Rússia considera trocar soldados ucranianos por Viktor Medvedchuk | Europa | DW

O governo russo cogita a possibilidade de libertar os prisioneiros de guerra ucranianos capturados na siderúrgica Azovstal em troca de Kiev libertar o político Viktor Medvedchuk, um dos principais aliados do regime russo na Ucrânia e especialmente de seu líder, Vladimir Putin. A afirmação foi feita neste sábado (21.05.2022) pelo deputado Leonid Sluzki.

O parlamentar, do neofascista Partido Liberal Democrático da Rússia, disse à agência Interfax que as autoridades russas estão “examinando a possibilidade de trocar Medvedchuk em troca dos combatentes do batalhão Azov” capturados pelos invasores russos durante a tomada final de a siderúrgica. , o último reduto das forças ucranianas na cidade de Mariupol.

Medvedchuk, membro do partido pró-russo Plataforma de Oposição pela Vida, foi preso em meados de abril na Ucrânia, acusado de traição e apropriação indébita de fundos. O político estava tentando fugir para a Rússia, depois de estar em prisão domiciliar por mais de um ano. Sua esposa, Oksana Marchenko, garante que ele estaria sofrendo tortura para obter informações sobre os planos da Rússia.

Zelensky pede para aderir à UE

Entretanto, o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, disse que a única opção que existe é acolher o seu país na União Europeia, e que qualquer outra alternativa significaria uma concessão à Rússia. “Não precisamos de alternativas à candidatura da Ucrânia à União Europeia (UE), não precisamos de tais compromissos”, disse Zelenski de Kiev, durante a visita ao país do primeiro-ministro português António Costa.

“Porque, acreditem, não serão compromissos com a Ucrânia na Europa, mas entre a Europa e a Rússia. Estou absolutamente certo disso. Será o resultado da influência e pressão política e diplomática dos russos sobre uma decisão europeia de apoiar a Ucrânia ou não.” , Mantido. Costa, por sua vez, assegurou que a entrada da Ucrânia na UE é um processo que deve ser recebido “de braços abertos” e garantiu que Lisboa dará apoio “técnico” a Kiev para o efeito.

DZC (Europa Press, EFE)

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.