemente. «Fiquei claro que precisava me reinventar. E a música sempre foi a coisa mais importante da minha vida, porque sempre me senti um músico. Eu tinha o grupo folclórico ‘Elspirito del lugubre’, que era muito amador, com seis shows por ano, mas música mesmo era o que eu gostava e resolvi inventar um projeto que se tornaria minha vida, minha vida profissional. A princípio não me imaginava fazendo esse tipo de música, imaginava-me como Wim Mertens, com um piano e cantando coisas que não se entendiam». Mas Silberius teve sua epifania particular: em um dos shows do Notes from Norway, ele ouviu um artista nórdico fazendo jazz com uma estação de loop, cantando e criando camadas. “Eu não conhecia essa tecnologia e a verdade é que fiquei maravilhado.” O projeto Neønymus mescla música, paixão pela Pré-história, tecnologia, um teurismo primitivo… E, embora arriscado, acertou na tecla. Não em vão, nestes dez anos, fez 700 concertos. Uma verdadeira indignação. Muito mais que um sonho realizado.

“Eu estou indo muito bem. O equilíbrio é espetacular. Quem ia me contar! Quando comecei a compor as primeiras músicas e mostrá-las aos meus amigos, eles me disseram que sim, muito legal, mas quem ia aguentar por uma hora. Eu tinha a fantasia de fazer shows em sítios arqueológicos e tal, mas os primeiros anos foram muito difíceis. Ele fez música que ninguém mais fez; não havia rótulo que o definisse; Não era fácil vendê-la para um programador cultural… Não há circuito para esse tipo de música… Até os arqueólogos desconfiavam que eu começaria a falar de Pré-história nos shows. Não mais: entende-se que sou um artista que se inspira naquele tempo, naqueles mundos».

Ele teve um verdadeiro terror com os primeiros shows. “Eu estava me perguntando se eu gostaria ou se seria insuportável.” Sua intuição estava certa: pouco a pouco ele começou a ver no público que seu projeto conseguia comover, que o ouvinte era transportado para um tempo remoto, que ele era abalado e comovido. «Meu objetivo sempre foi que o público não debatesse depois se canto bem ou mal, se as músicas são legais ou não. Mas de emoções, de algo que te toca, algo quase espiritual. De alguma forma, inventei uma nova linguagem musical, um tipo de música nunca ouvido antes, que me permite levar o público a um território desconhecido e emocional. Tenho centenas de mensagens em que me falam do que sentiram ao me ouvir, do que os comove, que choraram de emoção, que os fascina».

Houve uma virada no projeto Neønymus: o dia em que Íker Jiménez, guru do mistério jornalístico, o convidou para o programa Milenio 3, no SER. Lá, ao vivo, ele contou seu projeto. “Entrei com 30 seguidores no Twitter e saí com 600. E no dia seguinte meu primeiro álbum foi número um na Amazon e iTunes. Era um alto-falante gigantesco. Em uma noite dei um salto que, em condições normais, levaria três anos. Uma grande massa de pessoas me conheceu. Mas não os programadores. Lembro-me que bati em muitas portas e a resposta era sempre a mesma: que aquilo era muito estranho e que eu não ia gostar. Custo. E foi difícil porque sou impaciente. Os primeiros anos foram difíceis. E agora não bato mais nas portas. Eles vêm me procurar. Não tenho distribuidor nem representante e não paro de fechar datas. É um mistério completo. Eu tenho 700 skittles em dez anos!

E não só na Espanha: também na França, em Portugal, na Rússia, na Itália… Silberius de Ura sente uma felicidade enorme. “Às vezes penso naquele menino de dez anos que eu era, a quem seu pai deu um pequeno piano… Até onde ele me levou. Ele me deixa fascinado, maravilhado. Parece incrível para mim. É um sonho. verdade e agora eu só tenho que tentar continuar sendo digno e corresponder às expectativas que são colocadas em mim.” Não para de criar, de compor, de aumentar o seu repertório.Da evocação da pré-história ou dos visigodos evolui para os desejos do ser humano.“A criatividade não me abandona”, acrescenta.

Ele não tem nenhum espinho cravado, exceto que talvez ele não se sinta um profeta em sua terra. Nada que não tenha acontecido antes com outros artistas de tantos lugares. Ele não se importa muito com ele, embora experimente isso com alguma tristeza. «Há pessoas que me seguem e me respeitam, mas em relação a outros artistas… acho que não me consideram um deles. Ele acha que eu sou estranha. E a nível institucional ele não conta nada comigo, mas não conta nada. Não sei se me consideram o esquisito que mora na cidade… não sei». Sim, ele ainda tem um sonho a realizar: se apresentar em lugares distantes no exterior, como o Japão. «Mas do ponto de vista que me sinto um impostor de tudo, um impostor como músico, para me sentir um artista total, acho que preciso de concertos no estrangeiro, uma digressão pela Europa, ir ao Japão, onde estão tão interessados Na música. A pré-história europeia… Acho que, no fundo, acreditar que isso me tornaria mais artista não passa de um complexo de aldeia».

Silberus de Ura sente-se imensamente satisfeito com estes dez anos. Já pensa no dia 6 de agosto, no concerto que fará nas pedreiras de Hontoria-Cubillo del Campo. «É um concerto muito especial para mim porque tenho laços familiares com Hontoria e porque o meu avô Silverio, que era da Cantábria, prestou o serviço militar lá, no barril de pólvora que tinha, e foi assim que conheceu a minha avó». Este irrepetível artista ensaia diariamente, porque a voz tem de ser exercitada, e muitas vezes obriga-se, mas sabe que é essencial fazê-lo para estar em forma e dar tudo nos concertos, por mais difícil que seja e não cuidar muito de si mesmo. “Sou um neandertal anatomicamente moderno”, ele exclama com um sorriso largo e aberto. “Espero continuar a ter a coragem que tive até agora.” Ótimo, Silbério.

Eloise Schuman

"Fã de café. Especialista em viagens freelance. Pensador orgulhoso. Criador profissional. Organizador certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.