Rússia: Portugal investiga a nacionalidade que concedeu a Roman Abramovich há um ano | Internacional

o bilionário russo Roman Abramovich é também, entre muitas outras coisas, portuguesa. Em abril de 2021, o Governo português concedeu-lhe a nacionalidade em virtude de raízes sefarditas que nunca foram bem esclarecidas. Naquela época, quando a invasão da Ucrânia Parecia um argumento distópico, o dinheiro pesava mais que a transparência. O processo de concessão da nacionalidade portuguesa ao oligarca russo durou apenas seis meses e foi avalizado e gerido pela Comunidade Israelita do Porto, cujo rabino, Daniel Litvak, foi detido pela polícia judiciária esta quinta-feira, quando se preparava para voar para Israel, segundo para o jornal Público, que há alguns meses desvendou anomalias na atividade desta comunidade para lucrar com o processamento de nacionalidades portuguesas. Litvak foi libertado este sábado após prestar declarações, embora com medidas de restrição de circulação.

A Polícia Judiciária confirmou na noite desta sexta-feira em comunicado a operação liderada pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção, que incluiu também buscas a domicílios e escritórios de advogados. A Procuradoria-Geral da República abriu em janeiro uma investigação para esclarecer possíveis irregularidades na tramitação de processos para facilitar a nacionalização em razão do histórico de judeus ibéricos em que poderiam ter sido cometidos tráfico de influência, corrupção ativa, falsificação de documentos, lavagem de dinheiro, fraude fiscal e associação criminosa.

A Lei da Nacionalidade permite desde 2015 nacionalizar como portugueses os descendentes da antiga comunidade judaica que residia no país até à sua expulsão por ordem de D. Manuel I em 1496, quatro anos depois de os Reis Católicos os terem expulsado dos territórios das coroas de Aragão e Castela. O Governo português atribuiu exclusivamente às Comunidades Israelitas de Lisboa e do Porto a competência para atestar a origem sefardita dos requerentes. Desde então, 86.500 solicitações foram processadas, dos quais o Ministério da Justiça concedeu mais de 32.000. 90% das candidaturas foram apresentadas à organização judaica portuense, incluindo a do oligarca Roman Abramóvich. Embora a sua nacionalidade tenha sido concedida há um ano, este facto só foi revelado em meados de Dezembro, graças a uma notícia do Público. Só pelo tratamento destes ficheiros, a comunidade judaica do Porto recebeu mais de 19 milhões de euros.

O multimilionário russo, que também tem nacionalidade israelita e lituana, foi um dos principais colaboradores do Museu do Holocausto do Porto, que abriu ao público em abril de 2021, apenas um mês antes de Abramovich visitar a cidade para assistir à final da UEFA no Estádio do Dragão , que foi disputado no final de maio por Manchester City e Chelsea, clube que pertence ao oligarca. Um dos curadores do Museu do Holocausto é Hugo Miguel Vaz, que se encarregou de introduzir na Wikipédia informação sobre a origem judaica de Abramóvich enquanto o seu dossiê tramitava perante a administração portuguesa. de acordo com o jornal Públicoeditou 18 vezes o perfil do bilionário nas versões em inglês e português para registrar informações sobre seus avós judeus.

A alteração da Lei da Nacionalidade, que incorporou em 2013 a proposta de descendentes de sefarditas ibéricos, foi proposta pela deputada socialista Maria de Belém Roseira, tia do advogado Francisco de Almeida Garret, uma das principais figuras da Comunidade Israelita do Porto , que agora está sob suspeita. Em artigo recente, Roseira defendeu que “combata-se a fraude” e que a lei “constitua uma reparação histórica para crimes e atos ignominiosos” seja “defendida”.

Esta semana, o governo do Reino Unido impôs restrições à proprietário do clube de futebol Chelsea e congelou seus ativos. Neste sábado, o campeonato inglês, o Premierdesclassificou o oligarca russo à frente do clube, o que facilita a venda da entidade conforme planejado.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as notícias e ler sem limites.

se inscrever

Acompanhe todas as informações internacionais sobre Facebook Y Twitterou em nosso boletim semanal.

Cadastre-se gratuitamente para continuar lendo

Raven Carlson

"Viciado em bacon apaixonado. Ninja orgulhoso da cultura pop. Analista irritantemente humilde. Entusiasta de TV. Fã de viagens ao longo da vida."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *