Rui Moreira, Presidente da Câmara do Porto: “Portugal deveria ter regiões com poder político como a Espanha tem” | Internacional

Nos últimos anos, Portugal iniciou um tímido processo de descentralização de competências para os municípios, que nesta legislatura deverá ser consolidado e reforçado com a realização de um referendo sobre a divisão do país em regiões. A oferta do Governo do primeiro-ministro, o socialista António Costa, não satisfez muitos municípios, insatisfeitos com o financiamento previsto para as novas tarefas na educação e na saúde, mas foi a pancada do independente Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal Câmara do Porto, à Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP) pela sua péssima defesa dos interesses locais contra Lisboa, que agitou as águas o suficiente para fazer o governo central rever a sua proposta. Esta entrevista foi realizada em junho na Câmara Municipal do Porto, antes de se chegar a um novo acordo de transferência de competências em educação e saúde entre o Executivo do Litoral e as autarquias, assinado na passada sexta-feira. Moreira (Porto, 65 anos) mostrou o peito com as melhorias obtidas graças à deserção do Porto, embora ainda não veja motivos para regressar ao órgão municipal.

Perguntar. O que pretendia com a saída do Porto da Associação Nacional de Municípios?

Resposta. Acima de tudo, pretendemos que nas fases de descentralização da saúde e coesão social, a Associação Nacional de Municípios não assuma compromissos inatingíveis com o governo central.

P. Qual o encaixe da descentralização na regionalização que deve ser promovida novamente com um referendo em 2024?

R. Sou regionalista, mas aqui também sou claro. Se é para que o Estado passe tarefas e não competências para as regiões, se é para que o Estado não transfira poder ou renda, a regionalização é um desastre e os cidadãos virão ao referendo, depois de ver o que aconteceu com a descentralização , e eles vão votar contra. O perigo é que o fato de a descentralização ter sido muito mal feita e todos concordarem com isso leve à rejeição da regionalização, e com razão, pela população.

Temos um governo central gigantesco e uma administração local sem recursos

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

P. Se as competências em educação, saúde e coesão social forem transferidas para as Câmaras locais, que missão resta para as regiões?

R. Teríamos que ter regiões administrativas com poder político como a Espanha tem. A ideia de fazer regiões puramente administrativas não resolve a equação, mas há questões muito importantes que uma região poderia definir, como prioridades no ambiente, infraestrutura ou fatores de competitividade, que permitiriam mitigar a enorme diferença que existe hoje entre a região de Lisboa e o resto do país. Em Portugal, a despesa do governo central é de 34,9% do PIB, enquanto na Europa é de 26,7%. Ou seja, Portugal tem um governo central mais caro do que a média europeia. A despesa da cidade é de 6,9% do PIB em Portugal, enquanto a média europeia é de 11,4%. Isso significa que temos um governo central gigantesco e uma administração local sem recursos. Esta situação é agora agravada pelo Plano de Recuperação e Resiliência. Só na cultura, na área metropolitana de Lisboa recebem 114 milhões de euros. Para toda a região Norte são 9,8 milhões e a região Centro, 19,93% do Estado concentra-se em Lisboa com mais de 650 instituições. O salário médio na área metropolitana é de 1.477 euros, enquanto no resto do país é inferior a 1.100. Isso causa uma migração de população qualificada. As únicas regiões que estão a crescer em população em Portugal são Lisboa e Algarve.

P. Em que condições regressaria à Associação Nacional de Municípios?

R. Isso não depende de mim, foi decidido por uma assembleia municipal onde não tenho a maioria. A Associação Nacional de Municípios tem de ser um instrumento da política municipal, um órgão reivindicatório do municipalismo e não um órgão obediente do poder central, sempre dominado pela lógica partidária.

P. Qual é a sua relação com o primeiro-ministro, com quem compartilhava reivindicações quando ambos eram prefeitos?

R. Tenho um excelente relacionamento com o primeiro-ministro há mais de 20 anos.

P. As ligações ferroviárias entre Espanha e Portugal são piores do que no século XIX.

R. Em termos de competitividade, estão piores do que no século XIX.

P. O que alega a Câmara do Porto?

R. A Câmara tratou deste assunto em conjunto com a Xunta de Galicia, especificamente com Alberto Núñez Feijóo, e também com o Governo, que apresentou um plano que tem a nossa aprovação. O que está em cima da mesa é construir uma segunda linha Porto-Lisboa paralela à actual linha Norte, que seguirá para o aeroporto do Porto e daí fará a ligação à fronteira com a Galiza. Sei que há negociações entre o Governo português e o Governo espanhol para que esta ligação também tenha investimento na parte galega, mas já é uma decisão do ministério espanhol. Isto permitiria que Vigo fosse o nó que fizesse a ligação entre esta linha e a rede de alta velocidade a Madrid; Ao mesmo tempo, seria importante que esta linha tivesse uma ligação de Santiago à Corunha, para que a fachada atlântica fosse dotada de infra-estruturas. É um modelo que defendo há anos de complementaridade entre o norte de Portugal e a Galiza. Não queremos uma ligação ferroviária com Madrid por território português, queremos aproveitar a ligação a Vigo e promover o nosso aeroporto Francisco Sá Carneiro, que tem uma clara influência no território galego. Essa é uma questão que preocupa muito o prefeito de Vigo, mas é a minha posição.

Não faz sentido que todas as mercadorias entre Portugal e Espanha circulem por estrada

P. Por que não estão interessados ​​em se conectar com Madrid através do território português?

R. Temos que fazer escolhas e quando olhamos para o mapa da Península Ibérica e vemos onde está a população, a grande concentração está na zona entre Porto, Braga, Vigo, Santiago e A Coruña, e uma ligação do interior a Madrid seria mais rápido, mas passará por territórios com baixa densidade populacional. Pode ser bom para o Porto e Madrid, mas os territórios de baixa densidade ganham pouco, ou muito longo prazo, com a passagem do comboio. Mas o comboio não é só a ligação com Espanha, não temos ferrovia em Portugal. A ligação Porto-Lisboa demora tanto como há 30 ou 40 anos. A ferrovia não existe. No transporte de mercadorias, Espanha é o principal fornecedor de Portugal e Portugal é o terceiro de Espanha e todas estas mercadorias circulam por via rodoviária, não faz o menor sentido. Também temos uma transição energética que é um compromisso dos dois países. O trem é o nó gordo que temos que desatar.

Acompanhe todas as informações internacionais em Facebook S Twitterou em nosso boletim semanal.

50% de desconto

Inscreva-se para continuar lendo

leia sem limites

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.