Saúde informa sobre um caso suspeito de varicela

Um morador da província de Buenos Aires consultou hoje um profissional de saúde da cidade de Buenos Aires com sintomas compatíveis com varicela porque apresenta pústulas em diferentes partes do corpo e febre. O paciente, que se encontra em bom estado geral, isolado e em tratamento sintomático, tem histórico de viagem à Espanha, país onde esteve de 28 de abril a 16 de maio de 2022.

Para a realização do acompanhamento e investigação, foram colhidas amostras para diagnóstico etiológico, que estão sendo analisadas no Laboratório Nacional de Referência INEI-ANLIS Dr. Carlos G. Malbrán.

Enquanto aguardam os resultados, foi formada uma mesa de trabalho com a província de Buenos Aires e a Cidade Autônoma de Buenos Aires, para coordenar as ações clínicas, diagnósticas e epidemiológicas para confirmar ou descartar o caso, prestar atendimento clínico adequado e implementar todas as medidas de controle de foco para evitar uma possível transmissão.

Ressalta-se que desde a notificação internacional dos primeiros casos desta doença em países não endêmicos, foi formada uma equipe de trabalho no Ministério da Saúde da Nação com o objetivo de iniciar a vigilância do novo evento e gerar recomendações específicas para equipes de saúde e a população.

Até ontem, a Organização Mundial da Saúde informa a notificação de 28 casos confirmados laboratorialmente e 12 casos suspeitos de varicela em 12 países não endêmicos (Austrália, Bélgica, Canadá, França, Alemanha, Itália, Holanda, Portugal, Espanha, Suécia , Reino Unido e Estados Unidos). Nesses casos, ainda não foi confirmado histórico ou vínculo com áreas endêmicas. A extensão da transmissão comunitária ainda não está clara nesta fase e, portanto, existe a possibilidade de identificar mais casos. No entanto, deve-se notar que o vírus da varíola dos macacos é considerado como tendo transmissibilidade moderada de humano para humano.

A variante da varíola da África Ocidental até agora foi identificada em casos confirmados por testes de reação em cadeia da polimerase com transcriptase reversa (RT-PCR) de amostras vesiculares. A transmissão entre parceiros sexuais, devido ao contato íntimo durante a relação sexual com lesões cutâneas infecciosas, parece ser o modo provável de transmissão. Dada a frequência extraordinariamente alta de transmissão de pessoa para pessoa observada neste evento e a provável transmissão comunitária sem histórico de viagens para áreas endêmicas, a probabilidade de disseminação adicional do vírus por contato próximo, por exemplo, durante atividades sexuais, é considerado alto. A probabilidade de transmissão entre indivíduos sem contato próximo é considerada baixa.

Recomendações para a população

Qualquer pessoa que apresente sintomas compatíveis (especialmente erupções cutâneas) e histórico de viagens para áreas onde há casos e/ou apresente alguma exposição de risco com casos suspeitos, prováveis ​​ou confirmados, deve tomar medidas de isolamento social (não ir à escola, trabalho, eventos, etc.), implementar medidas de proteção respiratória (uso adequado de máscara, ambientes ventilados e distanciamento de outras pessoas) e consultar imediatamente o sistema de saúde.

O contato próximo com pessoas infectadas é o fator de risco mais importante para a infecção pelo vírus.

A exposição a um caso é considerada se:
– Apresentou exposição sem proteção respiratória (particularmente relevante para trabalhadores da saúde).
– Contato físico direto, incluindo contato sexual.
– Contato com materiais contaminados, como roupas ou roupas de cama.

Se uma pessoa teve contato de risco com um caso suspeito ou confirmado de varíola durante o período infeccioso, desde o início dos sintomas do caso até a queda de todas as crostas das lesões cutâneas, devem ser observadas as seguintes precauções:

  • Verifique sua temperatura duas vezes por dia.
  • Enquanto permanecer assintomático, pode continuar com as atividades diárias de rotina, mas deve permanecer perto de casa durante a vigilância.
  • Acompanhamento clínico-sanitário rigoroso será realizado por 21 dias a partir do último contato com o caso
  • Se a pessoa desenvolver uma erupção cutânea, ela deve ser isolada e avaliada como um caso suspeito, e uma amostra deve ser coletada para análise laboratorial para detectar varíola dos macacos.
  • Você não deve doar sangue, células, tecidos, órgãos, leite materno ou sêmen enquanto estiver sob vigilância de sintomas.
  • No caso de crianças em idade pré-escolar, recomenda-se evitar que elas frequentem creches ou outros ambientes de grupo.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *