Seca piora em Espanha e Portugal

A seca que afecta Espanha e Portugal é acentuada com o passar dos dias. À medida que fevereiro passa e março chega, não parece haver uma situação climática instável à vista que vá desacelerá-lo.

Os serviços meteorológicos de ambos os países divulgaram seus dados de precipitação para o mês de janeiro, mostrando que Foi o segundo janeiro mais seco já registrado desde 2000..

Segundo o climatologista Ricardo Deus da Agência Meteorológica Portuguesa IPMA, a actual seca é extraordinário em sua intensidade, escala e duração.

Imagens chocantes tiradas por satélites

O Copernicus Earth Observation Service mostra como das 55 albufeiras em Portugal, apenas 24 têm metade da sua capacidade de água e cinco estão abaixo dos 20 por cento.

O Algarve, a província mais a sul de Portugal e um dos principais destinos turísticos da Europa, é um dos mais afetados pela seca.

Por outro lado os dois Imagens de satélite Landsat8 As imagens da NASA abaixo mostram o quão dramática é a situação. Os baixos níveis de água expõem uma grande área da orla da albufeira do Alto Lindoso, no norte de Portugal.

Imagem captada pelo satélite Landsat8 a 6 de março de 2021 sobre a albufeira do Alto Lindoso, no norte de Portugal.
Fonte: Landsat8 NASA
Imagem captada pelo satélite Landsat8 a 5 de fevereiro de 2022 sobre a albufeira do Alto Lindoso, no norte de Portugal.
Fonte: Landsat8 NASA

Impacto significativo na agricultura e na geração de energia hidrelétrica

Enquanto, em Espanhaa Agência Meteorológica do Estado, a AEMET confirmou que eles receberam apenas um quarto da precipitação que normalmente recebem em janeiro.

o período secoeste começou no final de 2021está arruinando as colheitas, deixando os agricultores sem ração para o gado e limitando a produção de energia hidrelétrica.

O ministro da Agricultura, Luís Planas, afirmou que o Governo está “preocupado” com a seca e que vai adoptar as “medidas necessárias” consoante a evolução da situação.

As reservas de água da Espanha estão em 44 por cento de sua capacidade, bem abaixo da média dos últimos 10 anos, que é de cerca de 62 por cento. A região sul da Andaluzia e a Catalunha no nordeste da península são as mais afetadas.

As reservas de água na Espanha estão em 44%, bem abaixo da média dos últimos 10 anos de 62%.

Na Espanha, o janeiro mais seco em 20 anos esgotou os reservatórios abaixo de 45% da capacidade, com a Andaluzia no sul e a Catalunha no nordeste experimentando as piores condições de secasegundo a Agência Meteorológica do Estado da Espanha.

o seca em portugal começou em novembro de 2021 e piorou em dezembro. No final de janeiro, quase todo o país passava por condições de seca moderada a severa, segundo o Instituto Português de Meteorologia.

No meio do que normalmente seria o inverno chuvoso, 54% do país estava passando por seca moderada, 34% estava em seca severa e 11% estava em seca extrema.

A falta de chuva obrigou a Autoridades portuguesas a limitar o uso de cinco barragens hidroelétricas para produção de energia e irrigação, depois que alguns reservatórios atingiram níveis baixos significativos.

A mudança climática está por trás da seca intensa?

Embora existam muitas áreas áridas da Península Ibérica que historicamente têm passado por períodos de seca, especialistas dizem que a mudança climática amplificou o problema. A persistência e robustez das altas pressões sobre o sudoeste da Europa desde o início de 2022 está sendo excepcional.

Nos últimos três meses de 2021, a Espanha registrou apenas 35% da precipitação média registrada no mesmo período de 1981 a 2010. Mas quase não choveu desde então.

Antes de iniciar esta seca, durante os últimos 3 meses de 2021, a Espanha registrou apenas 35% da precipitação média

De acordo com a agência meteorológica nacional AEMET, Só em 2005, houve um janeiro quase sem chuva desde o início deste século. Se as nuvens não se dissiparem nas próximas semanas, serão necessários subsídios de emergência para os agricultores.

As previsões são de que as chuvas abaixo da média dos últimos seis meses provavelmente continuarão por várias semanas, com a esperança de que a primavera traga o alívio necessário.

Indicador de seca nos níveis da superfície da terra. Fonte: GRACE-NASA

Sabemos que os países da o sul da Europa e especialmente os da bacia do Mediterrâneo sofrerão secas mais frequentes e intensas. Globalmente, a seca há muito exerce uma enorme pressão sobre regiões vulneráveis ​​ao clima à medida que as temperaturas aumentam.

Essas secas que vivemos hoje, quando o meses de verãoprovavelmente aumentará o risco de desastres naturais relacionados, como os incêndios florestais, cada vez mais intensos.

De acordo com Filipe Duarte Santosespecialista em ambiente da Universidade de Lisboa, a alternância entre anos secos e húmidos é normal no sul da Europa, «temos observado uma diminuição no percentual de anos chuvosos ultimamente”,

Duarte destaca que essas secas são uma das consequências mais graves das mudanças climáticas. Até que as emissões de gases de efeito estufa sejam drasticamente reduzidas, o problema continuará.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *